Santos 2 x 1 Atlético-PR

Data: 20/09/2000, quarta-feira, 20h30.
Competição: Copa João Havelange (Campeonato Brasileiro) – Módulo Azul – 1ª fase – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.246 pagantes
Renda: R$ 26.855,00
Árbitro: Fabiano Gonçalves
Gols: Edmundo (15-1, de pênalti); Robert (21-2) e Cocito (28-2).

SANTOS
Pitarelli; Wellington (Michel), Preto, Sangaletti e Léo; Rincón, Renato, Valdo e Robert; Edmundo e Dodô (Júlio Cesar).
Técnico: Giba

ATLÉTICO-PR
Flávio; Luizinho Netto, Gustavo, Reginaldo (Emerson) e Fabiano; Luis Carlos Goiano, Cocito, Kleberson e Kelly; Kleber (Rinaldo) e Lobatón.
Técnico: Artur Neto



Vaiado, Dodô ameaça abandonar o Santos

Contrariado com críticas da torcida no jogo com o Atlético-PR, atacante cria novo problema para o técnico Giba

O Santos assumiu a liderança da Copa João Havelange após a vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-PR, na Vila Belmiro, mas o técnico Giba ganhou um novo problema: devolver a motivação ao atacante Dodô.

Substituído por Júlio César no segundo tempo, o jogador deixou o campo vaiado pelos torcedores e ameaçou deixar a equipe.

“Não dá para jogar no Santos”, disse. Desde que chegou ao clube, no ano passado, Dodô foi alvo de críticas dos torcedores várias vezes em jogos na Vila Belmiro.

O treinador, que afirmou ter substituído o atacante porque ele estava rendendo menos do que pode, atribuiu a declaração do atleta ao “calor” da partida.

“Entendo que ele desistiu um pouco do jogo. A declaração deve ter sido motivada mais pela reação da torcida. No calor do jogo, o jogador se irrita”, declarou.

Giba, que colocou Dodô na reserva durante o Campeonato Paulista, também teve outro motivo para substituir o atleta pela primeira vez na Copa João Havelange. O treinador disse que necessitava de um jogador mais veloz no ataque para conter o Atlético-PR em seu campo de defesa.

Edmundo considerou “constrangedoras” as vaias da torcida e defendeu o companheiro de ataque. “Não é preciso falar da capacidade do Dodô. Ele já fez grandes partidas pelo Santos e é normal que faça partidas ruins. Acho que tem que ter tranquilidade neste momento”, afirmou.

A insatisfação de Dodô acontece justamente quando o treinador tenta superar a crise de relacionamento criada com os jogadores por causa de sua decisão de afastar Márcio Santos da equipe.

Os atletas foram contra a decisão. Giba decidiu afastar o zagueiro porque ele não aceitava mais ficar fora do time titular.

Ontem, o presidente Marcelo Teixeira afirmou que o clube já pagou ao Vasco a segunda das cinco parcelas pelo empréstimo de Edmundo. O clube carioca anunciou que vai à Justiça contra o Santos para garantir o pagamento da prestação de R$ 450 mil que vence em 31 de agosto.

De acordo com os dirigentes vascaínos, a primeira parcela, de R$ 900 mil, foi paga pela Federação Paulista de Futebol.

No final de setembro, o clube paulista terá que pagar a terceira parcela, no valor de R$ 450 mil. Em outubro e novembro, deverão ser pagas mais duas prestações, ambas de R$ 300 mil.

Segundo Marcelo Teixeira, o pagamento foi efetuado pelo Santos com dinheiro da venda do passe do lateral e volante Baiano para o Las Palmas (Espanha), por US$ 2,7 milhões. O presidente santista reconheceu ter atrasado o pagamento. Ele justificou o atraso dizendo que também não recebeu no dia previsto o dinheiro do clube espanhol.

“É estranho que o Vasco tenha vindo a público para reclamar porque também tem inúmeros pagamentos em atraso. Isso foi uma indelicadeza”, disse Teixeira.