Vitória 2 x 3 Santos

Data: 24/07/2016, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 16ª rodada
Local: Estádio Barradão, em Salvador, BA.
Público: 9.244 pagantes
Renda: R$ 139.965,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PA)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Celso Luiz da Silva (MG).
Cartões amarelos: José Welison, Willian Farias e Dagoberto (V); Ricardo Oliveira e Gustavo Henrique (S).
Gols: Vitor Bueno (20-1), Kanu (30-1), Copete (32-1); Vander (26-2) e Jean Mota (37-2).

VITÓRIA
Caíque; Diego Renan, Victor Ramos, Kanu e Euller; Willian Farias (Tiago Real), José Welison e Serginho (Cárdenas); Dagoberto (Ramallo), Vander e Kieza.
Técnico: Vágner Mancini

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Renato, Léo Cittadini (Jean Mota) e Lucas Lima (Fernando Medeiros); Vitor Bueno, Copete e Ricardo Oliveira (Rodrigão).
Técnico: Dorival Junior



Dupla Copete-Bueno decide e Peixe conquista grande vitória em Salvador

O Santos foi até Salvador na noite deste domingo e conseguiu um importante triunfo sobre o Vitória, no Barradão, em duelo válido pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. Contando com grande atuação da dupla Copete e Vitor Bueno, cada um com um gol e ambos com participação decisiva no outro, anotado por Jean Mota, os santistas conseguiram o 3 a 2 sobre os baianos. Kanu e Vander anotaram para os donos da casa.

Com o resultado, o Peixe agora fecha o G4 e cola nos líderes da competição, alcançando aos 29 pontos, um a menos do que Grêmio e Corinthians, e três abaixo do líder Palmeiras. Foi a terceira vitória da equipe jogando como visitante na competição, marco importante para os paulistas. O Vitória, por sua vez, estaciona nos 19 pontos, no meio da tabela.

O jogo

Copete desceu pelo lado esquerdo, Caju fez a ultrapassagem, mas o meio-campista resolveu fazer o cruzamento para a área. Vitor Bueno apareceu em boa condição, contou com a falha do lateral esquerdo Euller, que furou o corte, e, já na pequena área, tocou por cima do goleiro Caíque para abrir o placar, aos 20 minutos.

O Peixe poderia ter aumentado logo na sequência. Ricardo Oliveira aproveitou erro de Victor Ramos, recebeu passe de Vitor Bueno no campo de ataque e ficou no mano a mano com Kanu já na intermediária. Com calma, conduziu até dentro da área, limpou para o pé esquerdo e tentou driblar Caíque, mas o arqueiro saiu bem do gol e fez a defesa.

Com sérias dificuldades de criação, os donos da casa viram na bola aérea a chance de vazar o rival. Mesmo só chegando nessas tentativas isoladas, os rubro-negros conseguiram o empate. Ele veio dez minutos depois do tento santista, quando Kanu subiu muito mais alto do que Caju, já quase na pequena área, e cabeceou forte. Vanderlei ainda tocou na bola, mas não evitou o gol.

Quando parecia que o jogo ficaria complicado para o Santos, os visitantes aproveitaram-se da esperteza do seu craque para retomar a dianteira do placar. Lucas Lima sofreu falta e, enquanto o juiz conversava com o técnico Dorival Júnior, viu Caju passar livre pela esquerda e cobrou rapidamente para o defensor, que cruzou e deixou Copete livre para cabecear no contrapé de Caíque.

O segundo tempo transcorreu sem grandes lances de emoção até os 15 minutos, principalmente por conta da defesa bem postada dos alvinegros. Faltou ao Peixe, porém, aproveitar-se do espaço que tinha para contra-ataques, principalmente com Copete, pelo lado esquerdo. Sem ampliar a vantagem, a equipe paulista caiu muito de rendimento quando Ricardo Oliveira saiu para a entrada de Rodrigão.

Chegando ainda sem muita força, o time da casa conseguiu o empate com a mesma receita utilizada no 1 a 1. Caju deu muito espaço na lateral esquerda e Diego Renan conseguiu o cruzamento. Kieza foi muito bem e, mesmo mais baixo que Luiz Felipe, ganhou no alto do zagueiro, desviando a bola e deixando Vander livre, cara a cara com Vanderlei. Mostrando calma, o garoto esperou a saída de Vanderlei e tocou rasteiro para o gol.

A igualdade fez melhorar bastante o time do Vitória, empurrado pelo “vamos vira, Nêgo” entoado pela torcida na arquibancada. O terceiro quase veio em novo lance construído pelo lado direito, com Diego Renan. O defensor chegou à linha de fundo e cruzou na medida para Cárdenas. O armador cabeceou no contrapé de Vanderlei, que praticou excelente defesa.

O panorama desfavorável parecia trágico para o Peixe quando Lucas Lima sentiu lesão na coxa esquerda e pediu para sair, mas a dupla Copete e Vitor Bueno novamente mostrou-se efetiva. O colombiano recebeu pela esquerda, cruzou forte e, em cima da linha de fundo, Bueno conseguiu ajeitar para trás. Jean Mota, que acabara de entrar, chegou chutando forte e deu aos santistas o triunfo.

Santos TV – Bastidores:

Herói, Jean Mota celebra triunfo após tropeços do “pessoal da frente”

O torcedor santista temeu pelo pior ao ver Lucas Lima saindo de campo quando Lucas Lima sentiu lesão na coxa direita e deixou o gramado aos 25 minutos do segundo tempo da partida contra o Vitória, que acabara de empatar em 2 a 2. Foi aí, porém, que Jean Mota, outro meia armador e herói improvável da noite de Salvador, entrou em campo e apareceu para concluir jogada de Copete e Vitor Bueno, fazendo o 3 a 2.

Ainda que não tenha sido o escolhido para substituir Lucas (o volante Fernando Medeiros foi quem entrou), já que Dorival só o colocou dez minutos depois, no lugar de Léo Cittadini, Mota fez a mesma função do titular quando entrou.

“A gente sabia da importância desse jogo, sabíamos que o pessoal da frente tinha tropeçado e que era de suma importância vencer aqui”, observou o jovem atleta, que realizou apenas seu terceiro jogo com a camisa do Peixe, e só teve o trabalho de completar passe de Vitor Bueno para marcar pela primeira vez com a camisa alvinegra.

Autor do cruzamento no terceiro gol, o colombiano Jonathan Copete também celebrou o triunfo conquistado em Salvador. Além da participação no tento da vitória, ele ainda contribuiu com uma assistência e um gol no primeiro tempo.

“Graças a Deus, que me dá a oportunidade de estar aqui com o Santos, com grandes jogadores, e conseguindo melhorar ainda mais a cada jogo. Aqui tento fazer o meu melhor para conseguir grandes coisas e fazer história no Santos”, comentou o atacante.

Lucas Lima sente lesão na coxa, pede para sair e preocupa Dorival

O meia Lucas Lima pode ser mais um desfalque do Santos para a sequência do Campeonato Brasileiro. Antes especulado em clubes da Europa e sem a garantia de que ficaria no clube até o final do ano, o armador virou preocupação depois de sair no segundo tempo do jogo contra o Vitória por conta de dores na coxa direita.

“Ele (Lucas) pediu para sair e vamos analisar. Está com dificuldade, ontem (sábado) ele já estava, e o departamento médico me deixou ciente da situação”, comentou o treinador, que disse ter escalado o camisa 10 após conversar com ele para saber sua condição física.

“Acredito na palavra do atleta e vamos até onde dá. Enquanto ele me passar confiança, é natural que jogue. Ele mais do que ninguém pode mensurar a dor. E é natural que o atleta queira estar sempre em condições de atuar”, concluiu o comandante.

O treinador já sabe que não poderá ter o volante Thiago Maia, o lateral esquerdo Zeca e o atacante Gabriel, todos cedidos para a Seleção Olímpica. O próximo jogo da equipe será quarta-feira, contra o Gama, na Vila Belmiro, valendo vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. O primeiro duelo terminou 0 a 0, na casa do adversário, o que dá ao Peixe a condição de, com uma vitória simples, avançar.

Fernando Medeiros enfrenta irmão e ganha aposta “secreta” com triunfo

O volante Fernando Medeiros, que substituiu Lucas Lima no segundo tempo da vitória santista por 3 a 2 no estádio Barradão, viveu uma situação curiosa na noite deste domingo. Além do triunfo fora de casa, ele pôde encarar a equipe do seu irmão gêmeo, Flávio Medeiros, do qual ganhou uma aposta feita antes da partida.

“Acabei me dando bem (risos)”, disse o jogador, em entrevista ao Sportv, concedida lado a lado com o gêmeo. Flávio, porém, não saiu do banco de reservas, reclamando de não poder mudar a história da aposta. “É, infelizmente acabamos perdendo o jogo, não era o resultado que esperávamos, mas é uma emoção jogar contra o meu irmão”, disse o rubro-negro.

Mesmo reconhecendo que haviam apostado, os dois não quiseram revelar o que estava em jogo; “Vai ter que me pagar 30 acarajés”, brincou Fernando. “Fica entre nós, né? Sempre conversamos pelo celular, aplicativos, internet. É legal ter esse contato ao vivo de vez em quando também”, completou Flávio.

Ambos estavam na base do Santos até o ano passado, quando Flávio resolveu tentar a sorte no time de Salvador. Fernando, por sua vez, é visto como uma das maiores promessas recentes do Peixe e foi promovido pelo técnico Dorival Júnior no ano passado.