Santos 2 x 1 Ituano

Data: 06/02/2016, sábado, 11h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.501 pagantes
Renda: R$ 215.590,00
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
Cartões amarelos: Elano e Lucas Lima (S); Luiz Felipe, Claudinho e Peri (I).
Cartão vermelho: Raul Prata (I).
Gols: Gustavo Henrique (47-1); Naylhor (37-2) e Ricardo Oliveira (52-2, de pênalti).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Renato (Vitor Bueno), Thiago Maia e Lucas Lima; Paulinho (Ronaldo Mendes), Gabriel (Elano) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior

ITUANO
Diego Neto; Raul Prata, Naylhor, Luiz Felipe e Peri; Jonathan Lima, Welington Simião e Marcelinho (Fernando Viana); Claudinho, Ruan (Igor) e Edinho (Marcão).
Técnico: Tarcísio Pugliese



Com erro de arbitragem e pênalti aos 52 minutos, Santos bate Ituano na Vila

O forte calor e o cansaço atrapalharam o bom futebol na Vila Belmiro, mas com um erro da arbitragem, o Santos saiu vencedor em partida pela terceira rodada do Campeonato Paulista. Gustavo Henrique abriu o placar para o Peixe ainda no primeiro tempo e, na segunda etapa, Marcão teve um gol anulado incorretamente e Naylhor fez o de empate da equipe de Itu. No final, aos 52 minutos, Raul Prata derrubou Ronaldo Mendes dentro da área e o juiz marcou pênalti. Na cobrança, Ricardo Oliveira converteu a penalidade para dar a segunda vitória do Alvinegro neste Paulistão, em partida realizada na “matinê” deste domingo, às 11h (de Brasília).

Além dos três pontos, o técnico Dorival Júnior teve mais um motivo especial para comemorar o resultado. O jogo marcou o centésimo do treinador à frente do Peixe, que pode comemorar sua 61ª vitória pelo clube. No Alvinegro, Dorival já conquistou um título da Copa do Brasil e um título Paulista, ambos em 2010.

Com o resultado, o Santos abriu vantagem na liderança do Grupo A e já não pode ser mais alcançado nesta rodada. O peixe chegou aos sete pontos, quatro a mais do que o segundo colocado Oeste, que recebe o Palmeiras nesta quarta-feira. A equipe de Itu, por sua vez, mantem-se com dois pontos ganhos, na quarta colocação do Grupo B.

O jogo

Apesar de estar jogando fora de casa, foi o Ituano quem teve a primeira chance de perigo. Claudinho, que era festejado pelos poucos torcedores visitantes na Vila Belmiro por estar completando seu 50º jogo, arriscou um bom chute de fora da área, mas a bola foi pela linha de fundo, próxima à trave, assustando o goleiro Vanderlei.

O Peixe respondeu dez minutos depois com um rápido contra-ataque, característico da equipe. Após um passe errado do Ituano na intermediária, Thiago Maia deu passe para Lucas Lima, que demonstrou muita visão de jogo para abrir a bola na esquerda com Ricardo Oliveira. O camisa 9 inverteu papéis com Gabriel e cruzou para o jovem dentro da área, mas Naylhor fez o corte no momento da finalização.

O Santos tentava pressionar, mas com o ituano fazendo uma boa marcação, o Alvinegro tinha dificuldade em assustar o gol de Diego Neto. Aos 25, foi em uma bela jogada ensaiada entre Lucas Lima e Victor Ferraz pela direita, que o Peixe teve outra boa chance. Já na linha de fundo, o lateral tocou para atrás, mas Gabriel finalizou mal e a bola subiu. Renato tentou aproveitar de cabeça, mas a zaga afastou.

Logo em seguida, o árbitro paralisou a partida por quatro minutos para que os jogadores pudessem se reidratar no forte calor de Santos. A pausa melhorou o futebol na Vila, apesar de o Peixe parecia não apenas ter dificuldades com a temperatura, como também com o cansaço pelo pouco descanso desde a partida de quarta-feira à noite, contra a Ponte Preta.

Se o Santos não conseguia balançar as redes com jogadas de criação, coube ao zagueiro Gustavo Henrique abrir o placar em lance de bola parada. Após cobrança de escanteio de Lucas Lima, o beque subiu mais que a defesa e mandou no canto esquerdo de Diego Neto, que ainda tocou na bola, mas sem conseguir evitar o gol do Peixe.

No segundo tempo, o Ituano dava mostras que complicaria o jogo do Santos. Logo aos seis minutos, Peri arriscou de fora da área e Vanderlei fez boa defesa. No entanto, foi o Santos quem teve as melhores chances antes de outra pausa para reidratação. Aos 12, Lucas Lima tocou para Victor Ferraz, que bateu cruzado e obrigou boa defesa de Diego Neto. Cinco minutos depois, foi a vez de Gabriel receber na esquerda, pedalar e bater cruzado para boa defesa do goleiro do Ituano.

Aos 33, o Ituano chegou ao empate, mas a arbitragem anulou o lance incorretamente. Após cobrança de falta de Peri, Simão desviou, a bola bateu em Marcão e entrou no cantinho de Vanderlei.

Menos de cinco minutos depois, a equipe de Itu colocou mais uma bola nas redes e, desta vez, a arbitragem não interferiu no lance. Novamente Peri cobrou bola parada e, após o escanteio, Naylhor apareceu sozinho na área e marcou de cabeça. Com isso, os dois tentos da partida foram marcados por zagueiros.

Aos 50 minutos, com o árbitro tendo assinalado seis de acréscimo devido a pausa para reidratação, Raul Prata fez pênalti claríssimo em Ronaldo Mendes dentro da área. Na cobrança, Ricardo Oliveira não titubeou e bateu no canto esquerdo, deslocando o goleiro Diego Neto e fazendo o gol salvador.

Bastidores – Santos TV:

Dorival admite pedido da diretoria, mas Ricardo Oliveira fala em horário “desumano”

O horário da partida entre Santos e Ituano neste domingo não parece ter agradado a ninguém. Durante a partida – vencida pelo Peixe por 2 a 1 com Ricardo Oliveira marcando o gol decisivo, de pênalti, aos 51 minutos – a arbitragem foi obrigada a parar o jogo em duas oportunidades para que os jogadores pudessem se reidratar em campo.

O forte calor das 11h claramente prejudicou o desempenho das equipes e o técnico Dorival Júnior, criticou a opção pelo horário. O treinador, no entanto, admitiu que a mudança – a partida ocorreria quarta-feira à noite – foi um pedido da diretoria santista.

“Nós teríamos o desfile de domingo pra segunda e a partida na quarta. A diretoria pediu a antecipação, mas não imaginávamos que o horário fosse esse (11h). Pedimos a antecipação em razão de um compromisso assumido (representação da cidade e do Santos no Carnaval carioca com a Grande Rio). Cai o espetáculo. Se tivesse o jogo dentro da normalidade, parte da tarde, recuperação seria um pouco melhor, temperatura mais amena, e situação melhor para desempenhar o futebol”, disse o treinador

Autor do gol da vitória, Ricardo Oliveira foi mais duro nas críticas e afirmou que é “desumano” atuar neste horário. “Acho que a partida se desenhou de forma difícil. Acabei de falar, mas desculpa, é desumano jogar nesse horário, não somos máquinas. O torcedor não entende isso, a gente corre, tenta fazer o melhor, não dá, é difícil, não temos escolha. O pessoal do poder manda e temos que acatar”, disse o camisa 9.

O atacante ainda pediu por uma mobilização nacional para que jogos neste horário não se repitam. “Acho que precisamos de mobilização nacional, falarmos que não dá para praticar. De repente, mudaria alguma coisa”, finalizou o centroavante.

Dorival agradece homenagem em 100º jogo e pede sequência no clube por títulos

As homenagens ao técnico começaram desde a entrada em campo. A diretoria santista convidou 100 pessoas (em referência ao número de jogos no comando do Peixe), entre sócios, conselheiros e até jogadores do clube, para recepcionar o treinador no gramado. Dorival também recebeu uma placa homenageando o feito.

O treinador falou sobre a marca alcançada, sem se esquecer dos resultados e profissionais envolvidos em sua primeira passagem pelo clube. “Agradeço (pela homenagem dos 100 jogos) pelo carinho e por todos que trabalharam comigo nas duas passagens. Santos tem riqueza humana e um ambiente muito bom para trabalhar. É um número que marca minha carreira. Fico satisfeito e vou trabalhar para merecer esta confiança”, disse o comandante.

Em 2010, Dorival Júnior foi campeão da Copa do Brasil e do Campeonato Paulista antes de deixar a equipe que venceria a Copa Libertadores da América em 2011. Agora, o treinador não pensa em deixar o cargo e pede por uma sequência para alcançar mais títulos no Alvinegro.

“É uma equipe que eu tenho tempo para desenvolver um trabalho. Em todas as equipes que eu tive tempo, atingimos os resultados. Alcance de títulos. Identificação é porque havíamos tido as duas conquistas em 2010, poderíamos ter tido uma sequência e foi interrompida daquela maneira. Jogamos uma nova final (Copa do Brasil, em 2015), eu me identifico muito com o trabalho do Santos”, afirmou o treinador.

Por fim, Dorival falou sobre a marca para sua carreira, sem se esquecer da sequência do trabalho no Santos, que o treinador avaliou como positiva. “Profissionalmente também é uma marca importantes, fico feliz com isso e espero que consigamos manter os bons resultados para dar sequência no trabalho. Espero poder retribuir a toda essa confiança com muito trabalho e que busquemos melhores situações que tivemos até esse momento, que já foram muito boas”, concluiu. No Santos, Dorival Júnior soma 61 vitórias,16 empates, 23 derrotas.

De saída para carnaval do Rio, Dorival atribui vitória á “heróis em campo”

Em partida que marcou o centésimo jogo de Dorival Júnior à frente do Peixe, o treinador fez questão de exaltar os “heróis” alvinegros em campo, que superaram o calor de quase 30°C em Santos e venceram o Ituano por 2 a 1. Agora, o treinador já sabe onde passará o restante do feriado de Carnaval e como será a comemoração pela marca alcançada.

“Uma equipe buscou o resultado a todo momento. Temos apenas 20 dias de preparação e os jogadores foram heróis campo. Até o último momento, estavam se entregando, se doando e correndo. Agora teremos um tempo maior de descanso e podemos recuperar os atletas”, disse o treinador.

Apesar do cansaço por terem atuado na quarta-feira à noite, em partida contra a Ponte Preta, e chego de madrugada em Santos, os atletas alvinegros deram seu máximo em campo e conseguiram bater o Ituano por 2 a 1, com o gol da vitória saindo apenas aos 51 minutos, em pênalti convertido por Ricardo Oliveira. O treinador agora está focado em aproveitar o feriado de Carnaval.

“Não sei se eu vou desfilar. Vou para ver. Gosto muito do Carnaval carioca. Sempre acompanhei desde garoto em Araraquara. Conhecia os enredos e as histórias. Sempre me identifiquei porque vejo muita riqueza no que se mostra pelas escolas. Acho bonito e me dá prazer. Vou poder ver de perto mais uma vez”, disse o treinador.

A cidade de Santos será homenageada pela escola de samba Acadêmicos do Grande Rio e, no desfile, um dos carros terá como tema o futebol na cidade litorânea.