Santos 0 x 0 Atlético-PR

Data: 02/03/2000, quinta-feira, 20h00.
Competição: Amistoso
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.808 pagantes
Renda: R$ 43.550,00
Árbitro: Otávio Correa da Silva / Roberto Ferreira Pinto.
Cartões vermelhos: Luizinho e Kelly (A).

SANTOS
Carlos Germano; Baiano, Galván, Márcio Santos e Rubens Cardoso (Dutra); Claudiomiro (Eduardo Marques), Michel (Anderson Luis), Caio (Deivid) e Robert (Adiel); Dodô e Valdir Bigode.
Técnico: Carlos Alberto Silva

ATLÉTICO-PR
Flávio; Luizinho Netto, Gustavo, Leonardo e Jorginho (Kleberson); Marcus vinícius, Luis Carlos (Silas), Adriano (Cocito) e Kelly; Lucas (Adauto) e Kleber (Everaldo).
Técnico: Osvaldo Alvarez



Santos mostra novo time em amistoso

Desfalcado da principal estrela (o volante Rincón, machucado), o Santos apresenta hoje seu novo time para a temporada 2000, em amistoso contra o Atlético-PR, às 20h, na Vila Belmiro.

O goleiro Carlos Germano (ex-Vasco) e o atacante Valdir (ex-Atlético-MG) estréiam. Segundo o técnico Carlos Alberto Silva, o jogo será a referência para eventuais mudanças na equipe-base que disputará o Campeonato Paulista, a partir do próximo dia 8. “Teremos uma idéia exata daquilo que ainda vamos precisar”, declarou Silva.

A diretoria do Santos programou uma festa antes do jogo para apresentar cada um dos dez reforços contratados para a temporada. Os portões do estádio serão abertos à tarde.

Por volta das 19h30, os atletas santistas, inclusive Rincón, serão anunciados pelo serviço de som e entrarão no gramado um a um, acompanhados pelo facho de um canhão de luz, por ordem do número de camisa.

Depois, haverá queima de fogos de artifício. O time também estreará novo uniforme, no qual o distintivo do clube volta a ficar do lado esquerdo e não mais centralizado.

Empate irrita santistas na Vila

O Santos frustrou sua torcida ao conseguir apenas um empate em 0 a 0 em amistoso com o Atlético-PR, que terminou a partida com nove jogadores.

Antes da partida, o clube estendeu uma bandeira que ocupava quase um terço do gramado e promoveu espetáculo de luzes e fogos de artifício para apresentar um a um os 26 jogadores inscritos para o Campeonato Paulista, entre eles o volante Rincón, machucado, que não atuou.

Carlos Alberto diz que torcida tem razão em protestar

O Santos estréia no Campeonato Paulista quarta-feira, contra a Matonense, e o técnico Carlos Alberto Silva tem pressa em corrigir os defeitos que a equipe vem apresentando. Também a torcida começa a se impacientar com a falta de padrão de jogo e até mesmo da indefinição sobre o time titular e já vaia os jogadores.

A vítima no empate sem gols com o Atlético-PR, foi o lateral-esquerdo Rubens Cardoso, mas até o treinador teve sua cota: deixou o campo sob o coro de burro, entoado por um pequeno grupo de torcedores. A torcida santista é exigente e costuma cobrar muito dos atletas. Carlos Alberto Silva sabe disso e hoje repetiu que não ia pedir calma aos torcedores.

“Os santistas, que há 15 anos esperam um título têm mesmo que demonstrar a insatisfação”. Completou, dizendo: “nós que trabalhamos temos a consciência tranquila de que estamos realizando o melhor”.

O lateral-esquerdo Dutra, que saiu muito aplaudido do amistoso contra o Atlético-PR, já passou pelos maus momentos vividos quinta-feira pelo seu companheiro Rubens Cardoso. “Fica mais difícil quando a torcida vaia, pois isso perturba e prejudica”, relatou. Pela sua experiência, vai recomendar paciência a Rubens Cardoso. “Ele é um grande jogador e tem condições de superar isso. Basta trabalhar bastante e ter muita paciência”.

Carlos Alberto Silva já nem comenta quem será o titular da lateral-esquerda. “Essa condição se adquire em campo”, disse, procurando justificar a escalação de Rubens Cardoso. “Ele começou jogando muito bem, mas depois cansou e um jogador cansado erra mesmo”.

O treinador gostou do teste de quinta-feira e espera corrigir os defeitos apresentados no jogo-treino de amanhã. “Temos um pouco de tempo para acertar a equipe”, disse ele, preocupado principalmente com os problemas do meio-de-campo. “A bola está custando muito a chegar aos atacantes”, comentou. Esse, porém, não é único problema: Carlos Alberto Silva ainda não encontrou a equipe ideal, alternando a dupla de meio-campistas Caio e Robert por Deivid e Adiel. Com essa indefinição, tem que administrar o protesto da torcida e luta por uma vitória quarta-feira, em Matão, longe da Vila Belmiro.