Santa Fe 0 x 0 Santos

Data: 19/04/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: – Copa Libertadores – Grupo 2 – 3ª rodada
Local: Estádio El Campín, em Bogotá, na Colômbia.
Público e renda: N/D
Árbitro: Fernando Rapallini (ARG)
Auxiliares: Juan P. Belatti e Gabriel Chade (ambos da ARG).
Cartões amarelos: Yeison Gordillo, Jonathan Gómez, Baldomero Perlaza e Daíron Mosquera (SF); Jean Mota (duas vezes), Thiago Maia e Bruno Henrique (S).
Cartão vermelho: Jean Mota (S).

SANTA FE
Leandro Castellanos; Juan Daniel Roa, José Moya, Héctor Urrego e Daíron Mosquera; Yeison Gordillo, Baldomero Perlaza (Perez), Jonathan Gómez e Johan Arango (Plata); José Valencia (Damir Ceter) e Denis Straqualursi.
Técnico: Gustavo Costas

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno (Leandro Donizete), Bruno Henrique (Yuri) e Ricardo Oliveira (Copete).
Técnico: Dorival Junior



Santos não se arrisca, segura empate com Santa Fe e mantém ponta na Liberta

O Santos conseguiu o que se preparou para fazer. Com o regulamento embaixo do braço, o Peixe pouco se arriscou em Bogotá, segurou o empate em 0 a 0 contra o Santa Fe, na noite desta quarta-feira, no estádio El Campín, e segue na liderança do grupo 2 da Copa Libertadores.

Mesmo melhor tecnicamente, o time comandado por Dorival Júnior abdicou de jogar futebol na primeira etapa e tentou o gol apenas após o intervalo. Porém, a expulsão de Jean Mota, aos 35 minutos do segundo tempo, fez o alvinegro recuar mais uma vez, sofrer uma pressão no fim, mas conseguir sair com a igualdade da Colômbia.

Com o empate, o Peixe chegou aos 5 pontos e manteve-se na ponta de sua chave na competição continental. Já o Santa Fe, por sua vez, roubou a segunda colocação do The Strongest. As duas equipes estão com quatro pontos, mas o time colombiano vence no saldo de gols.

Na próxima rodada da Libertadores, Santos e Santa Fe voltam a se enfrentar. Desta vez, porém, o duelo terá mando do alvinegro e acontecerá no Pacaembu, no próximo dia 4 de maio, às 21h45 (de Brasília).

Eliminado do Campeonato Paulista, a equipe santista ficará 14 dias apenas treinando para o novo embate frente aos colombianos.

O jogo

O santista que acordou cedo para trabalhar e decidiu ficar acordado até tarde para assistir o Peixe na Colômbia, provavelmente não deve ter aguentado os primeiros 45 minutos. A partida até que começou dando esperanças em Bogotá, porém, as poucas oportunidades e a passividade dos dois times deixaram o duelo fraco e sonolento.

Os momentos iniciais foram de muito estudo. O Santa Fe tentava chegar no toque de bola, mas não conseguia incomodar a zaga santista. O Peixe, por sua vez, aguardava o time colombiano na defesa e apostava em lançamentos longos para a velocidade de Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.

Porém, os minutos foram passando, nenhuma das equipes se lançou ao ataque incisivamente e os goleiros Vanderlei e Castellanos apenas assistiram o embate de camarote. Isso mesmo! Os editores encarregados de separarem os ‘melhores momentos’ para os programas esportivos do dia seguinte, terão muita dificuldade para tirar algo de bom do primeiro tempo.

A partida foi tão sonolenta que o único chute do Santos na etapa inicial foi de Jean Mota. Porém, o santista pegou muito mal na bola e mandou quase para a lateral do estádio El Campín.

Os três primeiros minutos após o intervalo já superaram toda a etapa inicial. Logo de cara, Damir Ceter, que havia acabado de entrar, cabeceou dentro da área e parou nas mãos de Vanderlei. No lance seguinte, Lucas Lima rolou para Renato, que arriscou de longe. O chute do volante passou perto da trave direita e assustou Castellanos.

Já aos 16 minutos, o Peixe fez sua primeira jogada mais ‘ousada’ no jogo. Bruno Henrique avançou pela esquerda, deu lindo corte na marcação e tocou para Vitor Bueno. Dentro da área, o meia dominou e driblou o zagueiro, mas foi travado na hora do chute. Logo depois, Renato mandou mais uma de longe, mas errou o alvo novamente.

Apesar da pequena melhora, a partida seguia muito fraca em Bogotá. Sem qualidade técnica, o Sants Fe tentava chegar na base de ‘abafa’. Enquanto isso, o Santos continuava esperando a hora certa para tentar anotar o primeiro tento no duelo.

Aos 28 minutos, o alvinegro criou sua melhor oportunidade em toda a partida. Após bela troca de passes na entrada da área, Lucas Lima driblou a marcação no lado esquerdo e rolou para Victor Ferraz. O lateral bateu forte e acertou a trave. No rebote, Castellanos segurou e salvou o Santa Fe.

Justamente quando o Santos estava mais próximo de abrir o placar, o árbitro Fernando Rapallini entendeu que Jean Mota retardou o jogo ao se recusar a bater uma falta e expulsou o santista. Com um a menos, o técnico Dorival Júnior decidiu recuar de vez a equipe e colocou o volante Leandro Donizete na vaga de Vitor Bueno.

Aproveitando a superioridade numérica, o Santa Fe ‘acordou’ nos últimos 15 minutos e partiu pra cima do Peixe. Porém, os santistas conseguiram suportar a pressão e seguraram o 0 a 0 em Bogotá.

Bastidores – Santos TV:

Dorival valoriza empate e vê Santos anulando Santa Fe em ‘grande jogo’

O Santos chegou em Bogotá, na Colômbia, disposto a não perder para o Santa Fe, nesta quarta-feira, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. Abdicando do ataque no primeiro tempo, o Peixe apenas segurou a equipe colombiana e só arriscou algumas jogadas após o intervalo. A estratégia surtiu efeito e o alvinegro saiu do estádio EL Campín com um empate em 0 a 0 na bagagem.

O técnico Dorival Júnior, por sua vez, demonstrou satisfação com o resultado. O comandante, inclusive, vibrou com o fato do alvinegro ter conseguido ‘anular’ o ataque do time colombiano.

“Foi um grande jogo, muito disputado. Tivemos a proposta de fechar os setores de criação do Santa Fe. Qualquer resultado que se deixe de fazer pode oferecer uma posição inversa (na tabela). Faremos dois jogos em casa e um fora, e eu computo esse ponto como importantíssimo. Não fomos tecnicamente brilhantes, mas foi um jogo disputado, com muita garra. Foi um jogo com características de Libertadores, fugindo das características do Santos, que procura trabalhar mais a bola. Temos que dar valor ao ponto conquistando, buscando classificação em chave difícil, com grandes equipes e jogos complicados”, explicou Dorival em entrevista coletiva após o embate desta quarta.

Oliveira vê ‘ponto importante’ e nega briga com Dorival: “Não terá bronca”

Aos 24 minutos do segundo tempo da partida entre Santos e Santa Fe, nesta quarta-feira, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores, subiu a placa no estádio El Campín, em Bogotá, na Colômbia, anunciando a saída de Ricardo Oliveira para a entrada de Copete. Ao ver que seria substituído, o centroavante demonstrou insatisfação e saiu de campo irritado, tanto que chegou a chutar um copo d’água no banco de reservas.

Com a cabeça fria após o apito final, porém, o camisa 9 admitiu que não queria sair de campo, mas negou qualquer problema com o técnico Dorival Júnior.

“Tem hora que a gente sente que pode aportar. Não queria sair, mas é normal. Tem horas que você está mal no jogo, mas tem outras que você acredita que pode dar mais. Mas existe sempre o respeito ao Dorival. Faz parte do jogo, só queria permanecer para ajudar. Não vai ter bronca. Super de boa. Eu nunca fiz isso. Era só a ânsia de querer ficar em campo, mas não foi desrespeito com o treinador e com quem entrou”, explicou Oliveira na saída do gramado em Bogotá.

Mesmo com a saída do camisa 9 e a entrada de Copete, o Santos não conseguiu marcar no estádio El Campín e ainda sofreu uma pressão do Santa Fe nos últimos minutos da partida, após a expulsão de Jean Mota. Para Oliveira, o Peixe até poderia ter saído com a vitória. Porém, levando em consideração as circunstâncias do jogo, o centroavante ficou satisfeito com a igualdade.

“Acho que sim (empate importante). Foi um jogo muito disputado, como havíamos previsto. Conseguimos em alguns momentos ter oportunidades de gol, mas precisamos valorizar esse ponto e a dedicação de todo o grupo”, concluiu o atacante santista.

Locutor do El Campín ‘mata’ Ricardo Oliveira antes de jogo em Bogotá

Uma cena inusitada aconteceu nos momentos que antecederam o duelo entre Santos e Independiente Santa Fe, nesta quarta-feira, em Bogotá, na Colômbia, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. Enquanto Ricardo Oliveira estava perfilado, apenas esperando o início do jogo, ouviu o locutor do estádio El Campín anunciar sua morte.

A gafe aconteceu por conta de uma confusão do funcionário do estádio. Antes da bola rolar, a diretoria do Peixe entrou em contato com os colombianos e pediu que fosse feito um minuto de silêncio em homenagem a Kaneco, ex-jogador do alvinegro, que faleceu na última terça-feira, aos 70 anos, vítima de um câncer.

O locutor, porém, deve ter se confundido na hora de ler o nome dos santistas e acabou anunciando a homenagem para a morte de Ricardo Oliveira. No momento, o centroavante do Peixe não prestou muita atenção no anúncio e continuou o aquecimento para a partida.