Red Bull Brasil 2 x 3 Santos

Data: 12/02/2017, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 23.813 pessoas (20.412 pagantes)
Renda: R$ 747.515,00
Árbitro: Rafael Gomes da Silva
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon e Fabricio Porfirio de Moura.
Cartões amarelos: Fillipe Soutto (RB); Yuri, Copete e Lucas Veríssimo (S).
Gols: Vitor Bueno (15-1), Misael (28-1) e Rodrigão (48-1); Nixon (36-2) e Kayke (47-2).

RED BULL BRASIL
Saulo; Bruno Ferreira (Lucas Taylor), Willian Magrão, Luan Peres e Thallyson; Alison (Denner), Fillipe Soutto, Elvis (Nixon) e Nando Carandina; Misael e Elton.
Técnico: Alberto Valentim

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Zeca; Leandro Donizete (Léo Cittadini), Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno (Kayke), Copete e Rodrigão (Bruno Henrique).
Técnico: Dorival Junior



Com gol polêmico no fim, Santos bate Red Bull Brasil e segue líder

O Santos continua na ponta do grupo D do Campeonato Paulista. Em jogo movimentado e recheado de polêmicas, o Peixe bateu o Red Bull Brasil por 3 a 2, na manhã deste domingo, no Pacaembu, em duelo válido pela segunda rodada do torneio estadual. Apesar do bom futebol apresentado pelas duas equipes, o principal destaque ficou por conta do santista Kayke. Estreando no clube, o atacante desviou cruzamento de Victor Ferraz com o braço, aos 47 minutos do segundo tempo, e marcou o gol da vitória. Além da irregularidade inicial, o goleiro Saulo também defendeu antes da bola passar a linha da meta. A arbitragem, porém, validou o tento e confirmou o triunfo do alvinegro.

Com isso, o Santos retoma a liderança do grupo D do Paulistão, com seis pontos. O Peixe havia caído para segundo após o Mirassol bater a Ferroviária, no último sábado. Já o Red Bull Brasil, por sua vez, estacionou na segunda colocação do grupo B, com apenas um ponto em três jogos, e pode ser ultrapassado pelo São Paulo, que encara a Ponte Preta, neste domingo, às 17h (de Brasília), no Morumbi.

O jogo

Apesar do forte calor de 30ºC em São Paulo, a partida começou bem morna no Pacaembu. O Santos começou tocando com tranquilidade, enquanto o Red Bull Brasil adiantou a marcação, pressionando a saída de bola santista. Porém, nenhuma oportunidade clara foi criada no começo do duelo.

Até que aos 15 minutos, o zagueiro Lucas Veríssimo mostrou persistência, recuperou uma jogada perdida e tocou para Lucas Lima. Aceso no jogo, o camisa 10 apenas rolou para Victor Ferraz. O lateral, por sua vez, acertou um belo cruzamento para Vitor Bueno vencer o goleiro Saulo e fazer 1 a 0 no Pacaembu. Na comemoração, os santistas ensaiaram uma ‘dancinha’, relembrando os bons tempos de 2010, com a equipe liderada por Neymar e Ganso.

O tento animou o time do Peixe. Comandado pelo inspirado Lucas Lima, o alvinegro seguiu em cima do Toro Loko e quase ampliou o marcador aos 25 minutos. O camisa 10 entortou toda a defesa adversária e cruzou para Copete. O colombiano desviou para o meio da pequena área e Rodrigão, sem goleiro, errou a cabeçada e mandou pra fora.

E como o futebol não tolera desaforo, o castigo veio na jogada seguinte. Nando Caradina desarmou Lucas Lima de forma limpa e acertou um lindo lançamento de três dedos para Misael. O atacante arrancou entre os dois zagueiros do Santos e bateu firme para deixar tudo igual no Pacaembu.

O Santos sentiu o empate e o Red Bull cresceu no jogo. Ainda apostando nas roubadas de bola e nos contra-ataques rápidos, a equipe comandada por Alberto Valentim quase alcançou a virada aos 40 minutos. Em nova saída em velocidade, Misael apareceu de novo e obrigou Vladimir a fazer bela defesa, salvando o alvinegro.

E do mesmo jeito que o futebol foi traiçoeiro com Rodrigão após a inacreditável chance desperdiçada, o atacante recebeu dos pés de Lucas Lima a chance de se redimir antes do intervalo. Desta vez, ele não desperdiçou. O meia acertou lindo passe para o centroavante, que tocou na saída de Saulo e colocou o Peixe novamente em vantagem.

Ao contrário da etapa inicial, o segundo tempo fez jus ao forte calor e começou quente no Pacaembu. Com as duas equipes buscando o ataque, a partida ficou aberta e cheia de alternativas. A primeira oportunidade clara surgiu com o Red Bull Brasil. Logo aos 10 minutos, Elton apareceu livre no meio da zaga santista e soltou uma bomba na trave, assustando o goleiro Vladimir.

Logo depois, o técnico Dorival Júnior tirou Leandro Donizete, que fez sua estreia com o a camisa do Santos, e promoveu a entrada de Léo Cittadini. A mudança não alterou o estilo de jogo das duas equipes e a partida seguiu movimentada no Pacaembu.

Aos 24 minutos, Thallyson apareceu na entrada da área e soltou a bomba no gol de Vladimir. A bola desviou em Lucas Veríssimo e saiu em escanteio. O Santos, por sua vez, respondeu no lance seguinte. Victor Ferraz avançou pela direita e cruzou rasteiro. Rodrigão e Copete furaram e Lucas Lima apareceu sozinho na área. O camisa 10 dominou, mas chutou em cima do goleiro Saulo.

Após a sequência de chances desperdiçadas, o técnico Dorival Júnior promoveu mais uma estreia no Peixe. Sentindo os efeitos do forte calor, Rodrigão foi substituído por Bruno Henrique. Na saída do gramado, o centroavante, que tem três jogos no Paulistão, foi aplaudido pela torcida santista.

Com o jogo bem aberto, era questão de tempo para sair um gol no Pacaembu. Ele aconteceu, mas foi para o Red Bull. Aos 36 minutos, Nixon, que havia acabado de entrar, aproveitou cobrança de falta de Denner e tocou de cabeça para vencer Vladimir. O jogador estava impedido no lance, mas a arbitragem validou o tento.

Logo após levar o empate, Dorival colocou sacou Vitor Bueno para promover a entrada de Kayke. O reforço, que fez sua estreia com a camisa do Peixe foi decisivo e acabou sendo o autor da maior polêmica do jogo.

Aos 47 minutos do segundo tempo, o zagueiro Lucas Veríssimo desviou cruzamento do meia Lucas Lima. A bola acabou sobrando para Victor Ferraz. O lateral-direito tocou para dentro da pequena área e Kayke apareceu sozinho. O atacante desviou com o braço e Saulo chegou a defender antes da redonda cruzar a linha. Arbitragem, porém, validou o tento, decretando a vitória santista.

Bastidores – Santos TV:

Elenco do Santos se cala em protesto contra demissão de gerente

Geralmente, após uma boa vitória, os jogadores costumam dar entrevistas longas para externarem sua felicidade. Porém, não foi isso aconteceu neste domingo, depois do Santos vencer o Red Bull Brasil por 3 a 2, no Pacaembu, em duelo válido pela segunda rodada do Campeonato Paulista. Após o polêmico gol marcado por Kayke, que decretou o triunfo santista aos 47 minutos do segundo tempo, os atletas se reuniram no centro do gramado e decidiram pelo silêncio na saída de campo.

A assessoria de imprensa do clube revelou que a decisão foi tomada pelo elenco e afirmou que o motivo não foi explicado. Segundo apurado pela Gazeta Esportiva, os atletas se calaram em protesto pela demissão do gerente de futebol do clube, Sérgio Dimas, na última sexta-feira.

A mudança não agradou o elenco e o técnico Dorival Júnior. Por conta disso, os integrantes da comissão técnica e os jogadores se reuniram com o presidente Modesto Roma Júnior para tentar reverter a situação. O mandatário, porém, já informou que não irá voltar atrás.

Segundo a diretoria do alvinegro, a demissão de Dimas faz parte de uma série de mudanças que irão acontecer no departamento de futebol. Ele estava no cargo desde 2015. Porém, a reportagem apurou que o profissional já estava desagradando os dirigentes havia algum tempo.

Além de cuidar da logística dos jogos fora de casa e até auxiliar o superintendente Dagoberto dos Santos, o funcionário tinha o papel de ser a principal ligação entre diretoria, elenco e comissão técnica. Com a saída de Dimas, o analista Alexandre Ceolin, que chegou recentemente do Atlético-MG, assume a função interinamente. Segundo o presidente Modesto Roma, porém, ele não será efetivado e o Comitê de Gestão do clube buscará outro profissional no mercado.

Dorival admite gol ilegal, mas cita erro para Red Bull e diz: “Falta tecnologia”

O Santos bateu o Red Bull Brasil por 3 a 2, neste domingo, no Pacaembu, com um gol duplamente irregular. Além da bola ter batido no braço do atacante Kayke, após cruzamento de Victor Ferraz, o goleiro Saulo defendeu a redonda antes dela cruzar a linha da meta. Mesmo assim, a arbitragem validou o tento e decretou a vitória santista na segunda rodada do Campeonato Paulista.

O técnico Dorival Júnior admitiu a irregularidade no lance de definiu a partida. O comandante, inclusive, pediu que a tecnologia seja inseria do futebol brasileiro e também citou que o gol do Toro Loko, marcado por Nixon, também foi ilegal, já que o atleta estava impedido no lance

“A tecnologia está aí para ser usada. Só o futebol não usa. International Board parece que trabalha contra o futebol. Para algo que pode ser favorável para todo mundo e a margem de erro diminua. Segundo gol do Red Bull estava impedido e ninguém falou nada. Foram erros vitais para os dois lados. Tecnologia está aí e deveria ser usada e exigida. Eu sinto por isso. É um resultado a ser definido. Erro ou interferência é ruim para quem vença e para quem perca”, ressaltou o treinador, em entrevista coletiva após o triunfo no Pacaembu.

Além da polêmica no fim, a partida também ficou marcada pelo silêncio dos jogadores do Peixe na saída do gramado. Segundo apurado pela Gazeta Esportiva, os atletas se calaram em protesto pela demissão do gerente de futebol do clube, Sérgio Dimas, na última sexta-feira. Dorival, porém, preferiu não falar sobre o assunto.

“É um assunto interno, que será tratado assim. Tenho que responder pela partida. E todos viram que equipe não se viu concentrada adequadamente. E é natural que tudo que tenha envolvido a semana tenha tido certa interferência. Mas não podemos tirar o mérito do adversário, que fez grande apresentação, buscando o gol como o Santos gosta de jogar. Eles não têm culpa do que aconteceu conosco. Temos que tentar administrar tudo isso. Foi muito em cima da partida. Não só por esse motivo, mas é natural que tenha interferido”, concluiu o comandante.

Dorival valoriza Red Bull e nega preocupação com gols sofridos

Apesar das polêmicas no fim, Santos e Red Bull Brasil fizeram um bom jogo de futebol na manhã deste domingo, no Pacaembu. O Peixe, com um gol duplamente irregular, acabou ficando com a vitória por 3 a 2, em duelo válido pela segunda rodada do Campeonato Paulista. Mesmo admitindo o erro da arbitragem, o técnico Dorival Júnior valorizou a atuação do Toro Loko.

“Foi um jogo muito disputado. Caímos em um erro que nunca tivemos, que é carregar a bola, com ansiedade de definir a sorte da partida rapidamente. Nunca aconteceu isso com o Santos. O Red Bull Brasil fez grande apresentação, muito bem posicionado. Tivemos espírito de luta de fazer, mesmo que erradamente, para resolver a partida. Alcançamos um resultado pela insistência e garra de todo o grupo”, explicou o treinador, em entrevista coletiva após o embate deste domingo.

O comandante Santista também mostrou que não está preocupado com os quatro gols sofridos pelo alvinegro nas duas primeiras rodadas do Paulistão, contra Linense e Red Bull. O técnico, por sua vez, preferiu valorizar os tentos marcados pela equipe nos dois duelos. Vale lembrar que o Peixe tem jogado com apenas Lucas Veríssimo como zagueiro de origem, já que Yuri é volante e está sendo improvisado.

“São dois jogos com quatro gols tomados. Mas fizemos nove. Não me preocupo muito com o que acontece. Eu me preocupo se deixarmos de fazer gols. O Santos é preparado para atacar e vamos encontrar equilíbrio daqui a pouco”, concluiu Dorival.

Saulo afirma que árbitro pediu desculpas após gol irregular do Santos

Os jogadores do Red Bull Brasil saíram de campo revoltados com o gol irregular marcado pelo atacante Kayke, aos 47 minutos do segundo tempo. O tento decretou a vitória do Santos por 3 a 2, neste domingo, no Pacaembu. Além da bola ter batido no braço do jogador, após cruzamento de Victor Ferraz, o goleiro Saulo defendeu a redonda antes dela cruzar a linha da meta. Mesmo assim, a arbitragem validou o tento e confirmou o triunfo santista na segunda rodada do Campeonato Paulista.

Na saída do gramado, o arqueiro do Toro Loko revelou que o árbitro Rafael Gomes Félix da Silva pediu desculpas após o apito final no Pacaembu

“É simples. A bola não entrou. Acredito que fez uma grande arbitragem, mas errou em um lance crucial. Talvez se fosse ao contrário, não erraria. Ele não viu, quem validou foi o auxiliar, tanto que (o árbitro) pediu desculpa agora na saída, falando que realmente a bola não entrou. Mas de nada adianta, não vai trazer os três pontos mais”, reclamou Saulo.

Apesar do bom futebol apresentado pelas duas equipes no embate deste domingo, o principal destaque ficou por conta de Kayke. Estreando no Santos, o atacante desviou cruzamento de Victor Ferraz com o braço e marcou o gol da vitória.

Problemas extracampo colocam elenco do Santos contra diretoria

Contando o amistoso contra o Kenitra, no último dia 28 de janeiro, no Pacaembu, o Santos já contabiliza 14 gols em apenas três jogos no ano. Além disso, o Peixe tem duas vitórias, segue invicto e é líder do grupo D do Campeonato Paulista. Teoricamente, o ambiente no clube deveria estar bom, já que o time comandado pelo técnico Dorival Júnior está correspondendo dentro das quatro linhas. Porém, problemas extracampo têm atrapalhado o alvinegro neste começo de temporada.

O principal deles surgiu na última sexta-feira e serviu para rachar de vez a relação entre elenco e diretoria. A cúpula do alvinegro decidiu demitir o gerente de futebol Sérgio Dimas. A mudança não agradou os jogadores, que tinham boa relação com o profissional. Por conta disso, os integrantes da comissão técnica e os atletas se reuniram com o presidente Modesto Roma Júnior para tentar reverter o quadro. O mandatário, porém, apenas resumiu que a demissão foi causada por um assunto ‘interno’ e informou que não irá voltar atrás.

A situação revoltou ainda mais os jogadores. Tanto eles decretaram greve de silêncio e não falaram com a imprensa após a vitória por 3 a 2 sobre o Red Bull Brasil, neste domingo, no Pacaembu. Modesto não gostou da atitude, mostrou-se irredutível e não pretende mais conversar sobre o assunto com os atletas.

Inicialmente, foi especulado por um dos assessores particulares do presidente que Dimas havia sido demitido após esquecer um prazo de inscrição na Conmebol para a Copa Libertadores da América. O mandatário negou o fato e disse que o corte faz parte de uma série de mudanças que irão acontecer no departamento de futebol.

Porém, segundo apurado pela Gazeta Esportiva, o gerente de futebol foi demitido por uma questão política. Isso porque ele teria contato com membros opositores da atual diretoria. E como acontecerão eleições no clube em dezembro deste ano, a cúpula optou por buscar um profissional ‘de confiança’. Interinamente, o analista Alexandre Ceolin, que chegou recentemente do Atlético-MG, assume a função.

Caso Noguera
Antes da gota d’água com a demissão de Dimas, um outro problema já vinha tumultuando o ambiente no Santos. Depois do amistoso contra o Kenitra, no Pacaembu, o zagueiro Fabián Noguera ameaçou um repórter após ler uma crítica em uma rede social. Mesmo com a ocorrência sendo divulgada pela imprensa, a diretoria do clube não quis comentar o assunto e também não aplicou nenhuma punição efetiva ao argentino.

Além disso, o defensor se reuniu com os jogadores do Peixe para dizer que o jornalista mentiu nas acusações. Diversos atletas acreditaram na versão de Noguera e ficaram contra o repórter. Porém, pessoas próximas do zagueiro afirmaram que ele assumiu a culpa do ocorrido, mas que vai negar o fato publicamente, pois não quer ser um ‘réu confesso’.

Tentando amenizar a situação, o presidente Modesto Roma Júnior propôs que o argentino confessasse a ameaça e pedisse desculpas ao profissional de imprensa. Porém, após o elenco se fechar contra a diretoria por conta da demissão de Dimas, o problema com Noguera acabou sendo ofuscado e não deve ser resolvido nos próximos dias.