Gols e melhores momentos

Paysandu 1 x 3 Santos

Data: 10/05/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio do Mangueirão, em Belém, no Pará.
Público: 13.548
Renda: R$ 251.370,00
Árbitro: Andre Luiz de Freitas Castro
Auxiliares: Cristhian Passos Sorence e Leone Carvalho Rocha
Cartões amarelos: Cleber Reis (S).
Gols: Bruno Henrique (26-1); Diogo Oliveira (03-2), Bruno Henrique (15-2) e Kayke (33-2).

PAYSANDU
Emerson; Ayrton, Gilvan, Perema e Hayner; Augusto Recife, Wesley (Alfredo), Rodrigo Andrade e Diogo Oliveira; Leandro Carvalho e Bérgson (Wil).
Técnico: Marcelo Chamusca

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Cleber Reis e Jean Mota; Renato (Leandro Donizete), Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno, Bruno Henrique (Thiago Ribeiro) e Ricardo Oliveira (Kayke).
Técnico: Dorival Junior



Santos ‘mata’ Paysandu no início e avança na Copa do Brasil

O Santos vê em Ricardo Oliveira sua grande fonte de gols desde 2015. O centroavante, porém, foi discreto e passou em branco na noite desta quarta-feira, no duelo contra o Paysandu. Coube aos outros atacantes da equipe brilharem e garantirem a vitória por 3 a 1, no estádio do Mangueirão, em Belém, no Pará, fazendo o Peixe avançar com facilidade para as quartas de final da Copa do Brasil. Bruno Henrique, com dois gols, e Vitor Bueno, com duas assistências, foram os grandes destaques. Na reta final, ainda sobrou tempo para Kayke, substituto do camisa 9, decretar o triunfo santista.

Com a classificação, o Santos agora vai ter um ‘descanso’ da Copa do Brasil. A equipe comandada por Dorival Júnior assistirá de camarote a definição dos outros confrontos das oitavas de final e só voltará a se preocupar com a competição no início de junho, quando acontece o sorteio das quartas.

Apesar disso, o Peixe segue uma maratona durante esta semana. Após o duelo contra o Papão em Belém, o alvinegro terá pela frente o Fluminense, no próximo domingo, às 11h (de Brasília), no Rio de Janeiro, na estreia do Campeonato Brasileiro. Três dias depois, os santistas viajam até La Paz, onde encaram o The Strongest, pela quinta rodada da fase de grupos da Libertadores.

O jogo

Jogando com a vantagem debaixo do braço, o Santos começou o primeiro tempo esperando o Paysandu. Podendo perder por até um gol de diferença, o Peixe não arriscou nos minutos iniciais e apenas esperava o momento certo para dar o ‘bote’.

O Papão, por sua vez, apostava na velocidade para chegar na defesa santista e tentar igualar o placar agregado do duelo. A primeira boa oportunidade surgiu aos 15 minutos, quando Diogo Oliveira entortou Lucas Veríssimo e bateu forte, obrigando Vanderlei a fazer bela defesa.

Dez minutos depois, foi a vez de Cleber ser entortado por Wesley. Mas após passar pelo defensor, o volante bicolor não conseguiu vencer o arqueiro do Peixe, que foi buscar no cantinho e salvou a equipe comandada por Dorival Júnior mais uma vez.

E aquela famosa frase “quem não faz, toma” deu o ar da graça no Mangueirão. Depois de desperdiçar as duas ótimas oportunidades, o Paysandu viu o Santos abrir o placar aos 26 minutos. Lucas Lima dominou a bola no meio de campo e fez lançamento primoroso para Vitor Bueno. O camisa 7 tocou de primeira para Bruno Henrique. Livre dentro da área, o atacante apenas empurrou para o fundo das redes e ampliou a vantagem do alvinegro.

Com o tento santista, o Papão deu uma ‘murchada’ no jogo, afinal, a equipe de Belém agora precisava de quatro gols para avançar. Com isso, o Peixe controlou os últimos minutos da primeira etapa com facilidade.

Precisando de um ‘milagre’ para avançar, o Paysandu voltou de forma arrasadora após o intervalo. Logo aos 3 minutos, Rodrigo Andrade avançou com tranquilidade pelo lado direito e cruzou para Diogo Oliveira pegar de primeira e deixar tudo igual no Mangueirão.

O gol logo no início deixou o duelo aberto em Belém. Ainda necessitante de mais três tentos para ficar com a vaga na quartas de final, o Papão seguiu em cima do Santos. Por conta disso, a equipe comandada por Marcelo Chamusca deixava a defesa aberta para o Peixe chegar nos contra-ataques.

E foi justamente em uma jogada de velocidade que o alvinegro matou de vez o confronto. Aos 15 minutos, a dupla Vitor Bueno e Bruno Henrique funcionou mais uma vez. O camisa 7 driblou Hayner com facilidade no lado esquerdo e rolou para o atacante, que teve tempo de dominar e escolher o canto para colocar a equipe santista novamente em vantagem.

Com a classificação praticamente definida, já que o Paysandu precisaria fazer quatro gols para avançar, o técnico Dorival Júnior pensou na maratona de jogos e sacou Ricardo Oliveira, Renato e Bruno Henrique do time. Kayke, Leandro Donizete e Thiago Ribeiro entraram na reta final do confronto.

O Papão, por sua vez, viu que não conseguiria mais operar o ‘milagre’ e diminuiu completamente o ritmo. Tanto que ainda sobrou tempo para o Santos ampliar o marcador. Aos 33 minutos, Jean Mota deu lindo cruzamento da esquerda para Kayke. O atacante chutou de primeira para fazer 3 a 1 e definir de vez a classificação santista.

Bastidores – Santos TV:

Bruno Henrique vibra com ‘parceria’ de Bueno: “Treinamos essa jogada”

O Santos novamente teve Bruno Henrique como seu principal destaque. Contra o Paysandu, na noite desta quarta-feira, o atacante marcou duas vezes e foi decisivo na vitória do Peixe por 3 a 1, no Mangueirão, em Belém, no Pará, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

Desta vez, porém, Bruno Henrique não foi a ‘estrela solitária’ do alvinegro. Isso porque Vitor Bueno superou a má fase e foi fundamental no triunfo sobre o Papão, que garantiu a equipe santista nas quartas do torneio mata-mata. Com duas assistências, o camisa 7 foi muito elogiado pelo artilheiro da partida.

“Agradeço ao Bueno pelos dois passes. O professor (Dorival) sempre frisa e nós treinamos muito essa jogada, com a bola atravessada. E recebi outro bom passe do Vitor no segundo gol. Pude ser feliz no lance. Fico feliz pelos dois gols. Quando a gente estava vindo para o estádio, minha esposa disse que eu faria um gol. Pude fazer dois e dedico à ela”, comemorou Bruno Henrique na saída do gramado.

Com a classificação, o Santos agora vai ter um ‘descanso’ da Copa do Brasil. A equipe comandada por Dorival Júnior assistirá de camarote a definição dos outros confrontos das oitavas de final e só voltará a se preocupar com a competição no início de junho, quando acontece o sorteio das quartas.

Dorival elogia tranquilidade do Santos e critica gramado do Mangueirão

O Santos passou com facilidade pelo Paysandu, na noite desta quarta-feira, no Mangueirão, em Belém, no Pará, e avançou sem grandes problemas para as quartas de final da Copa do Brasil. Com a vantagem de ter vencido por 2 a 0 no duelo de ida, o Peixe conseguiu suportar a pressão do Papão no início e praticamente ‘matou’ o confronto aos 26 minutos do primeiro tempo, com o gol de Bruno Henrique.

Após o intervalo, o alvinegro viu o time bicolor empatar a partida. Porém, segundo o técnico Dorival Júnior, seus comandados souberam administrar o jogo com tranquilidade mesmo após sofrer o gol.

“Destaco o crescimento da equipe. Principalmente porque tivemos dois jogos distintos. Lá em Santos tivemos de propor a partida. As penetrações foram poucas, mas nós conseguimos administrar a partida e fazer um resultado importante. Aqui, trabalhamos com a marcação mais adiantada deles, esperando. Tivemos tranquilidade para trabalhar a bola, conseguimos triangulações. Foi um resultado fundamental. Até nos encontrarmos, o Vanderlei foi muito feliz. O Paysandu se aproveitou da nossa ansiedade. Era uma armadilha preparada. A partir do momento que conseguimos sair para o jogo, trabalhar mais a bola, conseguimos furar a primeira linha de marcação”, destacou Dorival Júnior, em entrevista coletiva logo após o duelo no Mangueirão.

O gramado do estádio de Belém, inclusive, foi alvo de críticas do comandante santista. “Acho que os jogadores souberam administrar as dificuldades de um gramado ruim, horrível para se jogar. Procuramos trabalhar a bola e conseguimos fazer com condições. Conseguimos penetrações para que as triangulações acontecessem pelos lados”, concluiu o treinador.

Artilheiro, Bruno Henrique é elogiado por Dorival: “Pode crescer”

Contratação mais cara da gestão Modesto Roma, Bruno Henrique vem justificando os R$ 14 milhões pagos pelo Santos ao Wolfsburg, da Alemanha. Após um começo de temporada discreto, o atacante assumiu o posto de protagonista e assumiu a artilharia da equipe comandada por Dorival Júnior, com seis gols marcados.

Na noite da última quarta-feira, no Mangueirão, Bruno Henrique brilhou mais uma vez, anotou dois tentos e foi fundamental para o triunfo santista por 3 a 1 sobre o Paysandu, que garantiu a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil.

Após a boa atuação, o camisa 27 foi elogiado pelo técnico Dorival Júnior. O comandante, porém, acredita que o atacante pode render ainda mais com a camisa do Peixe.

“Ele não vinha atuando com sequência lá fora e até readquirir o ritmo demora um pouco. É um grande jogador, ainda tem muito pra evoluir e amadurecer. Se ele mantiver o interesse, o crescimento será gradativo ao longo do ano e que tenhamos em 2018 um jogador mais completo, maduro e em condições de fazer grandes jogos no nível que possa manter”, comentou o técnico.

Após gentilezas, Santos estuda troca de atletas com o Paysandu

O clima de cordialidade entre Santos e Paysandu não acabou com a classificação da equipe paulista às quartas de final da Copa do Brasil. Após as gentilezas que marcaram o confronto, os clubes estudam trocar jogadores para a sequência da temporada.

“O Marcelo (Chamusca, treinador do Paysandu) me conhece. Estamos à disposição. Caso precise de um ou outro atleta que o Santos possa disponibilizar, não tenho dúvidas de que acontecerá”, avisou Dorival Júnior, técnico santista.

O comandante do Santos chegou ainda a destacar os jogadores do Paysandu que conseguiram aproveitar as derrotas por 2 a 0, na Vila Belmiro, e por 3 a 1, Mangueirão, como vitrine.

“O volante (Rodrigo Andrade) me chamou a atenção. É muito bom jogador esse menino de 20 anos. O atacante que jogou pelo lado direito (Leandro Carvalho) também é um jogador de potencial. E o Bergson, que vive outro momento na carreira. O Paysandu tem um grande time. Com certeza, veremos brigando com uma possibilidade real de subida”, elogiou Dorival, referindo-se ao fato de o clube paraense estar na Série B do Campeonato Brasileiro.

Para reforçar o Paysandu, o Santos poderia ceder o goleiro Gabriel Gasparotto, o volante Alison e o atacante Lucas Crispim, que retornaram de empréstimos e não deverão ter espaço no time da Vila Belmiro. O meia Serginho, que também seria cotado a fazer parte da parceria com o Paysandu, já acertou com o Figueirense, enquanto o volante Fernando Medeiros está próximo do Vila Nova.

Santos e Paysandu estreitaram os laços mesmo na condição de adversários na Copa do Brasil. O time paulista abriu as portas do CT Rei Pelé para treinar ao lado do paraense no jogo de ida e foi muito bem recepcionado na partida de volta.

“Gostaria de fazer um agradecimento especial à diretoria do Paysandu e à torcida, que nos recebeu muito bem em Belém. O futebol é isso. Temos que ressaltar esse lado. É uma satisfação poder viver um momento como esse”, discursou Dorival Júnior.