Santos 3 x 1 Palmeiras

Data: 27/01/1999, quarta-feira, 20h30.
Competição: Torneio Rio SP
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público:
Renda: R$
Árbitro: Cláudio Vinícius Cerdeira (RJ)
Cartões amarelos: Argel, Dutra, Eduardo Marques e Alessandro (S); Galeano, Wagner e Evair (P).
Cartão vermelho: Paulo Assunção (P)
Gols: Jorginho (10-1) e Neném (12-1); Rodrigão (01-2) e Alessandro (30-2).

SANTOS
Zetti; Michel, Argel, Claudiomiro e Dutra; Marcos Assunção, Narciso (Marcos Bazilio), Eduardo Marques (Arinélson) e Jorginho; Alessandro (Camanducaia) e Rodrigão.
Técnico: Emerson Leão

PALMEIRAS
Marcos; Neném, Júnior Tuchê, Galeano e Wagner; Pedrinho (Thiago), Paulo Assunção, Tiago Silva e Jackson; Juliano e Evair (Augusto)
Técnico: Luiz Felipe Scolari



Santos bate Palmeiras e lidera Rio SP

Santistas confirmam previsão do palmeirense Luiz Felipe Scolari e ficam isolados em 1º lugar na competição

Confirmando as previsões do técnico Luiz Felipe Scolari, o Santos derrotou o Palmeiras por 3 a 1, ontem à noite, na Vila Belmiro, pelo Torneio Rio-São Paulo.

Antes do jogo, o treinador palmeirense, alegando a ausência dos titulares e o pouco tempo de preparação, previra a derrota de seu time -formado ontem principalmente por reservas e juniores.

Com a vitória, o Santos foi a seis pontos em dois jogos e assumiu a liderança isolada do Grupo 1 do torneio, beneficiando-se da derrota do Vasco para o Fluminense. Os times cariocas estão empatados em segundo, com três pontos, e o Palmeiras, que não pontuou, é o último.

Scolari resolveu escalar o atacante Evair desde o início da partida. Fora de forma e sem entrosamento com a equipe, Evair pouco produziu no ataque.

O mesmo aconteceu com o resto do time, inclusive com o meia Jackson, muito marcado e apagado durante quase todo o jogo.

Nos primeiros minutos de jogo, o Santos teve o domínio da posse de bola e ameaçava com mais frequência o gol adversário, mas errava muitos passes e finalizava com imprecisão.

A ala esquerda de campo, onde Dutra e Eduardo Marques levavam ampla vantagem sobre o palmeirense Neném, era o setor preferido dos santistas.

Foi dali que surgiu a primeira chance de gol do time de Emerson Leão. Aos 7min, Eduardo Marques cruzou, Jorginho deixou a bola passar, e o estreante Rodrigo, 20,de virada, chutou para fora.

Três minutos depois, Marcos deu rebote em um chute de Eduardo Marques de fora da área. Jorginho aproveitou, e o goleiro palmeirense voltou a rebater nos pés de Jorginho, que encostou para as redes, fazendo 1 a 0.

A reação palmeirense foi imediata. Aos 12min, Neném cobrou falta da esquerda, Narciso tentou cortar de cabeça e acabou fazendo gol contra.

Um dos destaques da partida, o santista Rodrigo voltou a ameaçar aos 19min, quando, novamentre de virada, mandou à direita de Marcos.

A partir da metade do primeiro tempo, o Palmeiras ajeitou o posicionamento do meio-campo, passou a distribuir melhor a bola e equilibrou a partida.

Ainda assim, o jogo, principalmente no primeiro tempo, foi marcado pelo baixo nível técnico dos dois times.

Para o segundo tempo, Leão tirou Narciso, que fora mal na primeira etapa, e pôs Marcos Basílio.

Logo a 1min, Alessandro cruzou, a zaga palmeirense não cortou, e Rodrigo chutou forte, sem chance para Marcos.

Aos 26min, o júnior palmeirense Assunção, 18, que já tinha amarelo, fez uma falta normal em Marcos Assunção e foi expulso injustamente pelo árbitro carioca Cláudio Vinícius Cerdeira.

O gol que definiu o placar surgiu de uma jogada de Eduardo Marques. Ele passou por dois adversários, e a bola sobrou para Alessandro, que chutou cruzado para as redes.

Solenidade inaugura novo sistema de iluminação da Vila

Com uma solenidade presenciada por Pelé, o Santos inaugurou na noite de ontem, antes do clássico contra o Palmeiras, o novo sistema de iluminação do estádio da Vila Belmiro, que custou US$ 500 mil.

Às 20h30, com o estádio totalmente às escuras, a cantora Míriam Teixeira Oliveira foi chamada para interpretar, sem acompanhamento, o Hino Oficial do Santos.

Os torcedores acenderam isqueiros distribuídos no portão de entrada do estádio. Uma contagem regressiva, acompanhada em coro pelos torcedores, precedeu o acionamento da iluminação.

Cercado por jogadores das equipes amadoras do Santos, todos com balões pretos e brancos, o presidente Samir Abdul-Hak descerrou uma placa comemorativa que será afixada de fora do estádio.

O novo sistema acabou com as sombras que se formavam nas extremidades do gramado e eram motivo de queixa dos goleiros.

A quantidade de refletores aumentou de 68 para 198. A potência total cresceu de 124 mil para 297 mil watts, e o nível de iluminação foi multiplicado por seis: passou de 200 para 1.200 lux no gramado.



Fonte: Jornal Folha de SP – http://acervo.folha.com.br/fsp/1999/01/28/20//668904