Palmeiras 2 x 1 Santos

Data: 04/02/2018, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 5ª rodada
Local: Allianz Parque, em São Paulo, SP.
Público: 37.867 pagantes
Renda: R$ 2.821.680,24
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP).
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Daniel Luis Marques (SP).
Cartões amarelos: Lucas Lima, Tchê Tchê, Felipe Melo e Victor Luis (P); Caju, Arthur Gomes, Alison e Copete (S).
Gols: Antônio Carlos (02-1), Borja (04-2) e Renato (17-2).

PALMEIRAS
Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo; Willian, Lucas Lima (Gustavo Scarpa), Tchê Tchê (Bruno Henrique) e Dudu (Keno); Borja.
Técnico: Roger Machado

SANTOS
Vanderlei, Daniel Guedes, Luiz Felipe (Robson Bambu), David Braz e Caju (Rodrygo); Alison; Copete, Renato, Vecchio e Arthur Gomes; Eduardo Sasha (Rodrigão).
Técnico: Jair Ventura



Palmeiras mantém 100% e Lucas Lima reencontra Santos com vitória

O Palmeiras manteve os 100% de aproveitamento no Campeonato Paulista durante a tarde deste domingo. Na partida que marcou o reencontro do meia Lucas Lima com o Santos, disputada no Estádio Palestra Itália, o time alviverde ganhou do rival praiano por 2 a 1.

Com 15 pontos em cinco jogos disputados, a equipe dirigida pelo técnico Roger Machado figura no primeiro lugar do Grupo C do Campeonato Paulista. O São Bento, com oito pontos, é o segundo colocado. No Grupo D, o Santos lidera com sete pontos, um a mais que Botafogo-SP e Red Bull.

O jogo:

Superior nos instantes iniciais, o Palmeiras investiu em subidas pela direita e, logo aos 2 minutos do primeiro tempo, conseguiu um escanteio. O atacante Dudu levantou a bola na área e o zagueiro Antônio Carlos cabeceou com sucesso para abrir o placar.

O Palmeiras manteve o domínio das ações logo após sair na frente e voltou a levar perigo ao gol defendido por Vanderlei em uma jogada de bola parada pela direita. Mesmo com pouco ângulo, Lucas Lima bateu falta direto para o gol e acertou a trave adversária.

O Santos assustou pela única vez na etapa inicial em um vacilo da zaga palmeirense na saída de bola. Arthur Gomes escapou pela direita e chutou para Jailson espalmar pela linha de fundo. Daniel Guedes cobrou o escanteio e Sasha cabeceou firme, mas parou no goleiro palestrino.

A exemplo do que fez no primeiro tempo, o Palmeiras iniciou a etapa complementar aceso e ampliou sua vantagem logo aos 4 minutos. Em jogada individual pelo meio, Willian passou por dois adversários e adiantou um pouco. Borja completou com um chute preciso, no canto esquerdo do goleiro Vanderlei.

Em um deus seus primeiros ataques no segundo tempo, o Santos diminuiu a vantagem. Aos 17 minutos, Daniel Guedes cruzou da esquerda e o veterano Renato desviou com um leve toque de cabeça, suficiente para matar o goleiro Jailson. A bola havia saído pela linha de fundo no lance que originou o gol, mas a arbitragem não marcou.

O Santos melhorou após o gol de Renato e equilibrou as ações no Allianz Parque, mas não conseguiu criar oportunidades para empatar o marcador. Nos minutos finais, Roger Machado ainda promoveu a estreia do meia Gustavo Scarpa ao colocá-lo no lugar de Lucas Lima.

Jair diz que derrota foi injusta e vê Santos no “caminho certo”

O Santos não mereceu perder por 2 a 1 para o Palmeiras na tarde deste domingo, no Palestra Itália, pela quinta rodada do Campeonato Paulista. A avaliação é do técnico Jair Ventura, para quem o time alvinegro está no “caminho certo”.

“Avaliando performance e resultado, não bate. Mas é início de temporada, terminamos o jogo com seis da base, e temos jogadores importantes que perdemos, como Bruno Henrique, que é uma referência técnica. Sofremos com isso, mas buscamos alternativas”, afirmou o treinador, em entrevista coletiva.

Apesar de lamentar os desfalques e as lesões de Luiz Felipe e Eduardo Sasha durante o clássico, Ventura elogiou a postura do Santos na casa do rival, principalmente após o gol sofrido aos dois minutos de jogo.

“Gol cedo mudou toda estratégia, mas o time não sentiu. Foi um bom primeiro tempo, com volume, mesmo perdendo. Vanderlei não fez defesa. Fiquei com mãos atadas por substituições por lesão, terceiro zagueiro que machuca. O Rodrygo entraria no intervalo, mas, pela lesão do Sasha, troquei 9 por outro e, depois, corri risco de ficar com um a menos”, analisou.

“Criamos, lutamos, mas não foi suficiente. Sempre difícil jogar fora de casa, mas a equipe lutou. Não vi Palmeiras com superioridade. É sempre muito ruim perder, principalmente para um rival, mas o Santos segue vivo. Também estamos tristes, mas temos jogo fora para vencer e classificar”, acrescentou.

Após a volta do intervalo, a situação pioraria aos cinco minutos da etapa final, quando Borja ampliou a vantagem para os mandantes. Aos 17, porém, Renato, de cabeça, recolocou o Peixe no jogo. A partir de então, o time alvinegro teve mais posse de bola, mas não conseguiu criar chances para empatar o confronto.

“A derrota nunca dá moral. Precisa separar resultado da performance. Mas time não sentiu, mesmo com gol cedo e sabendo da força do Palmeiras, e chegamos a nos sentir à vontade. Ter mais posse jogando na casa do adversário não é para menosprezar. Quando ganha e não joga bem, liga alerta. Quando perde jogando bem, sabe que é caminho certo”, concluiu.

Passadas cinco rodadas, o Santos lidera o Grupo D do Paulistão, com sete pontos ganhos, apenas um a mais que o Botafogo-SP, segundo colocado da chave. O próximo compromisso do Peixe é o duelo com a Ferroviária, marcado para as 16h30 (de Brasília) do sábado, na Fonte Luminosa, em Araraquara.

Vecchio minimiza revés em clássico: “O melhor está para acontecer”

O meia Emiliano Vecchio reiterou o técnico Jair Ventura ao dizer que o Santos não mereceu perder para o Palmeiras, na tarde deste domingo, no Palestra Itália. Apesar da derrota por 2 a 1, o argentino elogiou a atuação de seus companheiros e projetou um futuro vitorioso ao time alvinegro.

“Eles chutaram duas vezes e fizeram dois gols. Infelizmente perdemos um clássico que não merecíamos perder”, lamentou o meio-campista, na saída de campo. “Demonstramos que somos um time forte independentemente do resultado. O Santos tentou jogar, acho que só está começando, falta muito e o melhor está para acontecer”, previu, na zona mista da arena.

De acordo com os santistas, o time reagiu bem à desvantagem no placar e teve chances até de buscar a igualdade no fim. O Santos sofreu o primeiro gol logo aos dois minutos de jogo, em cabeçada de Antônio Carlos após cobrança de escanteio.

Aos cinco da etapa final, Borja ampliou em chute de fora da área. Pouco depois, Renato, de cabeça, diminuiu, mas o Peixe não conseguiu empatar o duelo. O zagueiro David Braz, que falhou no primeiro gol alviverde, também foi elogioso ao futebol do Santos no Palestra Itália.

“A gente não se entregou, brigamos até o final, conseguimos diminuir e tivemos chance de empatar. Criamos jogadas, colocamos a bola na área adversária, mas infelizmente não conseguimos empatar a partida”, avaliou.

A exemplo de Vecchio, o defensor discursou confiante. “É levantar a cabeça, tem muita coisa para acontecer. Vamos trabalhar para vencer a próxima partida”, avisou.

Jair explica ausência de Gabigol e comenta possível saída de Veríssimo

Após a derrota por 2 a 1 para o Palmeiras, neste domingo, no Palestra Itália, o técnico Jair Ventura, do Santos, explicou por que não relacionou o atacante Gabigol para o clássico. Durante a semana, havia a expectativa de o jogador estrear diante do rival, e o treinador manteve o mistério até a véspera do duelo, mas a comissão técnica optou por vetá-lo.

“Temos o planejamento, futebol é feito de paixão, mas também de profissionais. Nós temos que preservar a integridade física do atleta. Ele não fez pré-temporada, por isso não veio para o clássico. Já estava definido desde o início que ele não viria. Ele já sabia”, esclareceu o treinador, em entrevista coletiva.

“Pode ter afetado na derrota? Sim, mas devia fazer algumas observações. Venho perdendo muitos jogadores nesses cinco jogos. É hora de fazer testes. Temos que correr riscos para conhecer bem o elenco e usar a base”, acrescentou.

Durante a entrevista, Jair Ventura também comentou a situação de outro atleta: Lucas Veríssimo. Alvo do Spartak Moscou, da Rússia, o zagueiro pode estar de saída. Caso a venda se concretize, o treinador teria mais um desfalque na defesa, uma vez que Gustavo Henrique, Cléber Reis e Luiz Felipe têm problemas com lesões.

“Caso (a venda) aconteça será uma perda técnica. Ainda não sei da proposta, mas, se chegar a proposta, sendo bom para o clube e jogador, será difícil segurar”, resignou-se Jair. “Faz parte do mercado. Se perder, bola para frente. Temos Gustavo (Henrique) e (Robson) Bambu. Não pode se lamentar, já temos jogo no sábado”, avaliou.

Copete e Alison levam o terceiro amarelo e desfalcam o Santos

O Santos terá ao menos dois desfalques para a partida contra a Ferroviária, no próximo sábado, em Araraquara, pela sexta rodada do Campeonato Paulista. Durante a derrota por 2 a 1 para o Palmeiras, na tarde deste domingo, no Palestra Itália, o volante Alison e o atacante Jonathan Copete levaram o terceiro cartão amarelo e terão de cumprir suspensão automática no final de semana que vem.

Alison foi advertido por entrada dura em Dudu, aos 26 minutos da segunda etapa. Pouco depois, aos 34, Copete foi punido pelo árbitro Flávio Rodrigues de Souza por falta em Willian.

Para substituir o volante, o técnico Jair Ventura tem Matheus Jesus como opção. Com a suspensão de Copete, o garoto Rodrygo pode ser titular diante da Ferroviária. Ainda aprimorando a forma física e técnica, Gabigol também pode ficar à disposição do treinador.

Embora tenha a semana livre para preparar a equipe, Jair Ventura poderá ter mais problemas para montar time. Isso porque o zagueiro Luiz Felipe saiu com dores na coxa esquerda ainda no primeiro tempo, ao passo que o atacante Eduardo Sasha não voltou para a etapa complementar após uma pancada na cabeça.

Em entrevista coletiva concedida após a partida, Jair Ventura despistou ao ser indagado sobre os possíveis substitutos da dupla suspensa. “Posso mudar, treino variáveis, mas só vou revelar no próximo jogo. Os adversários nos escutam”, afirmou o treinador.