Santos 0 x 0 Palmeiras

Data: 27/05/2000, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – 1º jogo
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 7.000
Árbitros: Romildo Correia e Sálvio Spinola

SANTOS
Fábio Costa; Baiano, Galván (Preto), André Luis e Rubens Cardoso; Claudiomiro, Rincón, Anderson Luiz (Robert) e Eduardo Marques (Dodô); Valdir e Caio.
Técnico: Giba

PALMEIRAS
Marcos; Neném, Argel, Índio e Júnior; Galeano, Rogério, Alex (Tiago) e Pena (Fernando); Euller e Marcelo Ramos.
Técnico: Luiz Felipe Scolari



Palmeiras arranca empate e vantagem

Preocupado com o jogo contra o Corinthians, na terça, time atua na defensiva com o Santos e clássico fica no 0 a 0

As semifinais do Campeonato Paulista começaram ontem com um jogo morno entre Santos e Palmeiras, que empataram em 0 a 0, no estádio do Morumbi, em São Paulo, numa tarde fria.

Com o resultado, o Palmeiras conseguiu manter a vantagem do empate para a partida decisiva entre os times, que será disputada no próximo fim-de-semana, também no Morumbi.

O Santos vai precisar ganhar por qualquer placar no próximo fim-de-semana para ir à final do Campeonato Paulista, o que não consegue desde 1984.

O Santos, que não perdeu desde que Giba assumiu o time, no lugar de Carlos Alberto Silva, que foi demitido por causa dos resultados ruins que a equipe vinha obtendo, começou melhor a partida.

As primeiras cinco finalizações do clássico de ontem foram da equipe santista.
O meia-atacante Eduardo Marques, o volante Claudiomiro, o lateral-esquerdo Rubens Cardoso, o também volante Valdir e o atacante Caio finalizaram contra o gol de Marcos nos 15 minutos iniciais, mas não levaram muito perigo ao gol palmeirense.

O Palmeiras, mais preocupado com o confronto com o Corinthians na terça-feira pela partida de ida das semifinais da Taça Libertadores da América, atuou mais nos contra-ataques, cadenciando a partida.

A partir dos 20min, a equipe do treinador Luiz Felipe Scolari se soltou mais em campo. O atacante Euller, de cabeça, obrigou o goleiro Fábio Costa a agir pela primeira vez aos 17min.

O jogo se desenrolava com pouca velocidade. O Santos diminuiu seu ritmo inicial, e o Palmeiras adiantou, então, a sua defesa.

Aos 29min, o atacante Pena arrancou em velocidade e chutou colocado, de fora da área. O goleiro Fábio Costa conseguiu espalmar para escanteio.

O lance animou a torcida e o time do Palmeiras.

Nos minutos seguintes, o goleiro santista foi bastante exigido. Alex, em um chute forte, e Pena, numa cabeçada, quase abriram o placar.

Aos 38min, Euller recebeu na área, se livrou do goleiro Fábio Costa, e, em uma disputa com o meia-lateral Baiano, acabou caindo na área. O atacante reclamou pênalti no lance.

Nos minutos finais da primeira etapa, o Santos teve suas melhores chances para marcar.

Aos 40min, o zagueiro André Luiz foi à área, recebeu a bola, mas chutou por cima. Dois minutos depois, Rincón tocou com estilo da entrada da área, mas Marcos fez uma bela defesa.

Para o segundo tempo, os dois técnicos fizeram alterações. Giba ousou ao tirar o volante Anderson e colocar o meia-atacante Robert, que fez dois gols contra o Juventude pela Copa do Brasil.

Já o treinador palmeirense, Luiz Felipe Scolari, foi mais precavido, tirando o atacante Pena e colocando o volante Fernando.

O resultado foi melhor para o Palmeiras, que começou mais ofensivo no segundo tempo.

Atuação dos dois goleiros é destaque do jogo

Os goleiros foram os destaques do clássico de ontem. Marcos, do Palmeiras, e Fábio Costa, do Santos, evitaram que suas equipes levassem gols e foram decisivos para o resultado de 0 a 0.

“São dois grandes goleiros. Espero que isso se repita no próximo fim-de-semana, e o Palmeiras consiga sua classificação”, afirmou o goleiro palmeirense.

Fábio Costa também gostou de sua atuação. “Sei que a torcida confia em mim. Sempre que o Germano não puder jogar, sei que vou dar conta do recado.”

Após o jogo, o atacante Asprilla reclamou de mais uma vez ficar no banco e saiu do Morumbi irritado, dizendo que deveria ter um lugar no time titular.

O técnico Luiz Felipe Scolari minimizou. “Não há problema. Não vi se ele saiu irritado. Por enquanto o técnico sou eu, e entendo que ele não deve ser titular.”

O Palmeiras volta a jogar na terça-feira, quando começa a decidir uma vaga na final da Libertadores, contra o Corinthians. Os jogadores foram liberados ontem após o jogo e se reapresentam hoje no CT.

O Santos volta a atuar na quarta-feira, contra o Juventude, na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil. O zagueiro Galván saiu de campo machucado e não deve jogar.