Atlético-MG 1 x 0 Santos

Data: 14/05/2016, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 5.403 pagantes
Renda: R$ 87.565,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA).
Cartões amarelos: Cazares e Carlos Eduardo (A); David Braz e Gustavo Henrique (S).
Gol: Cazares (14-1).

ATLÉTICO-MG
Uilson; Gabriel, Tiago, Edcarlos e Carlos César; Lucas Cândido, Eduardo, Carlos Eduardo (Pablo Diogo) e Cazares; Hyuri (Yago) e Clayton.
Técnico: Diego Aguirre

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Renato (Maxi Rolón), Thiago Maia, Vitor Bueno e Ronaldo Mendes (Matheus Nolasco); Paulinho (Serginho) e Gabriel.
Técnico: Dorival Junior



Santos perde para reservas do Galo e segue mal em estreias no Brasileiro

A sina do Santos em estreias no Campeonato Brasileiro continua. Na noite deste sábado, o atual bicampeão paulista sentiu as ausências do meia Lucas Lima, em recuperação de uma lesão no tornozelo direito, e do centroavante Ricardo Oliveira, com dores no joelho direito, e não foi páreo para o time reserva do Atlético-MG, que venceu por 1 a 0, com gol do equatoriano Cazares, feito no início da partida realizada no Estádio Independência, em Belo Horizonte.

Com o resultado, o Peixe completa 11 anos sem vencer pela primeira rodada do principal torneio nacional. A última vitória no duelo de estreia ocorreu em 2005, quando o time da Baixada Santista goleou o Paysandu por 4 a 1, na Vila Belmiro.

Dessa forma, o Santos se junta a Sport, Atlético-PR e Cruzeiro no grupo dos derrotados da rodada deste sábado. O Galo, por sua vez, repete o que Flamengo, Palmeiras e Coritiba fizeram e se apresenta na parte de cima da tabela.

O jogo

O Santos mostrou problemas com seu desempenho fora de casa logo nos instantes iniciais da partida. Em menos de cinco minutos, o Galo já havia perdido duas boas chances de gol com o garoto Hyuri. O Peixe, que não conseguia ter a tão almejada posse de bola, só foi aparecer no ataque aos 12, mas Uilson defendeu bem o chute de Paulinho.

De tanto pressionar a saída de bola santista, os mandantes conseguiram provocar o erro adversário e abrir o placar. Aos 14, Gabriel fez lançamento longo, David Braz errou o tempo de bola, que ficou com Cazares. O meia equatoriano, em posição legal apesar da reclamação dos jogadores do Santos, bateu forte no ângulo, sem chances para Vanderlei.

Muito acionado pela esquerda, o autor do gol continuou infernizando a zaga santista. Aos 24 minutos, o equatoriano fez belo lançamento para Carlos Eduardo, que receberia livre na área. Mas, o meia não conseguiu dominar a bola e o segundo do Galo não saiu.

Sentindo a falta da boa articulação de Lucas Lima, o atual bicampeão paulista, na primeira vez que obteve sucesso na troca de passes, aos 31, deixou Paulinho na cara do gol, porém o bandeirinha assinalou erradamente impedimento do atacante, que teria a chance de empatar o duelo. Três minutos depois, foi a vez de os atleticanos reclamarem da arbitragem, já que Hyuri estava em posição legal após bom passe de Cazares na ponta esquerda.

O ímpeto do Galo não baixou e o time de Diego Aguirre seguiu marcando forte a saída do Peixe, que não conseguia manter a bola em seus pés e por pouco não foi para o vestiário com uma desvantagem maior, uma vez que Clayton e Eduardo chegaram com perigo na área santista.

Precisando ganhar volume no meio-campo, o Santos voltou para a etapa final com Serginho no lugar de Paulinho. No primeiro lance, os visitantes quase empataram depois de uma bomba de fora da área de Gabriel, passando rente ao travessão.

A reação santista, porém, parou por aí. A equipe de Dorival Júnior até saiu mais para o jogo, mas sem criatividade, dando mais espaço para os comandados de Aguirre trabalhar a bola em contra-ataque. O técnico do Peixe, então, sacou o apagado Ronaldo Mendes, aos 19, para promover a estreia profissional do garoto Matheus Nolasco.

Sete minutos depois, o Peixe finalmente chutou em direção ao gol de Uilson, que defendeu em dois tempos o chute de Victor Ferraz. Pouco tempo depois, o treinador santista usou sua última carta na manga, mandando o argentino Maxi Rolón para o lugar de Renato.

De fato, o Santos cresceu e chegou a ter 62% de posse de bola nos últimos dez minutos de jogo. Aos 37, a melhor chance do Peixe no jogo: após bate-rebate na área atleticana, Victor Ferraz bateu firme, mas Uilson caiu bem para salvar o Galo.

Dorival alerta sobre necessidade de reforços e minimiza revés em estreia

Desfalcado dos lesionados Lucas Lima e Ricardo Oliveira, o Santos acabou derrotado pelo time reserva do Atlético-MG, por 1 a 0, em Belo Horizonte, em sua estreia no Campeonato Brasileiro. Após a derrota deste sábado, o técnico Dorival Júnior alertou para a necessidade de a diretoria santista trazer reforços para o restante da temporada, levando-se em conta que o Peixe terá mais ausências no decorrer do campeonato.

Além de Lucas e Ricardo, o atual bicampeão paulista não poderá contar com o atacante Gabriel, que também estará servindo a Seleção Brasileira durante a realização da Copa América Centenário. Dessa forma, o Santos não terá o trio à disposição por até nove rodadas do principal torneio nacional. Esse número dobra no caso de Gabriel, que tem idade olímpica e tem como certa sua participação nos Jogos, em agosto, no Rio de Janeiro.

“Estamos trabalhando nesse sentido, a diretoria tem consciência de que nós precisamos de reforços pro restante da competição. Enquanto isso, vamos trabalhar com o que temos. É uma equipe que tem qualidade pra buscar uma recuperação e melhorarmos com o andamento do campeonato”, explicou o comandante santista, que até agora viu a diretoria acertar com o argentino Emiliano Vecchio até o fim de 2020.Yuri, do vice-campeão paulista Grêmio Osasco Audax, deve chegar por empréstimo.

Dorival ressaltou que a evolução da equipe durante o Brasileiro pode ser um pouco mais lenta, uma vez que as prováveis contratações ocorrerão em meio ao torneio, dificultando e atrasando o entrosamento do time. “O campeonato está em andamento, é natural que o ideal seria que nós já tivéssemos os jogadores em condições de trabalho para que a adaptação pudesse ser um pouco mais rápida”, argumentou Dorival, lamentando a possibilidade de o Santos fazer uma campanha irregular neste início de competição, algo recorrente nos últimos anos do clube.

“Contratar é uma coisa. Colocar os jogadores em condição de jogo é uma coisa completamente diferente e esse período não pode ser demorado, porque fatalmente, aí sim, nós estaremos abrindo uma possibilidade que o Campeonato Brasileiro acabe penalizando quem deixa de fazer pontos principalmente nessas rodadas iniciais”, afirmou.

Esta foi a 11ª estreia consecutiva em Brasileiros que o Peixe sai de campo sem vitória. A última aconteceu em 2005, quando o time da Vila Belmiro goleou o Paysandu por 4 a 1, em casa. “É a primeira (rodada) do campeonato. Nos jogos do Paulista, jogamos em alto nível tanto dentro quanto fora. Não é por uma derrota que vamos generalizar a competição”, concluiu.