Vasco 0 x 0 Santos

Data: 16/07/2017, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, RJ.
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA).
Público: portões fechados
Auxiliares: Helcio Araújo Neves e José Ricardo Guimarães Coimbra (ambos do PA).
Cartões amarelos: Rafael Marques, Wellingtone e Thalles (V); Leandro Donizete, Bruno Henrique e Daniel Guedes (S).
Cartão vermelho: Daniel Guedes (S).

VASCO
Martín Silva; Madson, Paulão, Rafael Marques e Ramon; Jean, Wellington (Bruno Paulista), Yago Pikachu (Guilherme Costa), Wagner e Nenê (Paulo Vitor); Thalles.
Técnico: Milton Mendes

SANTOS
João Paulo; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Leandro Donizete (Alison), Yuri e Lucas Lima; Copete (Matheus Ribeiro), Bruno Henrique e Kayke (Vecchio).
Técnico: Levir Culpi



Sem torcida e com pouco futebol, Vasco e Santos não saem do zero

Quem comeu um belo almoço com a família neste domingo e decidiu assistir Vasco e Santos logo na sequência, fatalmente deve ter tirado alguns cochilos. Com o Engenhão vaziou após uma punição do STJD, Peixe e Cruz-Maltino judiaram da bola, principalmente no primeiro tempo, e não saíram do 0 a 0, em confronto válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Assim como o jogo, o empate foi ruim para as duas equipes. O Alvinegro Praiano chegou 24 pontos, seguiu na terceira colocação, mas não diminuiu a diferença para o líder Corinthians, que ficou no 2 a 2 com o Atlético-PR no último sábado e parou com 36. Já o Cruz-Maltino terminou com 20 pontos e não conseguiu encostar nas primeiras posições do torneio.

O jogo:

Atuar com estádio completamente vazio já é uma coisa que desanima os participantes de uma partida de futebol. Nitidamente influenciados pela ausência dos torcedores, Vasco e Santos fizeram um primeiro tempo sofrível no Engenhão.

O início de jogo foi tão fraco que a primeira oportunidade boa só aconteceu aos 15 minutos, quando Nenê cruzou na cabeça de Rafael Marques, que mandou por cima do gol do jovem João Paulo.

Porém, a chance perdida não ‘acordou’ nenhum dos times e o embate seguiu com pouca emoção. O Peixe, por sua vez, só assustou Martín Silva aos 28 minutos. Após belo lançamento de Lucas Lima, Kayke invadiu a área, mas chutou fraquinho e Paulão afastou com facilidade.

Já aos 36 minutos, Yago Pikachu cobrou a falta com categoria e a bola passou rente ao travessão, assustando os santistas e acabando com a fraquíssimo primeiro tempo no Nilton Santos.

Após o intervalo, o Vasco finalmente despertou e passou a pressionar um acuado Peixe. Logo aos cinco minutos, Nenê cruzou muito bem e Thalles cabeceou firme, porém, a redonda passou ao lado do gol de João Paulo e não entrou.

A pressão vascaína aumentou no decorrer da segunda etapa, ainda mais após a expulsão infantil de Daniel Guedes, aos 38 minutos do segundo tempo. Porém, o Cruz-Maltino não conseguiu furar a retranca santista e a partida terminou mesmo em um 0 a 0 horrível.

Levir lamenta ‘jogo sem graça’ e teme saída de mais jogadores do Santos

A venda de Thiago Maia ao Lille, da França, por R$ 51 milhões de reais, abalou o ambiente do Santos no último sábado. Após a transferência, o volante nem viajou com a delegação e ficou fora do empate em 0 a 0 contra o Vasco, neste domingo, no Engenhão, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Após a igualdade com o time carioca, o técnico Levir Culpi afirmou que o Peixe tem condições de repor a saída do jovem de 20 anos, mas não descartou a possibilidade de perder mais jogadores para o futebol europeu.

“Não existe essa promessa (de não vender mais ninguém). Acho difícil alguém prometer. Chega o mercado europeu, com dinheiro… Se coloca no lugar do atleta, do clube e um dinheiro tão grande. Quase todos os clubes estão com problemas financeiras. Às vezes a venda equilibra. O Santos tem um elenco que pode se refazer com a venda de um ou outro jogador. É claro que se alguém vier pegar um jogador, que venha com dinheiro”, disse Levir Culpi em entrevista coletiva.

Já sobre o duelo contra o Cruz-Maltino, o comandante santista lamentou o fato do Engenhão estar fechado para a torcida após punição do STJD e também criticou a atuação dos dois times.

“Há muito tempo não participava de um jogo tão sem graça. Espero que as leis sejam cumpridas. Está difícil controlar as coisas. Quem errou tem que pagar. Mas o jogo hoje não teve graça nenhuma. O bom que nem a torcida do Vasco e nem a do Santos me xingou”, brincou o treinador.

Braz critica jogo do Santos sem torcida no Engenhão: “Uma várzea”

Atuar em um estádio completamente vazio é uma coisa que desanima os participantes de uma partida de futebol. Apesar do discurso inicial de que ‘não faz diferença’, os jogadores de Vasco e Santos sentiram bastante a ausência da torcida e fizeram um jogo sofrível no Engenhão, que fatalmente acabou empatado em 0 a 0 e não foi bom para nenhuma das equipes.

O zagueiro David Braz, que costuma ‘puxar’ a torcida do Peixe nas partidas disputadas na Vila Belmiro, lamentou o fato do estádio carioca estar completamente vazio e pediu um outro tipo de punição aos clubes.

“Isso é uma várzea. O que fizeram aqui (fechar os portões) estragou o espetáculo. Tem que dar outra multa.”, esbravejou o camisa 14 na saída do gramado.

A partida aconteceu sem a presença de torcedores após o clube carioca ser punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pela briga ocorrida no clássico contra o Flamengo, em São Januário.