Santos 5 x 1 Corinthians

Data: 29/01/2014, quarta-feira – 22h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.050 pagantes
Renda: R$ 238.820,00
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira
Auxiliares: Émerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse
Cartões amarelos: Leandrinho (S); Emerson e Paolo Guerrero (C).
Gols: Arouca (12-1), Gabriel (21-1) e Guilherme (23-1); Thiago Ribeiro (02-2), Bruno Peres (18-2) e Thiago Ribeiro (32-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Gustavo Henrique, Neto e Mena (Bruno Peres); Alan Santos (Leandrinho), Arouca e Cícero; Thiago Ribeiro. Geuvânio e Gabriel (Stefano Yuri).
Técnico: Oswaldo de Oliveira

CORINTHIANS
Walter; Diego Macedo, Gil, Paulo André e Uendel; Ralf, Guilherme, Rodriguinho (Douglas) e Danilo (Emerson Sheik); Romarinho e Guerrero (Alexandre Pato).
Técnico: Mano Menezes



Santos dá “olé” e goleia o Corinthians no 1º clássico da temporada

Santos e Corinthians chegaram ao primeiro clássico em patamar de igualdade, tendo desagrado quase que igualmente as suas torcidas até então. Os donos da casa mudaram isso com louvor em 90 minutos. Com Arouca inspirado, a equipe de Oswaldo de Oliveira teve uma atuação de gala, deu “olé” nos rivais e goleou por 5 a 1 na Vila Belmiro.

A vitória deixa o Santos com dez pontos, na liderança do Grupo C, considerado o mais difícil do Campeonato Paulista. O Corinthians, com a segunda derrota seguida, já está três pontos atrás do Botafogo-SP, líder da chave B.

A posição na tabela, porém, é o de menos para os comandados de Mano Menezes. O que preocupa o torcedor é a fragilidade do sistema defensivo e a má forma individual de alguns pilares do time, como Gil, Paulo André e Ralf. A facilidade oferecida ao ataque do Santos, a tônica da partida, abalou até uma partida razoável do ataque, que criou chances ao longo do jogo.

Para os santistas, fica a empolgação de uma bela atuação diante do maior rival. Nenhuma novidade para Oswaldo de Oliveira. Em 2005, na primeira passagem do treinador pela Vila, o primeiro clássico também foi contra o Corinthians, e a partida terminou 3 a 0 para o time praiano com uma das melhores atuações da carreira de Robinho, contra o time de Tevez.

Nesta quarta, não teve Robinho, mas o sucesso foi inegável. O Santos começou o jogo empolgado e se aproveitando do maior problema do Corinthians: seus buracos pelas laterais. Gabriel e Thiago Ribeiro exploraram Diego Macedo e Uendel municiados por Cícero, e encontraram Arouca como homem-surpresa dentro da área.

Sobrecarregados, Gil e Paulo André não conseguiram segurar os rivais. O placar foi mexido aos 12 minutos, quando Walter fez uma defesa impressionante em cabeçada à queima-roupa de Alan Santos. Na sobra, porém, Arouca arriscou de fora da área, contou com um desvio em Ralf e viu a bola morrer no canto direito do gol corintiano.

Mano percebeu o problema na lateral, mudou o posicionamento defensivo da equipe e viu seus comandados reagirem. A mudança seguinte no placar, porém, foi santista novamente. Aos 22 minutos, Arouca fez nova jogada nas costas de Diego Macedo e viu Gabriel livre, em uma falha de marcação de Ralf. Sozinho, o jovem atacante cabeceou e abriu 2 a 0.

A reação do Corinthians, desta vez, foi imediata. Um minuto depois, uma jogada trabalhada do Corinthians terminou com um belo chute de Guilherme, de fora da área, que recolocou a equipe da capital na partida.

Daí até o fim do primeiro tempo, a arbitragem foi o principal tema da partida. Guerrero, às turras com os zagueiros santistas, reclamou de um suposto pênalti de Gustavo Henrique quando estava de frente para Aranha e caiu após a chegada da marcação por trás. Do outro lado, Cicinho foi a “vítima”, após uma dividida de ombro com Ralf em que o lateral santista levou a pior.

O intervalo não reduziu o ritmo do jogo, frenético. O Santos de Arouca, cada vez mais dono do meio-campo, ampliou logo aos 2 minutos, em jogada que começou nos pés do volante, passou por Bruno Peres e encontrou Thiago Ribeiro do outro lado da grande área, depois de uma furada estranha de Uendel na marcação.

A desvantagem fez Mano agir com mais dureza. Douglas e Emerson, que estavam no banco, substituíram Rodriguinho e Danilo, respectivamente. Na primeira chance que teve, o Sheik encontrou Guerrero livre, e o peruano exigiu uma bela defesa de Aranha em uma cabeçada. E foi só.

O Santos, no contra-ataque, voltou a se aproveitar do mau começo de ano da zaga do Corinthians. Aos 18 minutos, Geuvânio deu um drible da vaca em Ralf, foi à linha de fundo e cruzou rasteiro para trás. Completamente livre, Bruno Peres tocou no canto de Walter.

Com uma goleada diante de si, o Corinthians perdeu a calma. Emerson e, principalmente, Guerrero se desentenderam com seus marcadores e despertaram a torcida na Vila, que começou a gritar “olé”.

Extenuado, o Corinthians passou a assistir. Aos 32 minutos, o Santos, de novo com Arouca, encontrou o gol pela quinta vez, com Thiago Ribeiro passando fácil por Guilherme e batendo na saída de Walter e fechando o marcador.

Bastidores – Santos TV: