O ex-técnico do Santos Joãozinho, que estava há dez meses no cargo, afirmou que sai do Santos “por motivos pessoais”. Mas não deixou de demonstrar descontentamento com o clube, que não contratou os reforços para o Campeonato Brasileiro que o técnico pediu.

“Decidi não queimar meu trabalho e sair antes que o profissional Joãozinho fosse queimado”, afirmou ontem.

Na última semana, antes da derrota para o Vasco, por 5 a 3, na Vila Belmiro, Joãozinho já dava demonstrações de seu desânimo.
Pedia, sem sucesso, a contratação de um zagueiro central, um atacante e um lateral.

Agência Folha – Quais foram os motivos que o levaram a deixar o comando do Santos?
Joãozinho – A gente sabe que o futebol depende de resultados, mas os torcedores e uma parte da imprensa esqueceram de todo o trabalho que eu vinha realizando e fizeram uma avaliação em cima de um último resultado.
Acho que a cobrança não pode ser direcionada a mim. Por isso decidi não queimar meu trabalho e sair antes que o profissional Joãozinho fosse queimado.

Agência Folha – Como você avalia o seu trabalho durante esses dez meses frente à equipe principal do Santos?
Joãozinho – Acho que fiz um grande trabalho. Se não chegamos na condição de oferecer ao torcedor um título, uma conquista, não foi por falta de esforço.
Acho que nossa campanha no Paulista foi muito boa, mas, infelizmente, começamos mal o Brasileiro.