Corinthians 1 x 0 Santos

Data: 04/03/2017, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 7ª rodada
Local: Estádio de Itaquera, em São Paulo, SP.
Público: 36.111 pagantes
Renda: R$ 1.991.856,80
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxiliares: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Daniel Paulo Ziolli
Cartões amarelos: Gabriel, Jadson, Rodriguinho, Pablo (C); Vladimir (S).
Gol: Jô (02-2).

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Jadson, Rodriguinho (Giovanni Augusto), Maycon e Romero (Léo Jabá); Jô (Kazim).
Técnico: Fábio Carille

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Cleber e Zeca; Yuri (Rafael Longuine), Thiago Maia e Vitor Bueno; Bruno Henrique, Copete (Rodrigão) e Kayke (Thiago Ribeiro).
Técnico: Dorival Junior



Jô decide mais uma vez e Corinthians passa pelo Santos em Itaquera

O Corinthians conseguiu transpor mais um obstáculo no início de ano e do trabalho do técnico Fábio Carille à frente do clube. Apenas três dias depois de sofrer para se classificar na Copa do Brasil diante do Brusque, o Alvinegro se impôs sobre o Santos na tarde/noite deste sábado, no estádio de Itaquera, e conquistou sua segunda vitória em clássicos na temporada, juntando-se ao Derby de duas semanas atrás. A segunda com gol marcado por Jô, dessa vez logo no começo do segundo tempo.

Com o triunfo conquistado, mais uma vez por um gol de diferença, como em todas as outras vitórias do ano, o Timão chega a 18 pontos, se mantém como melhor campanha do Campeonato Paulista e abre mais vantagem no Grupo A do torneio, cada vez mais perto de assegurar uma vaga no mata-mata. O Peixe, por sua vez, fica com 10 pontos e segue atrás de Ponte e Mirassol, líderes da sua chave e, no momento, classificados à fase seguinte.

O jogo

O primeiro tempo do clássico teve um ator principal e 21 outros coadjuvantes dentro de campo. Mesmo conseguindo chegar com razoável tranquilidade ao gol adversário, os corintianos acabaram ofuscados pela grande atuação do goleiro santista Vladimir. Reserva de Vanderlei e motivo de desconfiança da torcida, o arqueiro realizou pelo menos quatro defesas difíceis e evitou que o Peixe fosse para os vestiários em desvantagem.

A primeira foi aos oito minutos do primeiro tempo, quando Romero tabelou com Arana e achou Maycon em boa condição na entrada da área. O garoto arriscou chute forte, no canto direito, e viu o adversário voar para fazer a defesa. Depois, em uma das poucas investidas dos visitantes na etapa inicial, Kayke recebeu bom passe de Vitor Bueno na grande área e tentou dar de bico com o pé direito, mas mandou fraco, na mão de Cássio.

Depois de uma breve intervenção dos seus parceiros, que não conseguiram segurar a bola na frente, Vladimir voltou a aparecer quando Jadson bateu escanteio pelo lado direito, na segunda trave, e Balbuena cabeceou no canto oposto. O goleiro, que já havia dado dois passos para a direita, conseguiu se recuperar e espalmou a bola. Seis minutos depois, Vladimir encaixou chute forte de Jadson.

Dali até o intervalo, porém, foi que os corintianos tiveram seus melhores lances. Aos 40 minutos, em breve inversão de Romero para o lado direito, o paraguaio recebeu ótimo passe de Fagner dentro da área e tentou passe rasteiro para Jô. Lucas Veríssimo fez o corte para trás e ia marcando um gol contra até que Vladimir, com muito reflexo, esticou o braço esquerdo para fazer a defesa. Dois minutos depois, ele pôde agradecer o gramado ao ver Jô, livre na pequena área, escorregar e chutar fraco para fácil intervenção do santista.

A magia que Vladimir parecia ter feito no gol defendido pelo Santos acabou assim que os times mudaram de lado. Procurando manter um ritmo forte de marcação, o Timão logo conseguiu abrir o placar. Após boa triangulação entre Guilherme Arana, Rodriguinho e Romero, o paraguaio acionou o lateral esquerdo na linha de fundo e o garoto descolou lindo cruzamento na segunda trave. Lá estava Jô, que ganhou de Cleber e testou sem chances para o arqueiro.

O lance, que empolgou a torcida presente no estádio e fez o volume da torcida corintiana alcançar o nível mais alto até então, parecia que transformaria o clássico em um jogo mais atrativo, com o Santos saindo para o ataque. Dorival Júnior, insatisfeito com a produção ofensiva do seu time, tirou Kayke e Yuri, mandando a campo Thiago Ribeiro e Rafael Longuine, abrindo mão de um centroavante e apostando na movimentação dos escolhidos.

Até os 31 minutos, porém, o jogo não teve nem sequer um outro chute a gol. Quem quebrou essa marca foi, mais uma vez, um jogador do Corinthians. Léo Jabá, que acabara de entrar no lugar de Ángel Romero, puxou contra-ataque, driblou Rodrigão e invadiu a área. O garoto, com Victor Ferraz ainda pela frente, cortou para o pé direito e tentou o chute, mas acabou mandando por cima do gol.

Na base da pressão e nas bolas mandadas em direção a Rodrigão, que entrou após Dorival desistir da ausência de um camisa 9, o Peixe ainda tentou buscar o empate. Carille, satisfeito com o 1 a 0, apostou em Kazim e Giovanni Augusto no lugar de Jô e Rodriguinho. Sem qualidade na hora de armar as jogadas, porém, restou aos alvinegros da Baixada lamentar outro revés em clássico e, aos donos da casa, celebrar com a Fiel.

Bastidores – Santos TV:

Ferraz vê derrota em Itaquera como “normal” e mira Libertadores

Com apenas duas finalizações, o Santos foi envolvido pelo Corinthians em Itaquera e acabou derrotado por 1 a 0 na noite deste sábado, em clássico válido pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Após o duelo, o lateral direito do Santos, Victor Ferraz, afirmou que perder no estádio alvinegro é “normal” e já projetou a estreia do Peixe na Copa Libertadores da América, nesta quinta-feira, no Peru.

“Essas duas finalizações dizem muito o que foi o jogo. No primeiro tempo, eles foram bem melhores, mas no segundo tivemos boas oportunidades, com cruzamentos, rodando a área deles com perigo. Eles acabaram vencendo, jogaram bem”, analisou o jogador.

“Agora temos que focar na Libertadores, que é o nossos objetivo na temporada. A derrota no clássico não vai mudar em nada a nossa motivação para quinta-feira. Estamos muito focados, nos fechamos ali e combinamos de esquecer essa derrota”, acrescentou.

Com a derrota, o Santos não conseguiu inserir uma sequência de vitórias no Campeonato Paulista, já que havia superado o Botafogo-SP no último sábado, mesmo que jogando mal. A equipe é apenas a terceira colocada do Grupo D, com 10 pontos ganhos, e não se classificaria para o mata-mata do Estadual.

“Esse ano a gente começou tropeçando em alguns times que não tropeçávamos. Perder para o Corinthians aqui é normal, é jogo parelho”, disse, recordando o histórico recente do Peixe na competição. “Essa geração é bicampeã paulista, faremos de tudo para vencer que é o que a gente mais deseja”, acrescentou.

Dorival lamenta desfalques em revés e espera contar com trio na quinta

Apesar de o Santos pouco ter agredido o Corinthians na derrota por 1 a 0, na noite deste sábado, em Itaquera, Dorival Júnior analisou o clássico em Itaquera como “disputado ao extremo”. Após a partida, o técnico também lamentou os desfalques dos meio-campistas Renato e Lucas Lima e do centroavante Ricardo Oliveira.

“Tivemos um grande jogo, disputado ao extremo. Corinthians começou bem. Tentamos de todas as formas depois do gol, melhoramos consideravelmente adiantando nossa marcação. Natural que o gol tenha feito toda a diferença. O equilíbrio da partida foi grande, porém, o Corinthians conseguiu finalizar”, analisou.

Para o duelo desta noite, Dorival não pôde contar com três dos principais jogadores do elenco santista. Lucas Lima ficou de fora por lesão no joelho esquerdo, Ricardo Oliveira foi preservado para uma melhor cicatrização do ferimento na orelha direita e Renato ainda se recupera de um estiramento na panturrilha.

A expectativa do treinador é contar com o trio na quinta-feira, quando o Santos estreia na Copa Libertadores da América, às 21h45 (de Brasília), contra o Sporting Cristal, no Peru.

“São três jogadores que fazem falta a qualquer equipe. Os três no mesmo momento é natural que traga um prejuízo grande. Espero contar com os três na quinta-feira. Com a chegada deles, espero que a equipe volte a crescer”, afirmou.

Dorival, porém, não se esqueceu da delicada situação da equipe no Estadual. Após sete rodadas, o Peixe é o terceiro colocado do Grupo D, com 10 pontos, fora da zona de classificação.

“Temos nossas preocupações com o Campeonato Paulista e vamos lutar para obter uma das vagas para a segunda fase da competição. Paralelo a isso, a abertura que uma Libertadores traz, é um diferencial. Estamos preparando esses três jogadores para contar com eles”, concluiu.

Dorival isenta Cleber e admite preocupação com má fase do Santos

Dorival Júnior saiu em defesa de Cleber após a derrota por 1 a 0 para o Corinthians, na noite do último sábado, em Itaquera. No lance do gol do Timão, o zagueiro era o responsável pela marcação no atacante Jô, que recebeu cruzamento de Arana e venceu o zagueiro no alto para dar a vitória à equipe da casa.

“O Cleber vem melhorando a cada rodada, não tem essa de culpado pelo gol, é coletivo. Não existe isso. Ele ficou um bom tempo parado e temos que ter essa paciência. Os novos jogadores estão buscando adaptação e com ele não é diferente”, explicou o treinador.

Melhor jogador do Santos no jogo, o goleiro Vladimir também isentou Cleber de culpa pelo gol ao reconhecer a boa assistência feita pelo lateral esquerdo corintiano. “Ali foi apenas um detalhe. O cruzamento foi muito bom, rápido. O Jô fez a leitura aérea e o gol”, opinou.

Essa foi a terceira derrota do Santos nos últimos cinco jogos do Campeonato Paulista. A equipe soma 10 pontos e ocupa apenas a terceira posição do Grupo D, fora da zona de classificação para as quartas de final. E Dorival Júnior não esconde a preocupação com o mau momento do Peixe.

“Somos profissionais, naturalmente estamos preocupados, é a terceira derrota que tivemos esse ano. Diferente do ano anterior, que teve uma equipe consistente, e esse ano ainda não conseguimos encontrar. O treinador tem que tentar preparar novas situações para que essas perdas sejam minimizadas”, disse o técnico, que em seguida relativizou.

“Esses resultados não tem acompanhados o que a equipe representa. A segunda etapa o time teve outra maneira de jogar, foi pra cima, no primeiro tempo teve bons momentos na partida, mas o Santos ainda está procurando equilíbrio”, concluiu.

Corinthians volta a usar telão para provocar: “Pescaria em Itaquera”

Famoso por uma provocação feita ao Internacional, o telão do Estádio de Itaquera voltou a atacar na noite deste sábado. Desta vez, porém, a vítima foi o Santos, cujo o mascote é a baleia. O clube escreveu a seguinte mensagem: “#PescariaemItaquera”.

A provocação se referiu à vitória por 1 a 0, em duelo foi válido pela sétima rodada do Campeonato Paulista. No Twitter, a agremiação também não deixou barato, usando a hashtag nos posts após o embate. No Instagram, a mensagem estampou a imagem de Jô comemorando o gol da vitória.

Essa não foi a primeira vez que o telão do estádio de Itaquera proporcionou uma provocação a um clube rival. Em 2015, após vitória por 2 a 1 sobre o Internacional, o Corinthians escreveu “#poenodvd”, em referência ao DVD com supostos erros de arbitragem a favor do Timão enviado pelo Colorado à CBF nas vésperas da final da Copa do Brasil de 2009, vencida pelo clube paulista.

Com o triunfo, o Corinthians segue com a melhor campanha do Campeonato Paulista, com 18 pontos ganhos, ocupando a liderança do Grupo A. O Peixe, por sua vez, é apenas o terceiro colocado do Grupo D, com 10 pontos, fora da zona de classificação à segunda fase.

Agora, o Timão volta as suas atenções para a Copa do Brasil. Nesta quinta-feira, às 21h30 (de Brasília), a equipe visita o Luverdense, em Lucas do Rio Verde, pelo jogo de ida da terceira fase. No mesmo dia, mas às 21h45, o Santos estreia na Copa Libertadores da América, no Peru, contra o Sporting Cristal.

Quem também entrou na onda foi o atacante Kazim, que utilizou sua própria rede social para interagir com a torcida. Já aparentemente integrado aos apelidos dos adversários no Brasil, ele perguntou aos seus seguidores: “Quem vai comer peixe com nós?”.