Santos 2 x 0 Corinthians

Data: 19/08/2015, quarta-feira, 22h00.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de Final – Jogo de Ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.383 pagantes
Renda: R$ 678.150,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Danilo Ricardo Simon Manis (ambos de SP)
Cartões amarelos: Lucas Lima (S) e Fagner (C).
Gols: Gabriel (31-1) e Marquinhos Gabriel (33-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima (Paulo Ricardo); Geuvânio (marquinhos Gabriel), Gabriel (Neto Berola) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Uendel; Bruno Henrique, Elias, Renato Augusto e Jadson (Danilo); Malcom (Mendoza) e Luciano (Vagner Love).
Técnico: Tite



Peixe faz 2 a 0 na Vila e abre boa vantagem em cima do Corinthians

O Santos abriu uma vantagem importante no primeiro duelo contra o Corinthians pelas oitavas de finais da Copa do Brasil. Na Vila Belmiro, o time de Dorival Jr fez 2 a 0 no seu arquirrival no inédito encontro entre as equipes pela competição.

O clássico desta quarta teve dois tempos distintos. Na primeira etapa, só deu Peixe. O Corinthians sequer chutou a gol e o time da casa acabou sendo premiado com o gol de cabeça de Gabriel, após lindo lançamento de Lucas Lima. Na etapa final, o Corinthians fez o que se esperava. Passou a dominar as ações e, mesmo deixando espaço para os contra-ataques, buscou o gol de empate a todo momento. Porém, em contra-ataque, o alvinegro praiano marcou seu segundo gol no jogo com Marquinhos Gabriel, de novo com assistência de Lucas Lima, melhor jogador em campo.

Além do revés, outra situação que preocupa os corintianos é a lesão de Luciano. Autor de cinco gols nos últimos três jogos, o atacante sentiu o joelho e precisou ser substituído ainda no primeiro tempo.

A vitória santista força o Corinthians a ter de buscar o resultado em Itaquera, na próxima quarta-feira, às 22 horas. Um gol santista na Capital força o time de Tite a ter de marcar três, e assim por diante. Apenas a repetição do placar do primeiro jogo leva a disputa para os pênaltis. Para avançar direto, sem levar gols, o Timão terá de vencer por 3 a 0.

O jogo

O clássico alvinegro começou do jeito que o torcedor santista esperava, com o Peixe partindo para cima do rival. Antes da primeira volta do relógio, Zeca já fez jogada individual pela esquerda e arriscou de fora da área, obrigando Cássio a fazer a primeira defesa do jogo.

A torcida se inflamou com o lance, que empolgou até o time. A jogada seguinte de perigo surgiu com David Braz, que apareceu na intermediária ofensiva e arriscou chute de longe, mas a bola saiu à esquerda do goleiro corintiano.

Mas, com a cara de Tite, o Timão soube segurar o ímpeto dos donos da casa e a partida caiu de ritmo após os 10 minutos. Porém, apesar do acerto em campo no setor defensivo, o time não conseguia chegar ao gol de Vanderlei.

Aos 20, Ricardo Oliveira tentou cortar Felipe, já dentro da área, e caiu. Os santistas pediram pênalti, mas o zagueiro sequer encostou no camisa 9 e pediu um cartão amarelo ao árbitro, alegando simulação do adversário. O juiz nada marcou e os santistas respiraram aliviados, já que Ricardo Oliveira entrou em campo pendurado com dois cartões amarelos.

O Peixe voltou a assustar aos 30 minutos, depois de boa jogada pela direita. Victor Ferraz cruzou e Gabriel, após dominar, emendou uma bicicleta. O lance rendeu aplausos, mas a bola saiu por cima do travessão.

De tanto martelar, o Santos conseguiu abrir o placar aos 31. Lucas Lima dominou a bola com liberdade, de novo pela direita, e inverteu toda a jogada, encontrando Gabriel livre, nas costas da zaga corintiana. O camisa 10 cabeceou no ângulo, sem chances para Cássio.

E para deixar a Fiel ainda mais aflita, na tentativa de buscar o empate imediatamente, Luciano acabou sentindo o joelho, após jogada individual. O atacante saiu de campo para ser atendido pelos médicos e insistiu em continuar no jogo, mesmo mancando. Mas, não teve jeito. Aos 43, o camisa 18 teve de deixar a partida para a entrada de Vagner Love e virou a grande preocupação para a comissão técnica de Tite para os próximos desafios da equipe.

Mesmo perdendo, o Corinthians não conseguiu reagir e terminou o primeiro tempo sem dar um único chute a gol. Já o Santos, desceu para os vestiários satisfeito com a vitória parcial.

E o Peixe não estava disposto a dar trégua. Logo que o jogo se reiniciou, por pouco o time da casa não chegou ao segundo gol. Lucas Limas, livre para armar a equipe, enfiou linda bola para Ricardo Oliveira. O centroavante chegou livre, mas foi travado por Cássio. No rebote, os zagueiros corintianos afastaram o perigo.

E foi só aos 7 minutos que o Timão concluiu sua primeira jogada. Renato Augusto conseguiu se desvincilhar da marcação e bateu forte. Mas Vanderlei pegou com segurança. Na sequência, em novo ataque, Fagner arriscou e a bola saiu pela linha de fundo.

Buscando ao menos um gol fora de casa, o Corinthians mudou de postura e passou a frequentar mais o campo de ataque. Aos 10 minutos, Vanderlei foi obrigado a trabalhar mais duas vezes, em chutes de Renato Augusto e Vagner Love, no rebote.

O Peixe, por outro lado, passou a ter o contra-ataque como arma principal, já que os espaços eram maiores. O jogo, então, melhorou e passou a ficar disputado no famoso ‘lá e cá’, com as duas torcidas apreensivas na Vila.

Aos 17 minutos, a zaga do Peixe parou pedindo impedimento e Vagner Love teve a chance de empatar, não fosse Vanderlei, que saiu do gol rápido e abafou a finalização do atacante corintiano.

Era o Timão dominando as ações aos 19 minutos da segunda tapa. Neste momento, a queda de rendimento do Peixe era notória e, por isso, Dorival Jr resolveu mexer no time. Entrou Marquinhos Gabriel no lugar de Geuvânio.

Com Malcom apagado, Tite também alterou seu time, apostando na velocidade de Mendoza. O Corinthians seguia dominando o jogo, mas sem levar muito perigo ao gol de Vanderlei. A passividade do Peixe chegou a irritar alguns torcedores, mas a partida não mudou de panorama até os 30 minutos.

Mas, como futebol não é baseado em justiça, justamente quando o Corinthians estava melhor em campo, o Santos chegou ao segundo gol. Marquinhos Gabriel aproveitou o vacilo da defesa corintiana e tabelou com Lucas Lima. Na cara de Cássio, o meia bateu firme e ampliou a vantagem do Peixe.

Sem forças, o Corinthians não conseguiu diminuir o prejuízo e terá de buscar o resultado na próxima quarta-feira, em Itaquera. Já o Santos deixou o clássico com a sensação de dever cumprido e aplaudido por sua torcida na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Santistas não escondem empolgação, mas evitam clima de ‘já ganhou’

A vitória por 2 a 0 em cima do Corinthians na noite desta quarta-feira deixou o Santos muito perto das quartas de final da Copa do Brasil. Diante de seu torcedor, o Peixe fez o dever de casa e agora pode até perder por um gol de diferença na próxima semana, em Itaquera, que avança na competição. O clima entre os jogadores, após o jogo, era o mesmo: muita empolgação, porém, com os ‘pés no chão’.

“Não tem nada ganho ainda. A equipe deles é muito qualificada. É uma boa vantagem, mas nada ganho. Sabemos da importância do outro jogo. O mais importante hoje é que o time fez uma boa partida e não tomamos gol”, falou Lucas Lima, dono das duas assistências para os gols da partida.

Questionado se o time teve uma apresentação perfeita, o camisa 20 teve cautela.
“Nunca é perfeito. Com certeza, o professor Dorival vai mostrar alguns detalhes amanhã onde erramos. Mas foi uma boa partida. Uma semana muito boa, feliz pela convocação”, comentou, lembrando que foi chamado por Dunga para defender a seleção brasileira pela primeira vez.

Ricardo Oliveira, apagado do clássico desta quarta, adotou discurso semelhante. “Acho que é precoce falar isso. Resultado importante, abrimos dois gols de diferença, mas não temos nada decidido”, garantiu.

Os mais empolgados eram os jovens Geuvânio e Thiago Maia. Os dois atletas não esconderam a alegria de bater o rival em casa e mostraram confiança na classificação na casa corintiana.

“Sabia que a gente ia fazer gol. Desde o começo, a gente conversou lá no vestiário que a gente não podia tomar gol e que a gente ia fazer”, revelou o Caveirinha, que entrou em campo pelo Peixe pela 100ª vez nesta quarta.

Intenso na marcação e aplaudido pela torcida depois do apito final, o volante Thiago Maia deixou o jogo vibrando.

“Minha função é essa: correr, marcar e ajudar a equipe. Temos que respeitar, Corinthians é uma equipe grande, mas, aqui na Vila, com uma torcida dessa, maravilhosa, apoiando, não tem para ninguém”, afirmou.

Dorival vê decisão aberta e nega cansaço excessivo no segundo tempo

Dorival Jr fez questão de não demostrar qualquer tipo de empolgação depois de vitória santista por 2 a 0 em cima do Corinthians, na Vila Belmiro. Sereno, o técnico gostou do que viu em campo, mas, enalteceu a todo momento a qualidade de seu adversário e pediu atenção total à equipe para o duelo de volta, em Itaquera, na próxima quarta.

“O time começou muito intenso. Depois, parece que de uma maneira mais consciente, começamos a nos posicionar um pouco melhor. Foi um jogo complicado, com um primeiro tempo que abrimos uma vantagem importante, mas não decisiva. Ainda tem muita coisa para acontecer e nós não podemos dar por finalizada, porque os próximos 90 minutos prometem muito”, comentou o treinador.

A vitória faz com que o Peixe entre em campo no próximo clássico podendo até perder por um gol de diferença para ficar com a vaga nas quartas de final da Copa do Brasil. Dorival, no entanto, foi cauteloso.

“O Corinthians é líder do campeonato não por acaso. Isso daí já mostra o potencial de uma uma equipe como o Corinthians. Foi um resultado importante, mas não tem nada decidido e o o Santos vai ter quer trabalhar muito, se quiser conseguir a vaga na quarta que vem”, avisou.

A última derrota do time de Tite havia acontecido justamente diante do Santos, na Vila Belmiro, há 12 jogos, pelo primeiro turno do Campeonato Brasileiro. A equipe de Parque São Jorge estava embalada, mas, viu sua invencibilidade cair depois de um primeiro tempo em que o Santos dominou todas as ações. Na segunda etapa, o Corinthians foi melhor, mas acabou levando o segundo gol e se complicando.

O treinador santista falou sobre a alternância de ritmo da sua equipe e refutou a ideia de que os jogadores sentiram o cansaço durante a partida.

“Acho que a intensidade do primeiro tempo é que proporcionou isso no segundo tempo. Temos que equilibrar um pouco mais. E começamos a carregar bola desnecessariamente. Isso proporciona um desgaste muito maior quando a equipe está saindo. Quando erra, você pega a equipe em transição e, fatalmente, dá o contra-ataque”, explicou, antes de analisar a situação pelo lado positivo. “Mas, você questiona fisicamente. E a vola? Ela sempre acontecia. Então, não quer dizer que houve um desgaste excessivo. Paramos de trabalhar a bola, o que vinha sendo fundamental, e isso quase pesou contra a gente”, completou.

Agora, o Peixe dá uma pausa na Copa do Brasil e se prepara para receber o Avaí, de novo na Vila Belmiro, no próximo sábado, às 18h30.

“Vamos ter muita calma, para que possamos voltar para o Brasileiro, tentar botar um grande público na Vila e fazer um grande jogo contra o Avaí”, disse Dorival Jr.

Peixe promete ignorar vantagem e ir para cima do Corinthians em Itaquera

Contra o Corinthians, na Vila Belmiro, o Santos mais uma vez mostrou sua força como mandante e novamente bateu seu arquirrival nesta temporada. Apesar disso, todos no clube fazem questão de ressaltar que a vaga nas quartas de final da Copa do Brasil ainda não está garantida, mesmo após o 2 a 0 da última quarta. E o que fazer para não deixar a classificação escapar no segundo e decisivo confronto, na próxima semana, em Itaquera? Repetir a atuação. É o que pensa o técnico Dorival Jr.

“Você não tem a receita. Você tem que jogar. Não pode se dar conta que o resultado aconteceu. Tem que entrar em campo determinado, em busca de vitória. Temos consciência do adversário que estamos enfrentando”, disse o treinador santista, prometendo armar sua equipe de forma ofensiva. “Se o Corinthians já é difícil, imagina lá dentro. Mas, jamais vamos deixar de ser ofensivos, como fomos durante toda a competição”, completou.

A forma que vai jogar, para o torcedor do Peixe, é o que menos importa neste momento. Feliz com a boa vitória no primeiro jogo, os alvinegros praianos seguem receosos apenas porque é justamente fora de casa que o clube tem decepcionado nesta temporada.

O jejum como visitante já superou a marca de quatro meses e a equipe terminou o primeiro turno do Campeonato Brasileiro com seis derrotas e quatro empates longe de seus domínios. Para o experiente volante Renato, o time tem que se superar na quarta-feira. “É possível jogar assim lá. Vamos sofrer bastante, é difícil manter o mesmo ritmo fora, mas vamos com dedicação e humildade para ganhar fora”, afirmou.

A preocupação só não é maior em função da vantagem, que permite o Santos avançar às quartas de final perdendo por um gol de diferença ou até dois, caso volte a marcar no confronto, lembrando que o gol fora de casa é usado como critério de desempate. Um novo 2 a 0, desta vez para o Corinthians, leva a definição para os pênaltis. E uma vitória do time de Tite por três gols de diferença garante a vaga direta do alvinegro da Capital.

Lucas Lima brilha após convocação e ganha elogios do chefe

A última semana foi especial para Lucas Lima. Pela primeira vez, o meia do Peixe foi convocado para defender a Seleção Brasileira. E foi com este peso que o camisa 20 entrou em campo para o clássico contra o Corinthians, na última quarta. “Criou uma responsabilidade a mais. Tenho ouvido que sou jogador de Seleção”, revelou o atleta.

A pressão, porém, não inibiu o jogador no primeiro duelo das oitavas de final da Copa do Brasil. Em uma atuação de destaque, Lucas Lima deu duas belas assistências com seu pé esquerdo apurado e foi crucial para a vitória do Peixe por 2 a 0.

“Esse lance, treinamos bastante. O Lucas Lima tem jogado muito. Grande jogador do Brasil. Só dei uma olhadinha para ele e ele sabia que eu estava aqui”, contou Gabriel, o primeiro a aproveitar a boa fase do meia para marcar seu gol contra o Corinthians. No segundo tempo, foi Marquinhos Gabriel foi o ‘beneficiado’. “Minha característica principal é o dinamismo. Tenho procurado melhorar”, ressaltou Lucas Lima, depois da partida.

Cheio de orgulho, Dorival Jr. lembrou sua relação com o meia santista desde seus primeiros passos na carreira e não escondeu a admiração pelo futebol do camisa 20. “Eu conheço o Lucas desde a Inter de Limeira. Foi um pedido nosso para que a diretoria do Internacional o contratasse. Já acompanho o Lucas há um bom tempo. Sei como ele é importante da intermediária para dentro. Ele sempre chega para ser importante e decisivo em um passe final”, afirmou o técnico do Peixe.

Contra o Corinthians, Lucas Lima flutuou nas costas de Bruno Henrique e Elias e apareceu com liberdade para a armar o jogo em muitos momentos. Diferente de outros jogos, o meia atuou mais próximo da linha de atacantes, usando as beiradas de campo. Dorival Jr. admitiu a mudança no posicionamento de Lucas Lima.

“Ele está vendo o quanto muda as suas condições quando ele joga dessa maneira. Ele está entendendo o quanto é útil para a equipe. Já o coloquei como segundo volante e ele também produziu. Esse toque de qualidade ele tem. Mas, na maioria das vezes, ele vai jogar assim”, esclareceu o comandante alvinegro.

A convocação à Seleção Brasileira fará com que Lucas Lima desfalque o Santos nos duelos contra Chapecoense, na Vila, Sport, na Ilha do Retiro, e São Paulo, na Arena Pantanal. Neste meio tempo, o jogador estará à disposição de Dunga para os amistosos contra Costa Rica e Estados Unidos, dias 5 e 8 de setembro, respectivamente.