Santos 3 x 0 Bahia

Data: 23/07/2017, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 16ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 35.769 presentes (32.869 pagantes e 2.900 não pagantes)
Renda: R$ 1.282.430,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Eduardo (B) e Daniel Guedes (S).
Gols: Bruno Henrique (28-1), Bruno Henrique (45-1) e Bruno Henrique (30-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Fabián Noguera, David Braz e Jean Mota; Yuri, Vecchio (Rafael Longuine) e Lucas Lima; Copete (Alison), Bruno Henrique e Kayke (Thiago Ribeiro).
Técnico: Levir Culpi

BAHIA
Jean; Eduardo (Éder), Tiago, Lucas Fonseca e Matheus Reis; Renê Júnior, Juninho, Vinicius e Allione (Júnior Brumado); Zé Rafael e João Paulo (Mendoza).
Técnico: Jorginho



Com três de Bruno Henrique, Santos vence e ganha moral para decisão

O Santos está se firmando cada vez mais no G4 do Campeonato Brasileiro. Empurrado por um lotado Pacaembu nesta ensolarada manhã de domingo, o Peixe derrotou o Bahia, por 3 a 0, em duelo válido pela 16ª rodada do torneio nacional. Foi a quarta vitória nos últimos seis jogos da equipe da Baixada, que mantém os líderes Corinthians e Grêmio no radar da tabela de classificação.

Com três gols de Bruno Henrique, o Santos recuperou o terceiro lugar, perdido no sábado com a vitória do Flamengo, ao alcançar os 30 pontos ganhos, um a menos que o Grêmio e a dez do Corinthians. Os gaúchos, porém, ainda jogam contra o São Paulo no encerramento da rodada. O Bahia, por sua vez, caiu para a 13ª posição, com 19 pontos.

Antes de pensar no Brasileirão, o time comandado por Levir Culpi se preocupará com um mata-mata. Às 21h45 (de Brasília) da próxima quarta-feira, o Peixe, embalado e com moral pela boa vitória conquistada neste domingo, receberá o Flamengo na Vila Belmiro, precisando reverter uma desvantagem de 2 a 0 para avançar às semifinais da Copa do Brasil.

O jogo:

Bem marcado pelo Bahia, o Santos começou cometendo falhas na defesa e, em uma delas, por pouco não saiu atrás no placar. Aos cinco minutos, David Braz saiu mal pela esquerda e perdeu a bola para o atacante Zé Rafael, que bateu forte e cruzado, exigindo grande defesa de Vanderlei. O time da casa não demorou a responder. Aos 13, Jean Mota roubou a bola pela esquerda e fez ótimo passe para Copete, que invadiu a área e bateu forte, mas na rede pelo lado de fora.

Dez minutos depois, polêmica: após boa triangulação santista, Lucas Lima entrou na área e caiu em dividida com o zagueiro Tiago. O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães apontou a marca da cal, mas logo em seguida voltou atrás na decisão depois de conversar com o auxiliar de linha de fundo e sinalizou apenas escanteio.

A ira de torcida e jogadores alvinegros em função da marcação do juiz durou pouco, no entanto. Aos 28 minutos, Copete foi acionado na direita e tocou para Kayke, que bateu forte e cruzado. O goleiro Jean não agarrou e, no rebote, o até então apagado Bruno Henrique apareceu sozinho na esquerda e só teve o trabalho de empurrar para a rede, colocando o Peixe à frente no marcador.

Já mais à vontade em campo, após sofrer no início com o estilo cadenciado do Bahia, o Santos ainda aumentou a sua vantagem antes do intervalo. E foi com um golaço. Aos 45, Vecchio, com um belo chapéu no meio-campo, puxou o contra-ataque e passou para Lucas Lima, que deu uma ‘caneta’ no lateral direito Eduardo e finalizou para defesa parcial de Jean. No rebote, mais uma vez, Bruno Henrique marcou o seu segundo tento na partida, tendo o nome gritado pela torcida em seguida.

Precisando voltar para o jogo, o Bahia se lançou ao ataque no começo da etapa final. E a estratégia quase deu certo aos oito minutos, quando o ex-Corinthians Mendoza recebeu na esquerda, se livrou de três marcadores e rasteiro na área para Vinicius girar e bater. O meia, porém, não contava com mais uma ótima defesa de Vanderlei, que saltou no canto esquerdo para salvar.

Mais agressivo, o Tricolor baiano chegou perigosamente de novo quatro minutos depois: Vinicius ganhou de Noguera na dividida e arriscou de fora da área. A bola passou tirando tinta da trave de Vanderlei. Aos 21, o arqueiro alvinegro voltou a trabalhar ao mandar para escanteio uma pancada do volante Juninho em cobrança de falta.

Apesar da atuação mais apagada no segundo tempo, o Santos liquidou a partida aos 30 minutos. De novo com Bruno Henrique, que aproveitou cruzamento de Daniel Guedes e sobra em dividida de Noguera com o zagueiro do Bahia para finalizar livre de marcação e marcar o seu terceiro gol no jogo.

No fim, o Santos ainda se safou de levar ao menos um gol nas boas chances que o Bahia criou na base do abafa. No entanto, a equipe da Baixada conseguiu administrar o placar trocando passes, com direito a “olé” da torcida, que deixou contente o Pacaembu.

Bastidores – Santos TV:

David Braz põe Santos “na briga” pelo título e promete secar líderes

O Santos entrou de vez na briga pelo título do Campeonato Brasileiro 2017. Feita após a vitória por 3 a 0 sobre o Bahia, neste domingo, no Pacaembu, a declaração é do zagueiro David Braz, que ainda promete secar pelos tropeços dos rivais e líderes Corinthians e Grêmio.

Com o triunfo sobre os baianos, o Santos chegou aos 30 pontos ganhos, mantendo os dois primeiros colocados à sua vista na tabela de classificação.

“Estamos na briga. Agora é torcer pelo tropeço do Grêmio para ficarmos mais próximos do que nunca dos primeiros colocados. Fizemos o dever de casa contra o Bahia. É ficar na torcida para os dois tropeçarem para ficarmos na briga pelo título”, afirmou o defensor.

Quem também está confiante na conquista do título é Levir Culpi. Mas, para isso, o comandante alvinegro pede união entre todos os envolvidos. “Queremos ganhar tudo. O objetivo é o título, mas para ganhar tem que estar fechado, a torcida empurrando, os jogadores brilhando e em boa forma física. São vários os fatores que precisam caminhar para o mesmo lugar”, avaliou.

União é o que não falta no elenco santista, garante o meia Lucas Lima. “Nosso grupo é muito fechado, muito alegre. O ambiente é o melhor possível. Quando fora tem alegria, dentro também tem. Temos muito a crescer ainda, é manter os pés no chão que vamos longe”, projetou o camisa 10.

Elogiado por Levir Culpi após a partida, o meia argentino Vecchio aprovou a atuação do Santos neste domingo. “Sabíamos que seria um jogo muito difícil, contra um time que venceu os últimos jogos fora. Fizemos um primeiro tempo muito sólido e depois no segundo manejamos o jogo”, analisou.

Levir brinca com aplausos a Vecchio e vê Bruno Henrique como um dos piores

Protagonista de várias coletivas de imprensa bem-humoradas, o técnico Levir Culpi voltou a arrancar risadas dos jornalistas neste domingo, dia em que o Santos venceu o Bahia por 3 a 0, no Pacaembu. Questionado sobre os dois destaques de sua equipe na partida, o treinador surpreendeu nas respostas.

Autor dos três gols do Peixe, Bruno Henrique foi eleito “um dos piores em campo” pelo comandante alvinegro, que ressaltou a necessidade de o atacante evoluir taticamente, apesar de ter elogiado o poder de decisão do artilheiro santista na temporada, com dez tentos.

“Hoje ele foi decisivo, mas foi um dos piores em campo. Acredita nisso (risos)?”, indagou, antes de ponderar. “Fez três gols e com categoria. Ele pode ser um dos melhores atacantes do futebol brasileiro, tem muita qualidade técnica, mas precisa aprender muitas coisas, como foi com o Neymar quando foi para a Espanha”, exemplificou.

O tom brincalhão de Levir continuou ao comentar a atuação do meia Vecchio. O argentino, que iniciou a jogada do segundo gol ao dar um ‘chapéu’ no marcador no meio-campo, foi substituído por Rafael Longuine no segundo tempo e deixou o gramado ovacionado pelos mais de 30 mil santistas presentes no Pacaembu.

“Até estranhei. Nunca vi 34 mil brasileiros aplaudirem um argentino. É uma decepção incrível (risos). Mas ele realmente está muito bem. Ele sentiu a falta de jogo. Tem o passe ótimo e está sendo muito importante no campeonato. Fiquei feliz por ele”, brincou o técnico.

Questionado sobre a atuação de sua equipe, Levir Culpi mais uma vez foi sincero e atribuiu a si a culpa pelo Bahia ter crescido na reta final do confronto – ele promoveu as entradas de Rafael Longuine e Alison nos lugares de Vecchio e Copete, respectivamente.

“O jogo não mereceu o 3 a 0. O Bahia também esteve muito perto do gol. Escapamos de tomá-los. Poderia ter sido 2 a 2, 3 a 3. Foi um jogo equilibrado. É automático cuidar mais da defesa depois de abrir 3 a 0, mas aí o Bahia começou a criar chances. A mexida não foi legal, queria mexer na parte física, mas a gente sempre erra”, resignou-se.

O certo é que, com a vitória, o Santos chegou aos 30 pontos ganhos e manteve-se no terceiro lugar do Campeonato Brasileiro. Antes de enfrentar o Grêmio no próximo domingo pelo torneio de pontos corridos, o time comandado por Levir Culpi receberá na quarta-feira o Flamengo, na Vila Belmiro, precisando reverter uma desvantagem de 2 a 0 para avançar às semifinais da Copa do Brasil.