Santos 1 x 0 Vasco

Data: 12/08/2015, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 18ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.038
Renda: R$ 281.255,00
Árbitro: Emerson Luiz Sobral (PE)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (MG) e Fabiano da Silva Ramires (ES)
Cartões amarelos: Gabriel, Marquinhos Gabriel (S); Serginho, Guiñazu (2), Rafael Silva e Thalles (V).
Cartão vermelho: Guiñazu (V)
Gol: Victor Ferraz (03-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Daniel Guedes), Gustavo Henrique (Werley), David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Geuvânio (Leandro), Gabriel (Marquinhos Gabriel) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

VASCO
Martin Silva; Madson, Rodrigo, Jomar e Christiano; Pablo Guiñazu, Serginho, Julio dos Santos (Herrera), Julio Cesar (Rafael Silva) e Jhon Cley; Riascos (Thalles).
Técnico: Celso Roth



Santos perde enxurrada de gols, mas vence na Vila e afunda o Vasco

Vila Belmiro cheia, time embalado e, pela frente, o Vasco em profunda crise, penúltimo colocado do Campeonato Brasileiro. Tinha tudo para ser uma partida tranquila para o Santos na noite desta quarta-feira, em duelo válido pela 18ª rodada do campeonato Brasileiro. Mas Martín Silva resolveu endurecer as coisas para o Peixe.

O goleiro vascaíno fez grandes defesas e segurou o ataque santista durante todo o primeiro tempo. As chances de gols foram muitas, porém, o trio formado por Ricardo Oliveira, Geuvânio e Gabriel não estava com a pontaria calibrada e o zero não saiu do placar nos primeiros 45 minutos.

Foi quando apareceu o elemento surpresa. Logo aos três minutos da segunda etapa, em bela cobrança de falta, Victor Ferraz acabou com a angústia dos 12.038 torcedores presentes e abriu o placar.

Ricardo Oliveira, artilheiro isolado do nacional ainda teve outra grande oportunidade de chegar ao 11º gol na competição em cobrança de pênalti. Mas, Martín Silva novamente se deu melhor e espalmou o chute do camisa 9. À esta altura, o Vasco estava com dez em campo, já que Guiñazu foi expulso ao cometer a penalidade máxima.

O resultado leva o Santos aos 23 pontos, cada vez mais longe da zona de rebaixamento e mantendo vivo o sonho de encostar no pelotão de cima da tabela. Agora, são cinco jogos de invencibilidade, contando o duelo pela Copa do Brasil.

Na próxima rodada, o time de Dorival Jr encara o Atlético-PR, às 18h30, na Arena da Baixada, em Curitiba, no sábado Vale destacar que o alvinegro praiano ainda não venceu fora de casa neste Brasileirão.

Já o Vasco agora é o lanterna da competição, já que o Coritiba bateu o Palmeiras também nesta quarta. Com 13 pontos, o cruzmaltino tenta reagir também no sábado, em confronto direto com o Coxa, no Maracanã, às 18h30.

O jogo

Embalado pela sequência de resultados positivos e diante de uma Vila Belmiro cheia, o Santos partiu para cima do Vasco desde o início do jogo. Claramente sem confiança com a crise da equipe no Campeonato Brasileiro, o time carioca sofreu desde os primeiros segundos de jogo.

Antes mesmo do relógio dar a primeira volta, Ricardo Oliveira já teve uma grande chance. O camisa 9 cabeceou para chão e Martín Silva fez sua primeira grande defesa. Na sequência, Jomar salvou quase em cima da linha o que seria o gol de Geuvânio.

Como tem sido rotina desde que Dorival Jr assumiu o Peixe. O time exerceu uma verdadeira blitz nos primeiros minutos. O Vasco não passava do meio de campo e tentava se safar de qualquer jeito.

Aos 14 minutos, Ricardo Oliveira saiu da área, tabelou com Geuvânio e recebeu libre, dentro da área, mas bateu por cima. Aos 25, novamente o artilheiro do Brasileirão teve grande oportunidade de tirar o zero do placar, após bela enfiada de Gabriel, mas a bola raspou a trave e não entrou.

À partir dos 30 minutos, o Santos sentiu o cansaço e o Vasco passou a jogar um pouco mais tranquilo. Riascos ainda assustou aos 32, depois de ganhar a jogada em cima de Gustavo Henrique e David Braz. Aos trancos e barrancos, o atacante cruzamaltino bateu com perigo e assustou os torcedores santistas.

A resposta veio três minutos depois.

Lucas Lima roubou a bola no meio de campo e cruzou. Gabriel dominou e bateu, mas Martín Silva mais uma vez brilhou. O Peixe roubou a bola na sequência da jogada e, sem deixar os vascaínos respirarem, chegou com perigo, mas o goleiro carioca fez outra grande defesa e espalmou chute de Geuvânio.

Parecia inacreditável um time tão superior em campo não conseguir marcar ao menos um gol diante de tantas chances claras, mas Martín Silva era o ponto fora da curva no Vasco. Aos 43, o camisa 1 salvou outro gol de Geuvânio, após sair abafando chute do Caveirinha.

E quando Ricardo Oliveira, enfim, balançou as redes, foi marcado impedimento, frustrando todo o estádio, já ansioso e sem a mesma paciência dos primeiros minutos.

Nos acréscimos, Gabriel e Gustavo Henrique ainda desperdiçaram duas grandes oportunidades e, sem entender como, o Peixe desceu para os vestiários com o empate por 0 a 0 diante de um adversário que pouco ofereceu resistência. Para os visitantes, o empate na primeira etapa foi lucro.

Se o grito de gol ficou entalado na garganta do torcedor do Peixe durante todo o primeiro tempo. O alívio veio logo aos três minutos. Em cobrança de falta próxima a área, pela direita, Victor Ferraz surpreendeu o goleiro Martín Silva, que esperava pela batida de Geuvânio, e estufou as redes.

O gol inflamou a Vila Belmiro e empolgou a equipe de Dorival Jr, que manteve a mesma pegada e seguiu pressionando os vascaínos no campo de defesa.

Mas o jogo realmente estava fugindo de todos os prognósticos. Aos 11 minutos, depois de uma confusão na área, Vanderlei salvou o Peixe com uma defesa de puro reflexo, quase em cima da linha. O lance encorajou o alvinegro carioca, que passou a frequentar mais o campo de ataque.

O ímpeto dos cariocas, no entanto, foi freado pela própria incapacidade técnica da equipe. O Peixe seguiu buscando o segundo gol, mas já sem o mesmo ritmo . O jogo passou a ficar mais cadenciado e, de certa forma, um pouco apreensivo, já que mesmo com a vantagem no placar, um gol dos vascaínos e tudo mudaria.

Aos 34 minutos, os donos da casa tiveram a grande chance para pôr fim a tudo isso. Marquinhos Gabriel, que entrou na vaga de Geuvânio, entrou na área, limpou o goleiro e, depois de perder ângulo, tocou para Lucas Lima. O camisa 20 limpou Guiñazu e sofreu pênalti. O volante vascaíno recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso.
Na cobrança, porém, Ricardo Oliveira não parecia o artilheiro isolado do Campeonato Brasileiro e bateu fraco, no canto direito rasteiro. Martín Silva, um dos melhores em campo nesta quarta, voou e evitou o segundo gol santista.

Assim, mesmo com o placar que não refletiu a superioridade mostrada em campo, o Peixe bateu o Vasco por 1 a 0, cumpriu sua missão dentro de casa e deixou os cariocas em situação ainda mais complicada com 18 rodadas jogadas no Campeonato Brasileiro.

Bastidores – Santos TV:

Victor Ferraz salva atacantes do Peixe e acaba com jejum de gols de falta

Esta quarta não era noite do artilheiro Ricardo Oliveira, nem dos decisivos Geuvânio e Gabriel. Lucas Lima também não brilhou. Mesmo com diversas chances claras de gol, os homens de frente do Peixe não conseguiram superar Martín Silva, goleiro vascaíno, na Vila Belmiro. Victor Ferraz, então, chamou a responsabilidade e garantiu mais três pontos para o Peixe nesta 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, após cobrança de falta perfeita.

“Hoje, tivemos bastante chances. Normalmente nossos jogadores de frente não costumam perder gols, mas, tem que enaltecer o Martín Silva, que fez um grande jogo. Ele, muitas vezes, é cobrando, na minha opinião, até de maneira injusta. E hoje foi responsável por grandes defesas. Está de parabéns”, comentou o lateral.

Além de marcar o único gol do jogo, seu primeiro com a camisa santista, Victor Ferraz acabou com o jejum de gols de falta da equipe. O último aconteceu dia 26 de janeiro de 2014, quando Cícero marcou deixou sua marca em cima do Ituano, em Itu, na terceira rodada do Campeonato Paulista daquele ano.

“Eu treino muito, venho treinando bastante. Abracei o Lucas (Silvestre), filho do Dorival, na comemoração, porque ontem, no treinamento de falta, ele me cobrou bastante. Ia parar de treinar e a repetição levou à perfeição. Valeu a pena. Vou continuar treinando. Então, dedico a ele também”, contou o jogador.

Não é de hoje que Victor Ferraz vem se destacando no Peixe, mesmo sem chamar muita atenção. Ele é o atleta com maior número de jogos pela equipe nesta temporada e acumula números importantes, como melhor passador, o que mais deu assistência para gol neste Brasileiro e o jogador que acertou mais cruzamentos.

Livre para acertar com qualquer clube, Victor espera renovar seu contrato, que termina no fim do ano, para seguir no Santos.

Elenco santista não se empolga com vitória magra em casa

O Santos cumpriu sua obrigação e bateu Coritiba e Vasco, os dois últimos colocados na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, diante de seu torcedor. Os seis pontos fizeram a equipe se distanciar de vez da zona de rebaixamento. Agora são sete pontos de diferença. Mas, o placar mínimo de 1 a 0 nesta quarta fez com que os jogadores alvinegros não conseguissem esconder uma certa frustração.

“Feliz, mas não adianta nada. Não conquistamos nada ainda. A ideia é estar entre os primeiros do Brasileiro e a gente vai em busca disso até o final”, comentou David Braz, claramente incomodado, ao sair de campo.

O goleiro Vanderlei, que acabou salvando o Peixe na segunda etapa na única grande chance dos cariocas na partida, falou com mais franqueza sobre os muitos gols desperdiçados pela equipe nesta quarta.

“Ainda mais no primeiro tempo. A gente teve várias chances. Não conseguimos. O Martín Silva estava muito bem, até pegou pênalti do Ricardo. Mas, o mais importante é a vitória”, ressaltou.

O mais curioso é que Ricardo Oliveira, matador do Peixe e artilheiro isolado do Brasileiro, foi quem mais teve oportunidades contra o Vasco. O camisa 9 perdeu três chances claras de gol, uma delas em cobrança de pênalti, este defendido pelo goleiro do Vasco. Ao fim do confronto, o centroavante admitiu que não foi bem, mas destacou os três pontos conquistados.

“Importante para nós é somar. Hoje tivemos muitas chances de fazer dois, três, quatro gols. Eu tive chances, mas, conseguimos vencer. Isso é o mais importante”, resumiu.

Dorival ignora pontaria ruim e enaltece atuação em vitória na Vila

O Peixe bateu o Vasco por 1 a 0 na noite desta quarta-feira e confirmou sua ascensão no Campeonato Brasileiro. Agora, já são cinco jogos invicto, sete pontos acima da zona de rebaixamento e um objetivo traçado de alcançar a parte de cima da tabela de classificação.

“Fico feliz, porque a equipe buscou. Não teve receio, se expôs, mas se sentindo protegida. É esse equilíbrio que queremos que a equipe adquira, de forma regular, para ter uma sequência promissora”, aprovou o técnico Dorival Júnior.

A única frustração dos pouco mais de 12 mil torcedores que foram à Vila Belmiro apoiar a equipe paulista ficou por conta do placar magro em uma partida em que o Peixe teve amplo domínio e diversas chances claras de gol. Mas, Dorival não quer saber de lamentação.

“Estou satisfeito com as chances criadas. Teremos noites em que as coisas não acontecerão. Poderíamos ter feito mais gols em razão do volume. Temos de reconhecer que o Vasco valorizou o resultado. Espero que o Santos continue criando como tem criado”, defendeu o comandante, lembrando a noite inspirada de Martín Silva, goleiro vascaíno.

“O Santos tentou criar de todas as maneiras. Não fomos felizes no passe final para o companheiro. E as oportunidades que tivemos, o goleiro do Vasco fez uma partida brilhante. O jogo tomou um contorno, no fim, diferente do que foi a partida ao longo de 80 minutos”, completou.

Para deixar claro que gostou do que viu, mesmo diante de uma ineficiência de seus atacantes, que acabaram ‘salvos’ pelo gol de falta de Victor Ferraz, Dorival Jr chegou a usar a vitória por 3 a 0 em cima do Coritiba, na rodada anterior, como exemplo de comparação.

“Hoje foi muito melhor. Diferente, mais agressivo, combativo. Tirou o campo do Vasco. O Vasco teve uma oportunidade, com o Jomar, e no primeiro tempo com Riasco. O santos prevaleceu, fez gol de bola parada, mas as oportunidades mostraram o que a equipe produziu e o merecimento do resultado”, explicou.

“Os jogadores têm que saber valorizar uma situação diferente da do Coritiba. Os gols saíram, mas não foi uma atuação digna do santos. Hoje, sim”, finalizou o comandante alvinegro.

Com time reabilitado, Dorival Jr. agora quer 1ª vitória fora de casa

O assunto ‘zona de rebaixamento’ é cada vez menos falado na Vila Belmiro. Com a vitória sob o Vasco, o time subiu para a 12ª colocação e aumentou sua distância para o grupo da degola. Agora são sete pontos. “Acho que falar menos, sim. Mas a preocupação será mantida. Não tem como relaxar. Em duas rodadas, pode estar beirando qualquer condição. Não queremos isso”, disse o cauteloso Dorival Jr.

O treinador conseguiu mudar o panorama do Peixe no Campeonato Brasileiro. Já são quatro jogos invicto, com três vitórias e um empate, além da vaga garantida nas oitavas de final da Copa do Brasil, após vencer e eliminar o Sport. Falta, porém, um triunfo fora de casa. O Santos soma seis derrotas e três empates como visitante. Neste sábado, a equipe enfrenta o Atlético-PR, na Arena da Baixada, em Curitiba, e a missão é acabar com esse incômodo jejum.

“É a marca a ser batida. Temos que correr atrás disso. Está na hora de fazer uma boa apresentação fora e trazer o resultado”, admitiu Dorival Jr, que comandou o alvinegro praiano duas vezes longe da Vila. Perdeu para o Palmeiras por 1 a 0 e empatou com o Flamengo por 2 a 2.

“É ter a postura que teve aqui. Fizemos um belo jogo com Palmeiras e não conseguimos o resultado. A equipe mereceu outra situação. No Maracanã, alcançou uma recuperação boa. Não podemos ter a oscilação do primeiro tempo, no Maracanã. Precisamos de uma partida equilibrada fora de nossos domínios”, analisou.

Mesmo assim, o trabalho do técnico é visto como fundamental para a reabilitação santista na competição. O time cumpriu a missão de marcar nove pontos em casa contra as equipes da zona de rebaixamento (Joinville, Coritiba e Vasco), apenas com o empate diante do Rubro-negro carioca no meio desta série.

Questionado se teve alguma projeção alcançada neste período, Dorival deixou claro que não trabalha desta maneira e quer dar um passo de cada vez para levar o Peixe à parte de cima da tabela.”Eu não projeto. Só penso no jogo seguinte. Estou pensando no Atlético. Não tinha como fazer projeção. Era reequilibrar a equipe emocionalmente. Os jogadores chamaram para si a responsabilidade e os resultados começaram a aparecer. Era difícil falar que ia chegar, fazer e acontecer. Não tem como”, afirmou.