Santos 3 x 0 Coritiba

Data: 08/08/2015, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 17ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.657 pagantes
Renda: R$ 306.585,00
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Auxiliares: Kleber Lúcio Gil e Carlos Berkenbrock (ambos de SC).
Cartões amarelos: Lucas Lima (S); João Paulo, Ivan, Ruy e Juninho (C).
Gols: SANTOS: Geuvânio (19-1) e Ivan (43-1, contra); Ricardo Oliveira (14-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia (Elano), Renato (Paulo Ricardo) e Lucas Lima; Gabriel, Ricardo Oliveira e Geuvânio (Neto Berola).
Técnico: Dorival Júnior

CORITIBA
Wilson; Ivan (Juan), Rafael Marques, Leandro Silva e Juninho; Alan Santos (Thiago Galhardo), João Paulo e Ruy; Rafhael Lucas, Henrique Almeida (Fabrício Baiano) e Evandro.
Técnico: Ney Franco



Santos mantém ascensão e afunda o Coritiba na Vila Belmiro

O Santos aproveitou a fragilidade do Coritiba para continuar em alta sob o comando de Dorival Júnior. Na noite deste sábado, a equipe do litoral paulista recebeu o lanterna do Campeonato Brasileiro na Vila Belmiro e venceu por 3 a 0, com gols de Geuvânio, Ivan (contra) e Ricardo Oliveira.

O resultado fez o Santos se distanciar da zona de rebaixamento da competição, computando agora com 20 pontos ganhos. Já em situação de desespero, o Coritiba totaliza apenas 12, assim como Vasco e Joinville (que irão se enfrentar no domingo, em São Januário).

O Vasco também é justamente o próximo oponente do Santos – a partida será na de quarta-feira, outra vez na Vila Belmiro. Na mesma noite, o Coritiba tentará se reabilitar diante de outra equipe paulista, o Palmeiras, no Couto Pereira.

O jogo

O Santos obedeceu ao coro dos seus torcedores que estavam na Vila Belmiro e foi para cima do Coritiba desde os primeiros minutos de partida. Com rápidas trocas de passes de seus homens de frente, não demorou a virar alvo da truculência da marcação adversária.

Aos 17 minutos, no entanto, o Santos deu a primeira mostra de que não poderia ser contido com violência. Lucas Lima fez ótima lançamento para Ricardo Oliveira, que ajeitou a bola de cabeça da esquerda para o meio da área. Diante do gol, Gabriel acertou o travessão.

Nem houve tempo para muita lamentação pela chance perdida. Dois minutos mais tarde, Geuvânio clareou para dentro da área pela direita e soltou o pé para acertar o canto do gol defendido por Wilson.

A desvantagem no placar desestabilizou ainda mais o Coritiba. Sem criatividade para dar uma resposta ao Santos, o time visitante apelava para as finalizações de longa distância quando conseguia atacar.

Seguro em campo, o Santos chegou ao segundo gol ainda antes do intervalo. Aos 43, Gabriel rolou a bola para a passagem de Lucas Lima pelo lado direito da área. O meia cruzou rasteiro para o meio, onde Ivan se antecipou a Geuvânio e anotou contra, para frustração de Ney Franco.

O técnico do Coritiba resolveu entrar em ação no intervalo, trocando Ivan por Juan. Como a sua equipe não reagia, ele esperou mais seis minutos para mexer de novo já no segundo tempo. Alan Santos saiu para a entrada de Thiago Galhardo.

Dorival Júnior mudou o Santos pela primeira vez pouco depois, já que Renato reclamou de dores. Bastante aplaudido, o veterano deu lugar a Paulo Ricardo e viu do banco de reservas o seu time ampliar o marcador.

Aos 14 minutos, Geuvânio recebeu a bola do lado direito e teve visão de jogo para cruzar rasteiro para Ricardo Oliveira, que levou a melhor na disputa com a marcação e finalizou para dentro.

Combalido, o Coritiba apostou a sua última ficha em Fabrício Baiano, substituto de Henrique Almeida, porém já tinha forças apenas para cometer faltas mais duras nos atacantes do Santos. Por sua vez, o satisfeito Dorival mandou a campo Neto Berola e Elano nos lugares de Geuvânio e Thiago Maia antes de a bola parar de rolar na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Jogadores do Santos tentam evitar empolgação depois de nova vitória

Os jogadores do Santos ainda nem haviam deixado o gramado da Vila Belmiro, em meio à comemoração dos torcedores pela vitória por 3 a 0 sobre o Coritiba, e já repetiam o discurso comedido adotado desde a ascensão sob o comando de Dorival Júnior.

“Demos uma respirada, mas ainda estamos muito longe de onde queremos chegar. Apesar de a crescente ser boa, temos obrigação de ir mais à frente na tabela”, pregou o meia Lucas Lima, no final da noite deste sábado.

Ainda que a momentânea 12ª colocação do Campeonato Brasileiro, com 20 pontos ganhos, não satisfaça completamente os santistas, a sequência de bons resultados já serviu para fazer o time fugir da zona de rebaixamento.

“Assino embaixo do que o Lucas falou. Foi uma vitória importante para abrir distância para quem está atrás na tabela, fundamental por ser dentro de casa, mas já devemos pensar no próximo jogo”, avisou o centroavante Ricardo Oliveira, respeitando o também ameaçado Vasco, adversário de quarta-feira, de novo na Vila Belmiro.

O artilheiro do Campeonato Brasileiro ainda aproveitou para repetir o mantra apregoado por Dorival Júnior. “Teremos mais uma final”, disse Ricardo Oliveira. “Isso não é jogada de marketing. Não existe empolgação com a nossa evolução. Cada jogo é uma final para não deixarmos escapar nem um ponto. Esse é o espírito, o caminho para continuar crescendo na competição”, completou.

Artilheiro, Ricardo Oliveira enaltece a sua forma física aos 35 anos

O centroavante Ricardo Oliveira marcou o último gol do Santos – o seu décimo no Campeonato Brasileiro – na vitória por 3 a 0 sobre o Coritiba, na noite deste sábado, e saiu ovacionado do gramado da Vila Belmiro. “Feliz”, conforme repetiu muitas vezes, o artilheiro da competição atribuiu a boa fase ao seu condicionamento físico.

“Sempre fui disciplinado, regrado, cuidando do meu corpo e da minha saúde. Isso é a colheita do que plantei em todos esses anos de futebol profissional e amador. Eu me encontro bem, em plena forma. É algo notório nos jogos”, comemorou Ricardo Oliveira, de 35 anos.

Os gols marcados como veterano também ajudam a estreitar o vínculo do centroavante com o Santos, clube que ele já havia defendido em 2003. “Tive uma primeira passagem, mas essa de agora tem um gosto muito doce”, definiu. “A minha empolgação é nítida. O que importa é que estou feliz e fazendo o que mais gosto”, acrescentou, ainda sorridente.

O entusiasmo é tamanho que já começa fazer com que Ricardo Oliveira sonhe com uma vaga na Seleção Brasileira do técnico Dunga. Para Dorival Júnior, o seu comandante no Santos, o experiente atacante tem totais condições de ser útil à equipe nacional.

Meninos da Vila destacam evolução pessoal sob o comando de Dorival

A chegada de Dorival Júnior ajudou a motivar dois jovens atacantes do Santos. Satisfeitos com mais uma vitória no Campeonato Brasileiro – por 3 a 0 sobre o Coritiba, neste sábado, na Vila Belmiro –, Geuvânio e Gabriel enalteceram o treinador após a partida.

“O professor vem conversando muito com a gente. O entrosamento está cada vez melhor”, comentou Geuvânio, que abriu o placar para o Santos nesta noite. “Foi um bom chute, e a bola entrou no cantinho. Aí, foi só correr para o abraço”, sorriu.

Gabriel passou em branco, mas não deixou de ter uma atuação importante para o Santos construir o resultado positivo. “Estou aprendendo bastante com o professor. Antes, vinha fazendo alguns jogos bons e outros, ruins. Consigo manter uma regularidade agora. Devo continuar assim”, disse o também Menino da Vila.

Mais falante, Geuvânio aproveitou para enaltecer ainda a experiência do “extraordinário” centroavante Ricardo Oliveira, artilheiro do Campeonato Brasileiro, e a criatividade do meia Lucas Lima. Ele tem se divertido com a reação do quarteto ofensivo santista na competição.

“Estou muito feliz pelas brincadeiras que vejo na internet. Nos jogos, passamos a colocar em prática aquilo que treinamos. Vamos continuar trabalhando forte para todos serem ainda mais felizes”, concluiu Geuvânio.

Dorival avisa que a realidade do Santos ainda é a luta contra a degola

Assim como os seus comandados, o técnico Dorival Júnior evitou se empolgar com a vitória por 3 a 0 sobre o lanterna Coritiba, que fez o Santos se distanciar da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Para o comandante, ainda é cedo para alimentar maiores ambições na competição.

“Não é a nossa realidade. O Santos está brigando contra o rebaixamento”, sentenciou Dorival. “Conquistamos pontos importantes, mas isso não é suficiente. Essa foi a conversa que tivemos com os jogadores após a partida”, contou.

Os três importantes pontos conquistados contra o Coritiba fizeram o Santos totalizar 20, subindo momentaneamente para a 12ª colocação do Brasileiro – ameaçada pela sequência da rodada, neste domingo.

“Pela aproximação de pontos, é natural abrir a possibilidade para outras situações. Mas, se não continuarmos pontuando, não adianta nada. Até o início da rodada, éramos só a primeira equipe fora da zona de rebaixamento. É por isso que não dá para relaxar e achar que as coisas estão acontecendo de outra forma”, discursou Dorival.

Os jogadores compraram a ideia do treinador santista. Todos eles têm dito que cada partida é como uma final na luta contra a degola. A próxima será contra o também ameaçado Vasco, na noite de quarta-feira, outra vez na Vila Belmiro.

“Todos são adversários duríssimos. O Coritiba está na última posição, mas nos pressionou na Vila, dificultando bastante o nosso trabalho. O Vasco tem uma belíssima equipe e também vai oferecer muitos riscos. Não podemos perder o espírito”, alertou o centroavante Ricardo Oliveira.