Botafogo-SP 0 x 3 Santos

Data: 08/03/2015, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 8ª rodada
Local: Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, SP.
Público: 7.243 pagantes (7.328 no total)
Renda: R$ 270.430,00
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo
Auxiliares: Daniel Luis Marques e Márcio Dias dos Santos
Cartões amarelos: Gimenez, Wesley e Denis (B); Vanderlei (S).
Gols: Werley (22-1); Ricardo Oliveira (24-2) e Ricardo Oliveira (46-2).

BOTAFOGO-SP
Renan Rocha; Roniery (Henrique Santos), Eli Sabiá, Bruno Costa e Dênis; Gimenez, André Rocha, André Santos (Zé Roberto) e Rodrigo Andrade; Wesley (Diogo Campos) e Giancarlo.
Técnico: Mazola Júnior

SANTOS
Vanderlei; Cicinho, Werley, Gustavo Henrique e Victor Ferraz; Valencia (Lucas Otávio), Renato e Lucas Lima; Geuvânio (Elano), Gabriel (Thiago Ribeiro) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Sem Robinho, Santos bate Botafogo-SP no primeiro teste pós-Enderson

Nesse primeiro momento, a demissão de Enderson Moreira parece ter feito bem ao time do Santos. Pelo menos, é o que indica a vitória da equipe em seu primeiro jogo após a saída do treinador, contra o Botafogo-SP, por 3 a 0, no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto.

Com o triunfo – que encerra a oitava rodada –, o Peixe segue invicto e líder do grupo 4 do Campeonato Paulista, com 20 pontos somados. Para efeito de comparação, o segundo colocado Capivariano tem apenas nove. Já o Botafogo-SP segue estacionado na terceira posição do grupo 3 (o mesmo de Palmeiras e Portuguesa), também com nove.

Com ataque afobado, zagueiro Werley marca seu primeiro pelo Peixe – Embora o favoritismo pertencesse ao Santos, os primeiros lances de perigo do duelo foram protagonizados por Giancarlo, do Botafogo. O centroavante seguiu pela intermediária e arriscou o chute da entrada da área, mas a conclusão torta decepcionou a torcida presente no Estádio Santa Cruz. Depois, aproveitou cruzamento de Denis pela direita e tocou de cabeça para o gol, vendo a bola raspar a trave esquerda de Vanderlei.

Em seguida, aos 13 minutos, o jovem Gabriel – um dos pivôs da demissão de Enderson, que não o escalava para os jogos com frequência – driblou quatro adversários em uma jogada tão promissora quanto o seu futebol, mas cuja finalização, fraca demais, deixou a desejar. Melhor para o goleiro Renan Rocha, que segurou com firmeza e tranquilidade. Na sequência, o garoto trabalhou a bola com Ricardo Oliveira e cruzou para Geuvânio, que tentou um voleio de primeiro na entrada da área e acertou apenas a zaga do Botinha.

Se o ataque não se entendia no último toque, o zagueiro Werley subiu ao ataque para, enfim, furar o bloqueio do Fogão do interior. Aos 22, Lucas Lima cobrou escanteio pela direita e o beque nem precisou pular para vencer a defesa adversária e tocar de cabeça para o gol, abrindo o placar para o Santos.

Cinco minutos depois, os anfitriões tentaram reagir rapidamente com André Santos. Hoje responsável pela armação do Botinha, o ex-lateral esquerdo do Corinthians arriscou uma bomba de fora da área e viu Vanderlei espalmar no susto para evitar o empate. Logo depois, Rodrigo Andrade tabelou com André Santos e saiu livre na cara do goleiro santista, mas pareceu não acreditar quando errou o alvo, tocando para fora. Dessa forma, com o Santos acomodado com o placar parcial, foi encerrado o primeiro tempo.

Passe de Lucas Lima encanta torcida e Ricardo Oliveira desencanta – Se os primeiros 45 minutos já foram carentes de lances bonitos, a etapa final começou nervosa, truncada e cheia de faltas. Nos primeiros seis minutos, foram assinaladas seis faltas. Quando a bola rolou normalmente, por outro lado, Gabriel finalmente acertou o último passe, ao rolar com perfeição para Geuvânio, que sairia livre na cara de Renan Rocha. O único problema é que Ricardo Oliveira, em posição irregular, entendeu mal a jogada e tentou dominar a bola, gerando o impedimento na boa jogada santista.

Em seguida, foi a vez de Lucas Lima tentar o seu, ao invés de servir os companheiros. O meia venceu a marcação e cortou para o meio, visando o chute com a direita, que passou raspando a trave de Renan Rocha – já vencido no lance. Já que o seu gol não saía, o camisa 20 enfim conseguiu servir um companheiro aos 24, quando deu uma bela assistência para Ricardo Oliveira. O centroavante, livre na frente da meta, só teve o trabalho de tocar na saída do goleiro e comemorar.

Na marca dos 30 minutos, o Botinha chegou com perigo em um cruzamento pela direita, que resultou na cabeçada venenosa de Bruno Costa. Mais uma vez atento, o goleiro Vanderlei espalmou com categoria – e para o alívio da torcida santista, que já gritava “olé” em Ribeirão Preto. Logo depois, tempo para cobrança de falta de Elano, que vive sua terceira passagem pelo Santos e não fazia boa partida. Aos 40, o meia assumiu a responsabilidade e tentou o chute direto para a meta, mas a batida do ídolo alvinegro foi prejudicada pelo desvio da barreira, encaixando com facilidade nas mãos do goleiro Renan Rocha.

Ainda houve tempo para mais um gol santista, no apagar das luzes do duelo. Aos 46, a dupla Lucas Lima e Lucas Otávio trabalhou bem e a bola ficou com Ricardo Oliveira, que soltou a bomba em frente ao arqueiro adversário e fechou a conta alvinegra: 3 a 0, olé, e vitória reafirmativa do invicto Santos no primeiro teste após a queda de Enderson Moreira.

Bastidores – Santos TV:

Interino, Fernandes nega grupo rachado e admite interesse no cargo

Substituto temporário – ou não, uma vez que ele se declara pronto para assumir a equipe – de Enderson Moreira no comando do Santos, Marcelo Fernandes classificou a vitória do Peixe por 3 a 0 sobre o Botafogo-SP como uma “experiência maravilhosa”.

“O grupo me deixou muito à vontade quanto ao jogo de hoje, foi uma experiência maravilhosa e muito marcante para a minha vida. Tenho vontade sim de ser treinador, mas sou funcionário do Santos de um jeito ou de outro e respeito a decisão da diretoria. Estou muito tranquilo, o jogo passou e fiz bem o meu papel nesse momento”, declarou o interino, aproveitando para negar um suposto “racha” no elenco santista, que teria culminado na demissão de Enderson.

“Nunca existiu racha nenhum, o elenco sempre trabalhou de forma séria com todo treinador que passou por aqui. Temos o Robinho, por exemplo, que veio do Manchester City e chegou dando carrinho, lutando, chamando todo mundo pro jogo. Com os meninos mais novos isso não é diferente de jeito nenhum. É um elenco maravilhoso, esses problemas nunca existiram”, garantiu Marcelo.

Durante a semana, o presidente Modesto Roma Júnior chegou a manifestar interesse na contratação dos técnicos Dorival Júnior e Vagner Mancini, que curiosamente estão juntos em uma excursão europeia. Independentemente da escolha do novo comandante alvinegro, Marcelo Fernandes confia na capacidade do elenco de manter a sequência de bons resultados – o Peixe segue invicto na disputa do Campeonato Paulista.

“Ele vaio pegar um elenco muito bom, totalmente qualificado. Hoje, o Santos tem um elenco e um banco muito forte, com boas opções em qualquer posição e para qualquer situação. Então o treinador que chegar vai ter tranquilidade para trabalhar, vai implantar a sua filosofia. Esses garotos tem tudo para ajudar qualquer um que chegar”, concluiu.

Na próxima rodada, o Santos recebe o rival Palmeiras na Vila Belmiro, na quarta-feira, às 22 horas (de Brasília). Atualmente, o Peixe lidera o grupo 4 com sobras, somando 20 pontos na tabela – 11 a mais do que o Capivariano, segundo colocado.