Goleiros:
Zetti
Marcelo
Fernando Leão
Nando


Laterais:
Ânderson Lima
Athirson
Baiano
Gustavo Nery
Rogério Seves


Zagueiros:
Argel
Sandro
Jean
Daniel


Volantes:
Claudiomiro
Narciso
Élder
Marcos Bazílio
Bechara


Meias:
Jorginho
Lúcio
Eduardo Marques
Fernandes
Róbson Luis
Messias
Maezono


Atacantes:
Alessandro
Viola
Adiel
Aristizábal


Técnico:
Emerson Leão



Santos Futebol Clube

– Presidente: Samir Jorge Abdul-Hak (1998-1999)
– Patrocínio: Unicór
– Fornecedor: Umbro

Elenco:

G – Armelindo Donizetti Quagliato (Zetti)
G – Marcelo Martelotte
G – Fernando Garcia Moreno Leão
G – Antônio Fernando Remiro Barroso (Nando)

LD – Ânderson Lima Veiga
LE – Athirson Mazolli de Oliveira
LD/V – Demirval de Almeida Lima (Baiano)
LE – Gustavo Nery de Sá da Silva
LE – Rogério dos Santos Seves

Z – Argel Fucks
Z – Sandro Barbosa Carneiro da Cunha
Z – Jean Carlo Witte
Z – Daniel da Silva

V,Z – Claudiomiro Salenave Santiago
V,Z – Narciso dos Santos
V – Élder Alencar Machado de Campos
V – Marcos Roberto Pereira Bazílio
V – Bechara Jalkh Leonardo Oliveira

MD – Jorge Luís da Silva (Jorginho)
ME – Lucenilde Pereira da Silva (Lúcio)
MD – Eduardo Marques de Jesus Passos
M – Rodrigo Fernandes Valente
M – Róbson Luís Nascimento Oliveira
M – Adailton Pereira dos Santos (Messias)
MA – Masakiyo Maezono

AD – Alessandro Andrade de Oliveira
CA – Paulo Sérgio Rosa (Viola)
AE – Adiel de Oliveira Amorim
A – Víctor Hugo Aristizábal Posada

T – Émerson Leão



Quem chegou: Athirson (LE, Flamengo), Claudiomiro (V, Coritiba), Lúcio (M, Flamengo), Fernandes (M, Corinthians-PP), Messias (M, Madureira-RJ), Maezono (MA, Verdy Kawasaki-JAP), Alessandro (A, Jubilo Iwata-JAP), Viola (CA, Palmeiras) e Róbson Luis (A, Bahia).

Quem saiu: Edinho (G, Ponte Preta), Michel (LD, Portuguesa Santista), Rogério Seves (LE, Figueirense), Dutra (LE, América-MG), Ronaldão (Z, Coritiba), Ronaldo Marconato (Z, América-RN), Daniel (Z, Verdy Kawasaki-JAP), Marcos Assunção (V, Flamengo), Alexandre (M, Portuguesa), Caíco (M, Atlético-PR), Arinélson (M, Flamengo), Caio (A, Flamengo), Müller (A, Cruzeiro), Macedo (A, Coritiba), Fernando Fumagalli (A, Tokyo Verdy-JAP)

Time-base: Zetti; Ânderson Lima, Argel, Sandro e Athirson; Claudiomiro, Narciso, Jorginho e Lúcio; Alessandro e Viola.



Histórico:

Santos repete a velha fórmula de mesclar jogadores experientes e jovens promessa

Ser campeão brasileiro é, uma vez mais, o principal objetivo do Santos. Muita pretensão? Quem olha para o elenco, fiel à mesma política do “bom e barato” dos últimos anos, pode achar que sim. Mas um estudo atento das campanhas de todos clubes em Brasileiros desde 1990 pode dar razão para tanto otimismo. Em termos de aproveitamento na década, o Peixe só perde para o Palmeiras, com 249 pontos ganhos contra 295. Está na frente de muita gente boa, incluindo, pela ordem, São Paulo, Corinthians, Atlético-MG, Portuguesa e até o Vasco, atual campeão nacional. Quem sabe não chegou a hora de a receita dar resultado?

Para isso, o time do técnico Leão contará com a experiência de alguns jogadores como Zetti, Jorginho e Viola, e com a habilidade de jovens promessas como Adiel, Lúcio e Athirson. O treinador também aposta nos jogos realizados no alçapão da Vila Belmiro, onde o time costuma ir muito bem.

A base é quase a mesma do primeiro semestre deste ano, que foi mal no Torneio Rio-São Paulo, no Paulistão e caiu nas semifinais da Copa do Brasil. por isso, a ordem do linha-dura Leão é suar bastante a camisa.

No lugar do ex-titular absoluto Müller, que foi para o Cruzeiro, entra o garoto Adiel, de 17 anos, campeão mundial juvenil pela Seleção Brasileira. Ele formará uma nova dupla de ataque com o extrovertido centroavante Viola.

Como grande parte dos santistas, Viola está otimista. “O Santos luta em condições iguais com qualquer time. Claro que dá para acreditar no título, diz o camisa 9 do Peixe.

Para este campeonato, não investiu em jogadores de nível técnico comprovado. Trouxe apenas o meia-esquerda Fernandes, por empréstimo e com o passe fixado em US$ 500 mil.

O técnico Emerson Leão, conhecido por tentar implantar “esquemas táticos de resultados”, acredita na força de sua equipe, mas não a considera favorita.

“Leva vantagem quem investiu em reforços, quem tem suporte financeiro do patrocinador. Quem não tem isso, tem de acreditar nos jovens, ter simplicidade e conjunto. É o nosso caso”, disse Leão.

Na análise do treinador, o Santos precisa conquistar 70% dos pontos que estarão em disputa para obter a vaga para a segunda fase.
“O Santos é um clube grande, precisa de 70% dos pontos. Se superando essa meta, excelente. Caso contrário, que a queda seja mínima, nada preocupante.”

A meta é obter de 90% a 95% dos pontos disputados em casa e, no mínimo, 50% dos que terá que disputar fora de seus domínios.
“Somando-se os percentuais e dividindo por dois, atingiremos a média dos 70%”, ressalta o treinador, que deu o recado aos jogadores, pedindo muita luta já na partida de hoje.

“Temos de dar importância a esses jogos em que ninguém acredita. A possibilidade de correr por fora é boa. Quando se derem conta, estaremos perto da classificação”, comentou.

Curiosidades:

– O meia Messias ficou por pouco tempo, foi emprestado pelo Madureira-RJ por indicação de Roberto Dinamite. Jogou a Copa do Mundo de 2002 pela Tunísia.