Botafogo 0 x 2 Santos

Data: 06/02/2000, domingo, 19h00.
Competição: Torneio Rio São Paulo
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 7.140 pagantes
Renda: R$ 55.073,00
Árbitro: Sérgio Corrêa da Silva (SP).
Assistentes: Mário Luiz Augusto (SP) e José Cláudio Paranhos (RJ).
Cartões amarelos: Anderson (S) e Sandro (B)
Gols: Dodô (39-1) e Caio (23-2).

BOTAFOGO
Wágner; Marcelinho, Sandro, Váldson e Misso; Renato (Róbson), Reidner, Djair e Sérgio Manoel (Alexandre Gaúcho); Rodrigo e Zé Carlos (Caio).
Técnico: Joel Santana

SANTOS
Nei; Michel, Galván, Márcio Santos (Jean) e Rubens Cardoso; Anderson Luis, Dutra (Élder), Adiel e Caio; Dodô e Weldon (Deivid).
Técnico: Carlos Alberto Silva



Santos conquista primeira vitória

O Santos conquistou a sua primeira vitória no Torneio Rio-São Paulo, no estádio do Maracanã, contra o Botafogo, por 2 a 0.

Apesar do resultado, ainda são remotas as chances de classificação da equipe, que continua em último lugar no Grupo A, com quatro pontos -um a menos que o Flamengo.

O São Paulo lidera com 12 pontos, seguido do Botafogo, com 7, que sofreu ontem a sua segunda derrota na competição.

Além de comemorar a primeira vitória após uma série de três derrotas e um empate nas rodadas iniciais do Rio-São Paulo, o Santos tem uma festa programada para hoje, às 11h30, para receber o goleiro Carlos Germano, contratado junto ao Vasco.

O técnico santista, Carlos Alberto Silva,que havia anunciado uma formação defensiva, com três zagueiros, mudou de idéia de última hora e escalou Dutra no meio-campo, em vez de Jean na defesa, como estava planejado.

Cautelosos, um estudando o outro, os dois times tiveram um desempenho fraco no primeiro tempo da partida.

A tática para tentar chegar ao gol era a mesma em ambas as equipes. O Botafogo apostava na velocidade de Zé Carlos nos contra-ataques. O Santos, na velocidade de Weldon.

O time carioca por pouco não abriu o placar aos 22min. O atacante Zé Carlos superou o zagueiro Márcio Santos (que fazia a sua estréia no time santista), ao receber um lançamento na área, mas, no cabeceio, mandou a bola na trave superior do goleiro Nei.

Aos 33min, em cobrança de falta de Sérgio Manoel, Nei levou outro susto. A bola passou rente à trave e foi para fora.

Na única oportunidade do Santos na etapa inicial, em uma cobrança de falta em frente à entrada da área, Dodô marcou o primeiro gol da partida, aos 39min. Ele bateu com perfeição, por cima da barreira, no canto direito do goleiro Vágner, que tinha um outro adversário para a defesa: a chuva forte que atingiu o Maracanã a partir dos 37min.

Jogadores de ambos os times deixaram o campo no intervalo demonstrando irritação com o futebol que suas equipes estavam apresentando.

“Não estamos jogando nada. Está faltando vontade. O time está devagar. Desse jeito não vamos nos classificar nunca”, afirmou o botafoguense Djair.

“Abrimos o placar no primeiro tempo, mas sabemos que não estamos bem”, afirmou Dodô.

As reclamações demonstraram ter surtido efeito no segundo tempo, com um jogo bem mais movimentado, dominado pelo time da casa, que entrou pressionando. Em busca de uma reação, o técnico Joel Santana trocou Renato por Róbson para tentar dar mais força ao ataque do Botafogo.

Com a alteração, os cariocas criaram a primeira chance concreta de gol aos 9min, em uma jogada individual de Zé Carlos. Ele driblou os zagueiros Márcio Santos e Galván. Na hora de finalizar, no entanto, Nei estava bem posicionado e defendeu.

Zé Carlos desperdiçou nova oportunidade aos 16min, depois de o goleiro Nei, em uma defesa, rebater a bola nos seus pés, dentro da área. No arremate, ele chutou forte para o alto.

Apesar do amplo domínio botafoguense, a sorte estava com o Santos, que conseguiu converter em gol o seu primeiro contra-ataque na segunda etapa, aos 23min.

Rubens Cardoso fez um cruzamento da esquerda, a bola desviou no braço de Sandro e sobrou na medida para Caio, que vinha de trás, pelo meio, ampliar.

Por pouco o Botafogo não marcou aos 41min, após cobrança de falta feita por Sandro. A bola ficou rebatendo na área até o juiz marcar uma falta de ataque.

O Santos, que cresceu em campo após o segundo gol, ainda criou outras duas oportunidades de gol antes do apito final.





Santos monta retranca no Rio (Em 06/02/2000)

O Santos deverá usar três zagueiros, em uma formação mais defensiva, na partida contra o Botafogo no Maracanã, apesar da “necessidade moral” de uma vitória, segundo o técnico Carlos Alberto Silva.

O time, cujas chances de classificação para a próxima fase do Torneio Rio-São Paulo são remotas, faz uma péssima campanha na competição: conquistou apenas um ponto em quatro jogos.

A partida marca a estréia do zagueiro Márcio Santos (ex-São Paulo). Se o técnico decidir por três zagueiros, Márcio Santos atuará como líbero, ao lado Galván e Jean.

O jogador disse que encara com tranquilidade a estréia no Santos, apesar, segundo ele próprio, de não estar na melhor forma física.

Sobre a possibilidade de jogar como líbero, Márcio Santos falou que não terá nenhum problema, pois já atuou nessa posição quando defendeu o Ajax, da Holanda.

Contratado do América de Rio Preto por R$ 1 milhão, o atacante Weldon, 19 anos, que disputou a Taça São Paulo pelo Santos, deve sair jogando ao lado de Dodô.

As declarações do goleiro Nei, que nos últimos dias expressou sua insatisfação com a contratação do goleiro Carlos Germano, levou a diretoria do Santos a divulgar uma carta oficial de censura à atitude do jogador.

Na nota, a diretoria do clube diz que “cabe a cada um dos atletas mostrar competência e profissionalismo para, exclusivamente dentro de campo, conquistar uma vaga de titular no time”.