Palmeiras 0 x 0 Santos

Data: 20/02/2016, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 5ª rodada
Local: Allianz Parque, em São Paulo, SP.
Público: 23.181 pagantes
Renda: R$ 1.317.272,44
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Bruno Salgado Rizo
Cartões amarelos: Matheus Sales, Gabriel Jesus e Alecsandro (P); Victor Ferraz, Ricardo Oliveira, Elano, Zeca, Léo Cittadini e Gustavo Henrique (S).

PALMEIRAS
Fernando Prass; Lucas, Roger Carvalho, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos (Arouca), Matheus Sales (Gabriel Jesus), Jean, Robinho (Régis) e Dudu; Alecsandro.
Técnico: Marcelo Oliveira

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia (Léo Cittadini) e Lucas Lima; Gabriel, Ricardo Oliveira (Joel) e Serginho (Patito Rodríguez).
Técnico: Dorival Junior



Palmeiras e Santos empatam em reedição da final da Copa do Brasil

Palmeiras e Santos reeditaram a final da última edição da Copa do Brasil na tarde deste sábado, pelo Campeonato Paulista. O clássico, disputado no Estádio Palestra Itália, teve alguns bons momentos durante o segundo tempo, mas terminou com o placar de 0 a 0.

Há quatro partidas sem vencer no Estadual, o Palmeiras totaliza seis pontos e divide a ponta do Grupo B com o São Bernardo, enquanto o Santos, ainda invicto, chega aos nove e lidera o Grupo A com o São Bento. Na sexta rodada, programada para quinta-feira, o Verdão visita o XV de Piracicaba e o Peixe recebe o Mogi Mirim.

Depois de um primeiro tempo sonolento, os dois times voltaram mais ligados para a etapa complementar. O Santos teve as melhores oportunidades, desperdiçadas pelo atacante Gabriel. O clássico, marcado por polêmicas em 2015, teve apenas alguns entreveros, sem maiores consequências.

O jogo

Os primeiros 45 minutos de partida no Estádio Palestra Itália foram de poucas emoções. Durante toda a etapa inicial do clássico, Palmeiras e Santos não conseguiram criar chances para marcar. Assim, os goleiros Vanderlei e Fernando Prass apenas assistiram.

Matheus Sales, colocado no lugar de Arouca, formou o trio de volantes do Palmeiras com Thiago Santos e Jean. Marcelo Oliveira ainda escalou Robinho e Alecsandro como titulares. Aos 14 minutos, no melhor ataque do time da casa, o centroavante chutou de fora da área, à direita do gol santista.

Já o Santos, com Serginho escalado no meio de campo, chegou a estufar as redes por meio de Gabriel aos 38 minutos, mas a arbitragem marcou impedimento corretamente. No final do primeiro tempo, Ricardo Oliveira e Thiago Santos se estranharam após cobrança de escanteio do Peixe.

No começo do segundo tempo, a Mancha Verde, principal organizada do Palmeiras, exibiu duas faixas, com as inscrições “Libertadores obsessão” e “estamos juntos”. Logo aos dois minutos, Dudu se livrou da marcação de Renato dentro da área pela direita e chutou para defesa de Vanderlei.

Aos 13 minutos do segundo tempo, o Santos desperdiçou grande oportunidade. Em um rápido contra-ataque, Gabriel se antecipou a Zé Roberto e saiu na cara de Fernando Prass, mas mandou para fora. Doze minutos depois, o atacante tentou desviar para o gol dentro da área, sem sucesso.

A partir dos 20 minutos, a região do Estádio Palestra Itália foi atingida por uma forte chuva, acompanhada por vento. Aos 31, Gabriel perdeu mais uma chance. Substituto de Ricardo Oliveira, Joel ganhou de Vitor Hugo pela direita e cruzou para chute do atacante, defendido por Prass. Nos acréscimos, Gabriel bateu para nova intervenção do goleiro.

Gabriel desperdiça chances e parabeniza Prass por placar zerado

Estiveram nos pés de Gabriel as melhores oportunidades do clássico entre Palmeiras e Santos, na tarde de sábado, no Palestra Itália. O atacante alvinegro teve má pontaria em algumas delas e, em outras duas, parou no goleiro Fernando Prass, a quem felicitou pelo empate por 0 a 0.

“Tivemos algumas chances para concluir, mas acabei desperdiçando. Em uma, acho que tirei muito, foi culpa minha mesmo. Na outra, ele se esticou todo. Mérito dele, foi uma grande defesa. Tirei bem, mas, mesmo assim, ele pegou. Brinquei com ele, dei os parabéns. A bola ia morrer no cantinho”, afirmou.

Prass gostou de ouvir os elogios e recordou o lance de maior dificuldade, citado por Gabriel. Foi em um contra-ataque puxado por Joel, que cruzou rasteiro da direita. O camisa 10 do Santos chegou batendo de pé esquerdo, sem muita força, mas bem no canto direito.

“Ele é um jogador muito técnico, gosta de bater com o lado de dentro do pé. Em uma, ele acabou botando fora. Na segunda, ele se antecipou bem. Eu consegui dar uma passada, pegou na ponta da mão. Foi um lance difícil até para o zagueiro, porque o atacante faz a diagonal e acaba chegando”, comentou o goleiro.

Segundo ele, foi preciso se manter atento para agir no momento de necessidade. “O goleiro está ali para defender. Fiz uma defesa só no primeiro tempo. Depois, a bola começou a chegar no momento mais difícil, e molhada, lisa. O goleiro tem que manter a concentração e fazer a sua parte”, sorriu Prass.

Atletas do Santos veem superioridade sobre Palmeiras no Palestra

Os jogadores do Santos fizeram uma boa avaliação de sua atuação no empate por 0 a 0 com o Palmeiras, na tarde de sábado, no Palestra Itália. A formação praiana teve as melhores oportunidades do confronto, desperdiçadas pelo atacante Gabriel.

“Não”, resumiu o zagueiro Lucas Veríssimo, questionado se o placar estava de bom tamanho. “Apesar de estar fora de casa, nossa equipe dominou o jogo. Faltou a bola entrar, faltou aproveitar as chances que tivemos”, acrescentou.

Lucas Lima fez análise parecida. O meio-campista fez um bom trabalho na articulação das jogadas alvinegras, que não terminaram em bola na rede pela limitada eficiência apresentada nas finalizações.

“Acho que estamos no caminho certo. Jogamos fora de casa, é difícil. Criamos bastante e não tomamos gol. Só pecamos na finalização”, disse o meia, recusando-se a lamentar as saídas de Marquinhos Gabriel e Geuvânio do Santos na virada da temporada.

“Estamos entrosados já. A gente não pensa neles, não. Seguiram a vida deles, o caminho deles. A gente está seguindo o nosso. Pecamos na finalização, mas acho que fizemos uma grande partida”, concluiu Lucas Lima.

Dorival Junior celebra evolução e melhor jogo do Santos no ano

Dorival Júnior gostou do que viu no empate por 0 a 0 do Santos com o Palmeiras, na tarde de sábado, em São Paulo. Ainda que a bola não tenha entrado, o treinador apontou crescimento em relação às partidas anteriores e a melhor atuação alvinegra na temporada.

“No ano, sim. Não tenho dúvida disso”, respondeu. “É essa a sensação, porque criamos muito, com trocas de passes, triangulações, enfiadas. Não foram jogadas ao acaso. Foram jogadas construídas, com cinco oportunidades na frente do Fernando”, acrescentou, referindo-se ao arqueiro alviverde Prass.

“É um grande goleiro, não preciso nem falar a respeito. Esteve em uma tarde/noite maravilhosa. Mas fico satisfeito pela evolução que apresentamos. É essa evolução que estamos buscando”, comentou Dorival.

A referência para o comandante é o futebol dos últimos meses de 2015. A equipe perdeu Marquinhos Gabriel e aquele que era seu habitual substituto, Geuvânio, mas o técnico acha possível recuperar o bom nível do segundo turno do Campeonato Brasileiro.

“Tivemos trocas de passes e boas ações ofensivas contra o Palmeiras, mas ainda aquém do que produzimos no ano passado. Podemos evoluir, temos espaço para evolução. Espero que a gente continue crescendo, evoluindo a cada rodada”, concluiu.

Dorival valoriza elenco do Santos e o vê mais maduro do que em 2015

Não enchem os olhos da maioria dos torcedores as opções de banco do elenco do Santos. Se a base titular foi mantida – saíram Marquinhos Gabriel e seu habitual substituto, Geuvânio –, o grupo não é considerado dos mais fortes, algo contestado pelo técnico Dorival Júnior.

“De maneira nenhuma. Não fizemos grandes contratações e não temos potencial de contratação, porque o clube vive outro momento. A realidade é essa. Mas é tudo uma questão de tempo”, afirmou antes de elogiar nominalmente Lucas Veríssimo, Léo Cittadini, Vitor Bueno, Serginho, Patito Rodríguez e Joel.

“Não temos nomes, mas temos um elenco determinado, que quer buscar algo melhor. É uma equipe um ano mais madura, mais vivida, mais experiente. Tem um pouco mais de cancha em relação ao ano anterior. Por isso, a expectativa é boa. Tem tudo para que tenhamos bons momentos ao longo de 2016”, acrescentou Dorival.

Um dos ajustes a ser feitos por Dorival é justamente na vaga aberta com a saída de Marquinhos Gabriel. Serginho foi o escolhido no empate por 0 a 0 com o Palmeiras, no último sábado, no Palestra Itália. Patito Rodríguez acabou o substituindo e deverá ganhar maiores oportunidades.

“Fizemos a opção pelo Serginho buscando mais ou menos a função que o Marquinhos Gabriel executava. O Marquinhos também levou tempo. O Serginho já sai um pouco à frente do que o Marquinhos lá atrás. Também gostei muito da entrada do Patito em Novo Horizonte. Vamos ver para as próximas partidas”, disse o treinador.