São Paulo 2 x 1 Santos

Data: 28/10/2017, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 31ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 40.004 presentes (34.461 pagantes)
Renda: R$ 954.807,00
Árbitro: Anderson Daronco (RS-Fifa)
Auxiliares: Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno de Andrade Junior (ambos do RS).
Cartões amarelos: Jucilei (SP); Matheus Jesus, Bruno Henrique, Lucas Lima, Ricardo Oliveira, Jean Mota e Serginho (S).
Gols: Marcos Guilherme (16-1), Christian Cueva (21-1) e Alison (33-1).

SÃO PAULO
Sidão; Eder Militão, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Jucilei; Petros, Hernanes, Cueva (Gomez) e Marcos Guilherme (Denilson); Lucas Pratto.
Técnico: Dorival Júnior

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Alison (Serginho), Matheus Jesus (Kayke) e Renato; Lucas Lima (Copete), Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi



São Paulo domina, vence o Santos e se mantém 100% no Pacaembu

O risco de rebaixamento é um assunto quase superado no São Paulo. Na tarde deste sábado, com Hernanes inspirado, o Tricolor se impôs e venceu o clássico com o Santos, por 2 a 1, em duelo válido pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, mantendo-se com 100% de aproveitamento no Pacaembu neste ano – três vitórias em três jogos.

Empurrado por 40 mil torcedores, o São Paulo abriu 2 a 0, com Marcos Guilherme e Cueva, graças a duas assistências de Hernanes. O Santos diminuiu ainda no primeiro tempo, com Alison. Com uma marcação implacável de Jucilei em Lucas Lima, o time de Dorival Júnior não sofreu grandes sustos e segurou o placar na etapa complementar, conquistando a sua segunda vitória consecutiva, o que não ocorria desde maio.

Com o resultado, o clube do Morumbi ganhou três posições e assumiu provisoriamente o 11º lugar, com 40 pontos, sete acima da zona de descenso. Já o terceiro colocado Peixe sai do clássico enfraquecido na luta pelo título. Com 53 pontos, a equipe treinada por Levir Culpi pode ver Corinthians (59) e Palmeiras (53) se distanciarem no complemento da rodada.

O jogo

O Santos começou esboçando uma pressão, mas foi o São Paulo quem teve a primeira chance de marcar. Logo aos dois minutos, Cueva cobrou escanteio e Hernanes, livre na marca do pênalti, cabeceou com perigo, por cima do gol de Vanderlei.

Aos poucos, o Tricolor foi dominando completamente as ações e abriu o placar aos 16 minutos: Hernanes fez ótimo lançamento para Marcos Guilherme, que ficou na cara do goleiro Vanderlei e o encobriu com um toque de categoria.

Aí o time de Dorival Júnior passou a apostar ainda mais nos contra-ataques. E, em um deles, ampliou a sua vantagem. Aos 21, Cueva tabelou com Pratto, que encontrou Hernanes. Em mais uma assistência do Profeta, o peruano tocou na saída de Vanderlei e viu a bola entrar lentamente no gol.

O Santos acordou com o segundo gol e descontou aos 33 minutos: após cobrança de escanteio, o volante Alison aproveitou a sobra da zaga e, de primeira, soltou a bomba da entrada da área, sem chances para Sidão. Aos 45, Arboleda recebeu cruzamento de Cueva e testou rente à trave, quase marcando o terceiro dos mandantes.

O São Paulo voltou mais recuado para etapa complementar e passou por apuros logo aos quatro minutos, quando a bola foi recuada para Sidão, que quase perdeu a sua posse em dividida com Ricardo Oliveira, assustando a torcida.

Buscando o empate através de jogadas pela linha de fundo, o Peixe se deparou com o forte sistema de marcação são-paulino, que fechou bem as laterais. Parar piorar, Lucas Lima, o principal armador do time alvinegro, foi implacavelmente marcado por Jucilei.

Aos 32 minutos, Hernanes quase deu sua terceira assistência no jogo. O problema é que o volante Petros não aproveitou o passe perfeito e mandou na trave esquerda de Vanderlei. Aos 36, Arboleda perdeu nova oportunidade de ampliar ao cabecear, sem marcação, para fora.

Bastidores – Santos TV:

Levir Culpi é demitido após derrota do Santos para o São Paulo

Agora é de verdade. Levir Culpi não é mais técnico do Santos. Por volta das 20h45 desse sábado, pouco depois da derrota do Peixe para o São Paulo no Pacaembu, o clube divulgou uma nota oficial em que confirma a demissão do treinador. O auxiliar Luiz Matter e o preparador físico Rodolfo Mehl também foram desligados. Elano comandará o time no próximo sábado, contra o Atlético-MG, de forma interina.

Não é a primeira vez que a diretoria decide demitir Levir Culpi. Recentemente, o presidente Modesto Roma Júnior foi demovido da ideia após uma reunião com os jogadores. O próprio técnico já chegou a afirmar que pensou em ‘abandonar o barco’ e, nesse sábado, reclamou de uma cobrança excessiva, na sua visão, em cima da equipe alvinegra.

Sob o comando de Levir Culpi desde o início de junho, o Santos fez 25 jogos, conquistou 11 vitórias, 11 empates e sofreu apenas três derrotas. A equipe acabou eliminada pelo Flamengo, na Copa do Brasil, e pelo Barcelona-EQU, na Copa Libertadores da América, ambas nas quartas de final em plena Vila Belmiro.

No Campeonato Brasileiro, Levir deixa o time provisoriamente na terceira colocação, com 53 pontos. Os quatro tropeços nos últimos cinco jogos da competição por pontos corridos acabaram frustrando os santistas que ainda sonham em buscar o líder Corinthians e pesaram na decisão da diretoria.

Confira a nota oficial do Santos:

“O técnico Levir Culpi não é mais o treinador do Santos FC. Logo após a partida contra o São Paulo, na noite deste sábado (28), válida pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, o ex-comandante foi desligado do comando do Peixe pelo presidente Modesto Roma Júnior. Além do técnico, o auxiliar Luiz Matter e o preparador físico Rodolfo Mehl também foram demitidos. Elano assume o time até o término do Campeonato Brasileiro.”

O Alvinegro Praiano agradece o trabalho de Levir Culpi nestes quatro meses no clube e deseja boa sorte ao treinador que comandou o Peixe no Campeonato Brasileiro, Libertadores e Copa do Brasil.

Levir Culpi vê Santos tão cobrado quanto Barcelona e Real Madrid

O Santos perdeu o clássico para o São Paulo nesse sábado e mais uma chance de encostar no líder Corinthians. Ao fim do jogo no Pacaembu, Levir Culpi foi o único integrante da delegação alvinegra a atender a imprensa e demostrou parte da irritação de toda a equipe com as cobranças em cima do time, seja ela feita por jornalistas especializados, torcedores ou até mesmo pelo viés político, já que esse é um ano eleitoral no clube.

“Foi um resultado normal, se não fossem essas coisas extra-campo. Não estou contente com o resultado, mas o time correu muito e procurou. Hoje tivemos dificuldade com o gramado, sentiram a dificuldade no passe, porque nosso jogo é rápido. O gramado não foi molhado como sempre é aqui, e não sei por quê”, disse o treinador, antes de se aprofundar no clima pesado que o Santos tem tido em seus bastidores.

“Quem acompanha mais de perto entende como funciona, a dificuldade hoje faz parte do campeonato, semana que vem vai ser uma dificuldade e muito parecida. As entrevistas, as críticas caminham junto com o campeonato, tudo normal. O anormal é o desespero das pessoas em desestabilizar o clube, que desde o início está brigando lá em cima”, comentou, para em seguida comparar a cobrança em cima do Peixe com o que sofrem dois dos maiores clubes do mundo.

“Não existe disparidade grande, não estamos jogando na Espanha. A cobrança no Santos é pertinente ao Barcelona e ao Real Madrid, porque só tem dois times na Espanha, os outros times têm 1% da folha (salarial de Barcelona e Real Madrid). Mas aqui não. Vai jogar contra a Ponte Preta para você ver… E a cobrança em time grande é inexplicável, para mim. Não existe essa superioridade aqui, isso está meio chato, não que não tenhamos problemas, não que não tenhamos erros, mas os críticos têm que se colocar no lugar das pessoas”, reclamou.

Levir Culpi chegou a pedir, de forma indireta, uma trégua aos críticos, questionou o posicionamento dos comentários feitos sobre seus jogadores e admitiu que todo esse clima tem pesado na atitude dos atletas em campo nessa reta final de Campeonato Brasileiro.

“É uma somatória. Nosso jogo também não foi tão bom hoje, o problema é o final, tem que chegar na torcida, o desrespeito à perda do emprego, a malhação, o julgamento precoce, isso que deixa um pouco irritado todos os profissionais, mas os tropeços nós estamos acostumados, vamos continuar brigando para chegar lá em cima, não quero que os jogadores percam essa esperança, mas nem todos conseguem fazer tudo muito bem, sempre vai ter gente ali passivo de crítica. É logico que o time se desestabilize, porque somos muito emocionais”, avisou Levir, incomodado.

Santistas decidem não falar com a imprensa e Levir explica motivo

Nenhum jogador do Santos deu entrevista no Pacaembu nem antes, nem no intervalo e nem após a derrota para o São Paulo pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. Todas as explicações couberam a Levir Culpi, que também teve de esclarecer o motivo pelo qual o elenco tomou a decisão de silenciar.

“Os jogadores não querem falar à beira do gramado. Estou com eles. O que se ouve é ofensa à beira do gramado… É agressivo. Após o jogo temos pessoas determinadas para dar entrevista, eu mesmo não me lembro de ter recusado nenhuma entrevista”, afirmou o comandante santista, surpreso pelo ‘pacto’ ter sido mantido também para o pós-jogo. “Estão todos liberados para falar”, completou, deixando claro de que não há nenhuma ordem superior.

Logo após o apito final no clássico, alguns jogadores do Santos chegaram a discutir asperamente. Percebeu-se um clima de irritação alto. Levir Culpi, no entanto, fez questão de minimizar o fato.

“Vivemos muito o emocional, faz parte do trabalho. Cansei de vencer e ver briga no vestiário, faz parte, todos estão nervosos. Mesmo quando ganha, acontece”, argumentou.

Por fim, o técnico revelou uma conversa que teve com seu grupo de jogadores e mostrou que o pensamento da equipe é de se fechar ao máximo na tentativa de blindar as críticas e as cobranças que têm chego de fora, de todas as maneiras.

“Nosso time joga regularmente bem. Hoje, por exemplo, a diferença técnica foi muito igual. O resultado é o que pesa na balança. Minha preocupação com eles foi fazer o seguinte: ‘vamos jogar e procurar fazer o melhor dentro de campo, não julguem as pessoas, não julguem esses que estão querendo matar a gente, vamos jogar por nós, não adianta retribuir com a mesma raiva, a gente não ganha nunca. É procurar entender as pessoas e viver melhor’. Mas futebol é um jogo. Todo mundo correu, procurou fazer o melhor e dentro disso está tudo bem para mim”, encerrou.

Modesto comenta demissão de Levir Culpi, e descarta efetivar Elano

Diante da demissão de Levir Culpi no sábado, após a derrota por 2 a 1 no clássico contra o São Paulo, no Pacaembu, o presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, afirmou ter desligado o treinador “na hora certa” e ainda descartou uma possível efetivação de Elano no próximo ano, em entrevista neste domingo.

“Eu não me arrependo e acho que as coisas têm que chegar e ter uma maturação. Foi feita essa maturação. A questão não é resultado, é toda uma contingência que leva a isso. O momento para a demissão era esse. Algumas pessoas acharam que era antes, como isso é recorrente no futebol”, disse em entrevista ao Fox Sports.

Questionado sobre a forma com que se deu o desligamento do técnico, horas depois do San-São, o mandatário garantiu ter agido de maneira racional: “A decisão é um conjunto de situações, e a gente tem que analisar tudo quando tem que tomar uma decisão. A decisão não é emocional. Ela é baseada em fatos. Conversei com o Levir depois do jogo e entendemos que era um momento de encerrar o ciclo”, explicou.

Com a saída do experiente treinador de 64 anos, abre-se uma ‘brecha’ para Elano, que comandará o Peixe nos sete jogos finais do Campeonato Brasileiro. O ex-atleta terá sua comissão técnica formada com dois auxiliares também do clube: Marcelo Fernandes e Serginho Chulapa.

Apesar de já ter revelado publicamente a vontade de tornar-se treinador de futebol, Elano terá de esperar – ao menos busque pelo desafio em outro clube. Isso porque, durante a entrevista, Modesto ainda disse que ele participará da montagem da equipe para o próximo ano, mas não será efetivado até por estar tirando todas as licenças que serão obrigatórias a partir de 2019.

“O Elano vai assumir a responsabilidade até o final do ano. O planejamento de 2018 está mantido. Neste momento, o grupo está bem servido com o Elano. Na comissão técnica ele fica, 2018 é o ano que ele vai fazer a formação dele, tirar todas as licenças que passam a ser obrigatórias em 2019”, assegurou.

Elano comandou o Alvinegro Praiano somente em duas oportunidades, neste Brasileirão, quando a direção optou por demitir Dorival Júnior. À época, o ex-meia demonstrou personalidade, fez algumas alterações a gosto e conquistou duas vitórias em dois jogos: venceu o Botafogo por 1 a 0 no Pacaembu e bateu o Atlético-PR por 2 a 0 em plena Arena da Baixada.

Vale lembrar que pouco se fala sobre possíveis substitutos de Levir Culpi porque o Santos está em período eleitoral. Com a votação para se conhecer o presidente para os próximos três anos marcada para o dia 9 de dezembro, é bem provável que esta incumbência seja destinada ao novo dirigente.

Além da tentativa de reeleição de Modesto, os candidatos à presidência do Santos em 2014, José Carlos Peres e Orlando Rollo, uniram-se e serão uma opção. Andres Rueda Garcia é o outro candidato de oposição.