Atlético-GO 1 x 1 Santos

Data: 01/07/2017, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio Olímpico Pedro Ludovico, em Goiânia, GO.
Público: 5.898 pagantes
Renda: R$ 97.145,00
Árbitro: Claudio Francisco Lima e Silva (SE)
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Fabio Pereira (TO).
Cartões amarelos: Jorginho, Marcão Silva e Bruno Pacheco (A); Thiago Maia (S).
Cartão vermelho: Jorginho (A).
Gols: Andrigo (12-1) e Thiago Maia (23-2).

ATLÉTICO-GO
Felipe; Eduardo (Jonathan), Marcão, Roger Carvalho e Bruno Pacheco; Marcão Silva, Andrigo (Abuda), Luiz Fernando, Jorginho e Breno Lopes (Diego Rosa); Everaldo.
Técnico: Doriva

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Noguera (Thiago Ribeiro), David Braz e Caju; Yuri, Alison (Thiago Maia) e Vitor Bueno (Lucas Lima); Vladimir Hernández, Arthur Gomes e Kayke.
Técnico: Levir Culpi



Mistão do Santos ‘acorda’ no 2º tempo e empata com lanterna Atlético-GO

O torcedor do Santos acompanhou dois times diferentes neste sábado. O primeiro, que iniciou o jogo contra o Atlético-GO, no estádio Olímpico, em Goiânia, foi apático, mal tecnicamente e facilmente dominado pelo Dragão, que abriu o placar com Andrigo. Já a outra equipe, beneficiada com a expulsão de Jorginho logo na volta do intervalo, mostrou força para pressionar o adversário durante toda a segunda etapa e buscar o empate em 1 a 1 com Thiago Maia, em duelo válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O empate foi ruim para os dois clubes. Com 17 pontos, o alvinegro subiu para a quarta colocação, mas pode ser ultrapassado por até seis times. Já o Atlético-GO, por sua vez, segue na lanterna do Brasileirão, com apenas sete pontos.

O jogo

O jogo começou bastante trucado em Goiânia. Com apenas três titulares, o Santos mostrava muito desentrosamento e errava diversos passes. Já o Atlético-GO, por sua vez, seguia com a pouca qualidade técnica apresentada nos últimos jogos e repetia os erros do Peixe.

Porém, a partida saiu da chatice após um erro coletivo da zaga santista. Aos 11 minutos, Caju perdeu a bola para o adversário, Noguera não acompanhou a sequência da jogada e Vanderlei acabou derrubando Breno Lopes dentro da área. Pênalti para o Dragão.

Na cobrança, o goleiro santista se redimiu e defendeu o chute de Everaldo. No rebote, porém, a zaga alvinegra não acompanhou Andrigo, que chegou em velocidade e empurrou para o fundo das redes, abrindo o placar no estádio Olímpico.

O tento animou os atleticanos. Aos 16 minutos, Luiz Fernando cobrou falta direto para o gol e Vanderlei se esticou todo para salvar o Peixe.

Mesmo com a vantagem no marcador, o Dragão seguiu apertando o Santos, que ficou acuado, sofreu com a pressão e não assustou o goleiro Felipe.

Além da derrota parcial no placar, o técnico Levir Culpi também perdeu Vitor Bueno. Aos 29 minutos, o camisa 7 caiu no gramado após choque com Marcão Silva. Por conta disso, o meia Lucas Lima, que estava sendo poupado, precisou entrar em campo.

O camisa 10, porém, pouco acrescentou na reta final do primeiro tempo. O Peixe seguiu jogando mal e só não foi para o intervalo com uma desvantagem maior porque a pontaria dos atleticanos estava ruim.

Precisando da virada para voltar ao G4 do Brasileirão, o técnico Levir Culpi voltou para a segunda etapa com Thiago Maia na vaga de Alison. Porém, que ajudou mesmo o Santos foi Jorginho, do Atlético-GO.

O meia, que já tinha amarelo, deu uma entrada dura em Vladimir Hernández e acabou expulso pelo árbitro Claudio Francisco Lima e Silva.

Com a vantagem numérica dentro de campo, o Peixe cresceu no jogo. O problema é que mesmo com a posse de bola, a equipe santista não conseguia chegar com qualidade ao gol de Felipe.

Porém, aos 23 minutos, o Dragão repetiu o Santos e sofreu o empate após falha coletiva da defesa. Abuda saiu jogando errado e perdeu a bola. Na sequência, Lucas Lima tocou para Thiago Maia. O volante mandou uma bomba de fora da área e contou com a ‘ajuda’ do goleiro Felipe para empatar a partida.

O empate animou os santistas. Com um homem a mais no gramado, o alvinegro se lançou ao ataque em busca da vitória. Os últimos minutos do jogo marcaram uma pressão tremenda do Santos em cima do acuado Atlético-GO.