Santos 2 x 0 Portuguesa

Data: 08/11/2000, quarta-feira, 21h40.
Competição: Copa João Havelange (Campeonato Brasileiro) – Módulo Azul – 1ª Fase – 21ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.793 pagantes
Renda: R$ 31.130,00
Árbitro: Alfredo Loebeling
Gols: Claudiomiro (03-1) e Dodô (21-2).

SANTOS
Carlos Germano; Michel, Preto, Claudiomiro e Leo; Anderson Luiz, Rincón, Valdo (Renato) e Robert; Edmundo e Dodô (Júlio Cesar).
Técnico: Carlos Alberto Parreira

PORTUGUESA
Roger; Julio Cesar, Vinicius, Tinho e Edilson (Evandro); Simão, Elson, Marquinhos e Irênio (Sandro); Lucio e Edson (Ricardo Oliveira). Técnico: Lula Pereira



Santos vence a Lusa e se mantém na disputa por vaga na 2ª fase

Com uma vitória de 2 a 0 sobre a Lusa na Vila Belmiro, o Santos conseguiu manter a esperança de conquistar uma das 12 vagas para a fase seguinte da Copa João Havelange.

Agora, a equipe necessita ganhar os próximos três jogos que tem a disputar -Sport e Botafogo, na Vila, e Guarani, em Campinas.

Com o resultado, o time interrompeu um jejum de sete partidas sem vitória. A última havia ocorrido em 20 de setembro (2 a 1 sobre o Atlético-PR em casa).

Pelas contas do técnico Lula Pereira, a Lusa ainda mantém chances de classificação. Antes da partida, o treinador previa que seu time necessitaria ganhar seis dos nove pontos que tinha a disputar. De acordo com esse raciocínio, terá, necessariamente, de vencer Coritiba, no Paraná, e Atlético-PR, em São Paulo.

O Santos abriu o placar logo no primeiro lance de ataque do jogo. Em cobrança de falta da esquerda, aos 3min, Robert levantou na área. A bola sobrou para Edmundo, que cruzou na direção de Claudiomiro. Junto à trave direita, o zagueiro concluiu de cabeça.

Depois do gol, o jogo esteve restrito, durante a maior parte da primeira etapa, ao espaço entre as intermediárias, apesar do predomínio do Santos, que mantinha a posse de bola por mais tempo.

Como as duas defesas levavam vantagem sobre os ataques, as equipes ficavam limitadas aos arremates de longa distância. Nas poucas tentativas de penetração da Lusa, os meias erravam os passes que poderiam colocar os companheiros de ataque em situação favorável para marcar.

Posicionados diante da zaga, os volantes santistas Anderson e Rincón destruíam a maioria das articulações ofensivas da Lusa.

O ataque santista, por sua vez, era prejudicado pela retenção excessiva de bola de Edmundo e pela marcação exercida sobre Dodô, que só conseguia aparecer na partida quando voltava para buscar jogo no meio do campo.

A Lusa voltou do intervalo tentando pressionar o adversário no campo de defesa. A primeira jogada de perigo, porém, foi do Santos.

Aos 9min, após cobrança de escanteio, a bola chegou à cabeça de Edmundo, que concluiu para fora, perto da trave esquerda.

Após esse lance, o Santos voltou a equilibrar as ações, embora a Lusa quase tenha empatado aos 12min, quando o zagueiro Tinho chegou atrasado para concluir um cruzamento.

O segundo gol santista nasceu aos 21min, em jogada individual do meia Robert, que três minutos antes já havia criado outra oportunidade, ao chutar em cima do goleiro Roger.

Antes do gol, o meia santista aplicou um chapéu em um zagueiro da Lusa e finalizou no travessão. Na sequência, a bola sobrou para Rincón. O volante colocou na área, e Dodô marcou após falha da zaga.

Aos 38min, quando deixou o campo ao ser substituído por Júlio César, Dodô voltou a ouvir aplausos da torcida, depois de uma longa temporada de vaias em jogos na Vila.