Santos 3 x 0 Galvez

Data: 11/05/2016, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Segunda Fase – Jogo de ida
Local: Arena da Floresta, em Rio Branco, AC.
Público: 1.572 pagantes
Renda: R$ 68.030,00
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sa (RJ)
Auxiliares: Valdebranio da Silva (RO) e Rener Santos de Carvalho (AC).
Cartões amarelos: Gato, Araújo Jordão e Chumbo (G); Paulinho (S).
Gols: Rafael Longuine (36-1) e Paulinho (45-1); Fernando Medeiros (14-2).

GALVEZ
Máximo; Renan Chumbo, Gato, Araújo Goiano e Layo (Radames); Wilson, Olliver (Thiago), Ciel e Careca (Douglas); Araújo Jordão e Tonho Cabañas.
Técnico: Zé Marco

SANTOS
Vladimir; Daniel Guedes (Valencia), Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Caju; Fernando Medeiros (Gregore), Leandrinho, Serginho e Rafael Longuine; Lucas Crispim e Paulinho (Maxi Rolón).
Técnico: Lucas Silvestre (auxiliar)



Reservas do Peixe cumprem a missão no Acre e eliminam jogo de volta

O Santos esteve longe de encantar ou de lembrar a equipe que no último domingo ganhou seu 22º Campeonato Paulista. Mas, com uma equipe totalmente reserva, o Peixe cumpriu sua missão na noite desta quarta-feira e avançou à terceira fase da Copa do Brasil. Com gols de Rafael Longuine e Paulinho na primeira etapa, e um de Fernando Medeiros, que estreou como titular da equipe profissional alvinegra, no segundo tempo, o time da Vila Belmiro bateu o Galvez, do Acre, por 3 a 0, Rio Branco, no norte do país.

Assim, o Santos descansará na semana que vem, já que a vitória por mais de dois gols de diferença elimina a necessidade da partida volta, que tinha a próxima quarta-feira como data reservada.

Apesar da derrota na Arena da Floresta, o Galvez, que tem um teto salarias de R$ 2,5 mil e é formado por jogadores semi-profissionais, viveu o maior jogo de sua história. E ainda viu seu goleiro sair de campo como grande destaque do confronto. Aos 35 anos, o comerciante Máximo pegou dois pênaltis. Um de Rafel Longuine e outro de Serginho, que também parou na muralha acreana no rebote do lance.

O jogo

Os ingressos a R$ 80,00 e o fato do Peixe viajar com um time ausente de titulares fizeram com que o público não comparecesse à Arena da Floresta em peso. Os santistas eram até maioria, já que foi apenas a segunda vez que o torcedor pode acompanhar o time do coração no Acre em toda a história. E logo aos 9 minutos já veio a primeira oportunidade gol.

Ciel e Fernando Medeiros foram traídos pelo quique da bola e o jogador do Galvez acabou cometendo pênalti bobo. Na cobrança de Rafael Longuine, o goleiro Máximo, de 35 anos, voou no canto direito e espalmou a bola para escanteio, para delírio dos conterrâneos.

Os jogadores do Santos claramente não marcavam com entusiasmo e davam espaços, os mesmos que eles tinham devido a limitação de seu adversário. Assim, Careca recebeu teve boa oportunidade aos 21, pela direita, mas Vladimir fez boa defesa. Na sequência, Lucas Crispim pegou sobra dentro da área e carimbou a trave esquerda do Galvez.

Aos 30, Careca, de novo, entrou na área com liberdade, mas acabou travado na hora do arremate por Lucas Veríssimo. O jogador ficou pedindo pênalti, mas foi ignorado pelo árbitro.

Mesmo sem jogador um futebol digno de sua tradição e sofrer mais do que deveria, o Peixe chegou ao seu primeiro gol aos 36 minutos. Rafael Longuine, tentou uma vez e Araújo evitou quase em cima da linha. No rebote, o meia bateu forte e abriu o placar.

O Galvez, então, se lançou ao ataque. Teve duas chances. Primeiro com Gato, de cabeça, depois com Careca, que recebeu passe de letra de Tonho Cabañas, mas bateu em cima de Caju.

O castigo veio aos 45. Paulinho recebeu lançamento na direita com muita liberdade e fez valer sua melhor condição física. Passou fácil por dois marcadores e, na hora de cruzar quase sem ângulo, o atacante bateu direto para o gol, surpreendendo o goleiro Máximo.

Na segunda etapa, o Peixe, que já tinha o resultado necessário para evitar o jogo de volta, não precisou fazer muita força para aumentar sua vantagem. Com o Galvez cada vez mais inofensivo do ataque, o Peixe aproveitou bem um contra-ataque aos 14 minutos. Fernando Medeiros, que estreava como titular da equipe profissional, teve calma para tocar no canto e marcar o terceiro do Santos.

Apenas dois minutos depois, Chumbo cometeu o segundo pênalti do jogo, dessa vez em Paulinho. Serginho foi o encarregado da cobrança e, de novo, Máximo brilhou. O goleiro pegou a batida ruim do santista, no canto esquerdo, e ainda teve agilidade para defender o rebote, em nova finalização de Serginho, para delírio da torcida.

Após isso, o Peixe praticamente administrou o resultado e não tivemos mais lances de perigo para nenhuma das duas equipes. Assim, o Galvez encerrou sua participação na Copa do Brasil e o time da Vila Belmiro seguiu na competição sem a necessidade do jogo de volta.

Santistas reforçam força do grupo em vitória só com reservas no Acre

O Santos está na terceira fase da Copa do Brasil. Com uma vitória por 3 a 0 sobre o Galvez, do Acre, na noite desta quarta-feira, a equipe de Dorival Júnior, que foi comandada por Lucas Silvestre na Arena da Floresta, eliminou a partida de volta. Após a partida, Paulinho falou da importância do resultado e principalmente da oportunidade que alguns jogadores tiveram para mostrar serviço.

Foi um jogo difícil. Está muito abafado, a grama um pouco alta, mas a gente sabia das dificuldades que íamos ter. Nossa intenção claro que era eliminar o jogo de volta e graças a Deus conseguimos. E é como o professor Dorival e o próprio Lucas falam, temos que aproveitar as oportunidades, somos um grupo forte. Fomos campeões Paulistas no domingo e é importante o Dorival saber que pode contar com qualquer um do grupo”, disse o atacante à Espn.

Fernando Medeiros, que fez apenas sua quarta partida no time profissional do Peixe, a primeira como titular, também viveu uma noite especial, já que anotou seu primeiro gol com a camisa alvinegra, o terceiro do Santos no jogo, pouco antes de sair de campo com câimbras.

“Muito feliz de ter marcado meu primeiro gol e ajudado o time na vitória”, disse o volante, ainda muito tímido desde que subiu das categorias de base do clube famoso por revelar e aproveitar seus atletas no time de cima.

Agora, a delegação santista retorna à Baixada para ficar à disposição de Dorival Júnior para o fim de semana. No sábado, o campeão Paulista estreia no Campeonato Brasileiro às 18h30, no Independência, em Belo Horizonte, contra o Atlético-MG. A equipe mineira deve jogar com reservas por causa do confronto contra o São Paulo pela Copa Libertadores da América, mas o Santos promete voltar a utilizar força máxima.

Lucas Silvestre aprova atuação e vê decisão acertada por time reserva

O Santos não fez um belo jogo, mas fez o seu dever contra o Galvez, no Acre, e avançou à terceira fase da Copa do Brasil com uma vitória por 3 a 0, além de ter desperdiçado dois pênaltis. Após o jogo, Lucas Silvestre, que comandou o time no lugar de Dorival Júnior nesta quarta, falou e aprovou o desempenho dos reservas do Peixe na Arena da Floresta.

“Estou muito feliz com o desempenho dos atletas. A gente conseguiu realizar uma grande partida, uma partida muito sólida, do início ao fim o time muito bem, bem postado defensivamente, criando grandes oportunidades ofensivamente. E, dentro disso, a gente teve muitos jogadores que vieram para dar uma boa amostra”, comentou.

A preocupação da comissão técnica santista é com os desfalques de Lucas Lima, Gabriel e Ricardo Oliveira, que se apresentam dia 22 à Seleção Brasileira e podem ficar até nove rodadas fora do time no Campeonato Brasileiro.

“Isso é importante, porque coloca dúvida na nossa cabeça. Com a perda de jogadores semana que vem, a gente precisa ter um grupo forte para poder estar utilizando as peças corretas”, reforçou o auxiliar, que também é filho de Dorival Júnior.

A estratégia de utilizar apenas reservas foi uma repetição do que o clube já havia feito na fase anterior da Copa do Brasil, contra o Santos do Amapá. Desta vez, o resultado foi satisfatório, mas, independente disso, Lucas explicou que não havia condições dos titulares atuarem no Acre.

“A proximidade do jogo de sábado para essa quarta agora é muito grande. Seria uma irresponsabilidade muito grande nossa, já que muitos jogadores chegaram muito cansados do jogo de domingo e, querendo ou não, é um desgastante mental, primeiramente, devido às decisões que a gente vinha enfrentando, e físico, também em relação aos últimos jogos”, salientou.

“Seria uma irresponsabilidade muito grande colocar esses atletas que jogaram domingo para jogar hoje. Muitos atletas apresentaram o CK (exame que analisa o desgaste) muito alto na segunda e na terça, e alguma lesão poderia acabar acontecendo. O resultado já comprova que foi eficaz, que a gente realmente devia ter feito isso, mas, antes mesmo a gente já sabia que era a decisão correta”, concluiu o comandante do Peixe, pelo menos na classificação da equipe nesta quarta.