O técnico Candinho, que pediu demissão, disse após se despedir dos jogadores, que não se considera culpado pela má fase que o Santos atravessa.

“Eu sei fazer autocrítica e tenho certeza de que a culpa não é minha. Mas, como alguém tem que assumir o problema, eu preferi deixar a Vila”, declarou Candinho.
Em 11 jogos disputados no Campeonato Paulista, Candinho obteve 4 vitórias e 2 empates e perdeu 5 vezes.

“No último Campeonato Paulista, dirigindo a Portuguesa, perdi 5 jogos no campeonato inteiro. Aqui, já tenho 5 derrotas em 11 jogos. Infelizmente, não foi possível realizar um bom trabalho”, disse o ex-técnico santista.

Candinho isentou os jogadores de culpa e voltou a repetir que os problemas do Santos se devem ao mau preparo físico do elenco e às contusões e cartões amarelos.
Ele negou que algum atleta santista estivesse boicotando o seu trabalho.

“Estou no futebol desde os 14 anos. Eu sei perceber quando um jogador faz corpo mole. Isso no Santos não ocorreu.”

Para exemplificar, citou o meia Giovanni, afirmando que o jogador “se arrastou em campo” no jogo contra o Guarani. O fraco desempenho de Giovanni, segundo Candinho, se deve “exclusivamente” a um mau momento que o jogador atravessa.

“A torcida pode ter certeza de que não é uma coisa proposital, contra a minha pessoa. A verdade é que ele está numa fase ruim.”

Em relação ao condicionamento físico do time, Candinho negou que os jogadores, nas horas de folga, estejam “extrapolando”.

“Chegam notícias aqui de que os jogadores estão extrapolando fora de campo, na noite. Eu não acredito. Mas, de qualquer forma, essa parte não me compete. Sou treinador do campo para dentro.”

A Agência Folha apurou que a diretoria santista reúne-se neste final de semana para decidir o nome do novo treinador. Os nomes mais cogitados ontem na Vila eram os de Emerson Leão, Pepe e Vadão.