Santos 1 x 0 Atlético-GO

Data: 22/10/2017, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 30ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.245 pagantes
Renda: R$ 117.270,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva e Cleberson do Nascimento Leite (ambos do PE).
Cartões amarelos: Alison (S) e André Castro (A).
Gol: Ricardo Oliveira (30-1).

SANTOS
Vanderlei; Zeca, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Alison, Matheus Jesus e Lucas Lima; Serginho (Renato), Copete (Lucas Crispim) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

ATLÉTICO-GO
Marcos; Jonathan (Ronaldo), Gilvan, William Alves e Bruno Pacheco; André Castro (Diego Rosa), Paulinho, Andrigo, Jorginho e Luiz Fernando (Igor); Walter.
Técnico: João Paulo Sanches



Sob protestos, Santos vence lanterna Atlético-GO e segue vivo no Brasileirão

Teoricamente, ocupar a terceira colocação do Campeonato Brasileiro é motivo para comemoração. Não é o caso do Santos! Enfrentando o lanterna Atlético-GO, o Peixe voltou a jogar mal na tarde deste domingo e foi alvo de protestos dos mais de 4 mil torcedores presentes na Vila Belmiro. Mesmo assim, a equipe comandada por Levir Culpi, que ‘quase’ foi demitido na última sexta-feira, conseguiu vencer por 1 a 0, com gol de Ricardo Oliveira.

Com a vitória, o alvinegro chegou aos 53 pontos e diminuiu a diferença para o líder Corinthians, que tem 59 e entrará em campo só nesta segunda, contra o Botafogo, no Rio de Janeiro. O Atlético-GO, por sua vez, segue em último, com 26 pontos e vai ficando próximo da queda para a Série B.

O jogo

Mesmo com o Santos controlando as ações desde o primeiro segundo, a partida começou em ritmo bem lento na Vila Belmiro. Porém, aos 11 minutos, o Peixe fez uma pequena ‘blitz’ na área do Atlético-GO. Após receber belo passe de Zeca, Serginho cruzou e a bola passou por todo mundo. No rebote, Jean Mota fez novo cruzamento, Ricardo Oliveira deu um leve toque e a redonda ficou limpa para Copete. Dentro da pequena área, o colombiano bateu em cima de Marcos e desperdiçou a chance de abrir o placar.

Apesar da pequena pressão e do domínio no meio, a equipe comandada por Levir Culpi não chegava com grande ímpeto do gol do Dragão, que praticamente colocou todo o time no campo de defesa, deixando o confronto sonolento.

Aos 26 minutos, porém, um lance confuso reanimou a partida na Vila. Após cruzamento de Andrigo na área, Lucas Veríssimo matou no peito, não afastou e deixou Vanderlei pegar a bola. O árbitro Pericles Bassols interpretou como recuo e marcou tiro livre indireto. Na cobrança, Walter soltou uma bomba em cima de Copete, que afastou o perigo em cima da linha.

Três minutos depois, Serginho ajeitou para Lucas Lima fora da área. O camisa 10 soltou um foguete e Marcos salvou. Na cobrança de escanteio, porém, o meia mandou na cabeça de Ricardo Oliveira, que desviou para vencer o goleiro do Dragão e abrir o placar na Vila.

Em desvantagem, a equipe de Goiânia precisou ir ao ataque e chegou bem aos 34, quando Andrigo tocou para Jorginho, que arriscou de fora da área e assustou Vanderlei.

Já no último grande lance do primeiro tempo, Walter rolou para Jorginho, que deixou o lance limpo para Andrigo. O meia mandou uma paulada, mas no travessão.

Ao contrário do que aconteceu na primeira etapa, a partida voltou do intervalo aberta e movimentada. Logo aos 2 minutos, Zeca cruzou na área, Copete desviou de cabeça e Lucas Veríssimo não conseguiu alcançar a bola.

No lance seguinte, Andrigo avançou pela direita e tocou para Jorginho. Livre na área, o meia finalizou em cima da zaga santista, que afastou o perigo.

Já aos 6 minutos, Jean Mota aproveitou espaço fora da área e soltou um foguete, acetando o travessão de Marcos.

Na sequência da partida, o Atlético-GO abandonou a postura defensiva do primeiro tempo e passou a ter o controle da bola no meio. O Peixe, por sua vez, aguardava um bom contra-ataque para ‘matar’ o confronto.

Apesar disso, foi o Santos quem teve as melhores oportunidades nos minutos seguintes. Porém, o goleiro Marcos fez várias boas defesas e manteve o 1 a 0 no placar.

Bastidores – Santos TV:

Santistas fazem ‘lei do silêncio’ após vitória sobre o Atlético-GO

Apesar da vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Atlético-GO, em partida válida pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro, o clima na Vila Belmiro foi tenso na tarde deste domingo. Os mais de 4 mil torcedores presentes no estádio vaiaram e protestaram contra o time do começo ao fim da partida. Os jogadores, por sua vez, optaram pelo silêncio após o triunfo.

O único atleta que falou com a imprensa foi Zeca, desacatando um pedido da comissão técnica. O lateral, que foi um dos mais perseguidos pela torcida, deu entrevista somente na saída.

“É hora de dar a cara. Tem de ter personalidade. Amo o Santos e vou lutar por ele”, resumiu o camisa 37, sob xingamentos e vaias.

Com a vitória, o alvinegro chegou aos 53 pontos, assumiu a terceira posição, e diminuiu a diferença para o líder Corinthians, que tem 59 e entrará em campo só nesta segunda, contra o Botafogo, no Rio de Janeiro.

Levir vê política do Brasil influenciando pressão no Santos e diz: “Pensei em sair”

Após quase ter sido demitido na última sexta-feira, o técnico Levir Culpi desabafou depois da vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Atlético-GO, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Demonstrando muita irritação e abandonando as piadinhas habituais, o comandante criticou bastante a cobrança em cima do Peixe, que ocupa a terceira colocação no torneio nacional.

Para Levir, a situação política do Brasil é um fator que tem afetado os ânimos dos torcedores e influenciado nas críticas que a equipe vem sofrendo nas últimas semanas.

“Há uma pressão em excesso. Não tem lógica, é uma coisa quase que insuportável. É uma perda de consciência. O erro no futebol é imperdoável. Um deputado rouba o Brasil, mas o jogador erra um chute, não pode errar. Onde vamos chegar? É uma cobrança descontrolada, acho que o povo está sentindo um desconforto muito grande com nossos governantes e precisa desabafar”, disse.

“Uma coisa ridícula, que só acontece no futebol brasileiro. Infelizmente está nesse momento incontrolável. É o único emprego controlado pelo Brasil inteiro (jogador e técnico). Nós passamos por uma dificuldade muito grande, os jogadores estão de parabéns. Vocês não sabem de nada dos bastidores, não tem as emoções que temos. Dedico essa vitória aos santistas que vieram realmente torcer pelo time”, ressaltou o comandante.

Levir Culpi ainda admitiu que quase pediu demissão após o episódio da última sexta-feira, quando chegou a ter sua saída decretada pela diretoria, que voltou atrás após conversa com o elenco.

“Nós erramos muito, mas quem da torcida erra menos? Um julgamento absurdo, eu cheguei a pensar eu mesmo em sair. Foi tudo uma palhaçada, um circo, até meu assessor de imprensa conseguiu acreditar em uma mentira. Está um pouco fora do controle, mas fiquei feliz com meus jogadores e com aqueles que torceram por nós”, concluiu.