São Paulo 1 x 0 Santos

Data: 20/05/2018, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 6ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 40.465 pagantes
Renda: R$ 954.725,00.
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Kleber Lúcio Gil e Neuza Inês Back (ambos de SC).
Cartões amarelos: Anderson Martins (2), Militão, Reinaldo, Hudson (SP); Yuri Alberto e David Braz (S).
Cartão vermelho: Anderson Martins (SP).
Gols: Diego Souza (10-2).

SÃO PAULO
Sidão; Militão, Anderson Martins, Bruno Alves e Reinaldo (Edimar); Jucilei, Hudson, Marcos Guilherme, Everton (Liziero) e Nenê; Diego Souza (Tréllez).
Técnico: Diego Aguirre

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison (Jean Mota), Renato e Vitor Bueno (Yuri Alberto); Gabigol, Rodrygo e Eduardo Sasha (Copete).
Técnico: Jair Ventura



Diego Souza marca, São Paulo bate o Santos e salta na tabela

O São Paulo entrou em campo nesse domingo na 10ª colocação, mas vai terminar o fim de semana em 5º lugar, a um ponto do Palmeiras (10 e 11), primeiro membro do G4 no Campeonato Brasileiro depois de seis rodadas disputadas. Tudo por causa de uma vitória contundente, apesar do placar de 1 a 0, em cima do Santos, diante de 40.465 torcedores no Morumbi. Já são nove jogos de invencibilidade e o fim da série de quatro empates seguidos.

E os três pontos no clássico podem mais uma vez caírem na conta de Diego Souza. O camisa 9 fez as pazes de vez com a torcida tricolor ao marcar o terceiro gol pela terceira vez consecutiva na casa são-paulina.

O passe veio de Everton, da ponta de esquerda, pelo alto. Diego Souza, como digno centroavante, ganhou de David Braz e contou com tarde pouco inspirada de Vanderlei para estufar as redes. Agora são seis gols em 21 partidas do artilheiro do São Paulo na temporada. Detalhe que só um foi marcado longe do Cícero Pompeu de Toledo.

O tento dos mandantes aos 10 minutos da etapa final liquidou um jogo pragmático e de muita falta de criatividade pelo lado santista, principalmente no primeiro quando, quando os comandados de Jair Ventura limitaram-se a se defender.

O próprio Diego Souza, além de Nenê, Militão e Reinaldo tiveram chances claríssimas para abrir o placar antes do intervalo. Nenê, aliás, carimbou a trave do Peixe em chute de longe.

O Santos dependia exclusivamente dos lampejos do menino Rodrygo, que não se escondeu, mas esbarrou na marcação quase sempre dupla de seus marcados. Gabriel, Vitor Bueno e Sasha praticamente não foram vistos em campo.

Quando teve de correr atrás o prejuízo, o Alvinegro Praiano até assustou em chute de longa distância de Jean Mota, defendido por Sidão, e depois com Yuri Alberto, dessa vez por causa de falha do goleiro do São Paulo, que não encaixou uma bola fácil na saída do gol. Nem mesmo a expulsão de Anderson Martins nos minutos finais serviu para os visitantes exercerem alguma pressão em busca do empate.

De qualquer forma, foi pouco para o Peixe, que depois de perder para o Luverdense com muitos reservas, foi para o Morumbi com o que tinha de melhor e não fez frente ao São Paulo. Com seis pontos, o Santos cai para a 14ª colocação na tabela de classificação.

Bastidores – Santos TV:

Jair resume derrota no San-São em “detalhes” e não vê time retraído

Jair Ventura usou a velha frase dos “clássicos decididos em detalhes” para resumir a derrota do Santos por 1 a 0 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico valorizou o rival, citou a posse de bola santista (55×45%) e já pediu pela reação na Libertadores – o Peixe enfrentará o Real Garcilaso-PER, quinta-feira, na Vila Belmiro, para vencer e terminar a primeira fase na liderança do Grupo 6.

“Aquela velha máxima que o clássico é decidido em detalhes. E o São Paulo marcou o gol em uma bobeira nossa. Sabemos que clássico é assim, com torcida empurrando. O São Paulo é o único invicto no Brasileiro. O Santos é o único a ganhar do São Paulo aqui no ano e hoje infelizmente não conseguimos. Importante trabalhar para na Libertadores ficar com a primeira colocação do grupo”, disse Jair, em entrevista coletiva.

“A gente não tem conseguido jogar fora de casa. O Santos teve mais posse de bola, então não fomos retraídos, e sim foi uma derrota”, completou.

O Santos teve menos posse de bola do que o São Paulo enquanto esteve atrás do placar. A partir dos 10 minutos do segundo tempo, com o gol de Diego Souza, o Peixe foi ao ataque e ensaiou uma pressão, mas não surtiu efeito.

Jair volta a pedir um 10, descarta Bruno Henrique e comenta pressão no Santos

A derrota do Santos por 1 a 0 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, voltou a mostrar a deficiência do Santos na armação. Vitor Bueno foi mantido e não foi bem. Jean Mota entrou e não melhorou o time. No fim das contas, o atacante Rodrygo foi quem terminou o clássico na função.

O técnico Jair Ventura voltou a pedir por um camisa 10 e afirmou que está procurando soluções no elenco enquanto esse atleta não chega.

“Estamos buscando esse homem de ligação, já que não adianta ter muito atacante só. Hoje, não temos esse camisa 10 no elenco e crio alternativa. O Vitor Bueno faz essa função, mas não tenho opção. Rodrygo e Sasha já improvisaram e será assim enquanto não acharmos um camisa 10 no mercado. Mas temos de dar solução. Nem sempre vamos conseguir, principalmente quando perde. Bueno está com mais chances e vamos buscar. de repente, vamos jogar com esse 10. É uma carência como falamos desde o primeiro jogo. Mas competições não param e estamos vivos em todas, apesar de não ganhar fora. No Brasileiro, temos um jogo a menos e não tem nem um quarto do campeonato. Incomoda não vencer em casa, nós nos cobramos bastante por isso, e tentamos não ficar agoniados e com ânsia de vencer fora. E não podemos perder 100% em casa. Temos de vencer em casa e fora para brigar lá em cima”, disse Jair, em entrevista coletiva.

O treinador ainda descartou Bruno Henrique para a partida contra o Real Garcilaso-PER, quinta-feira, na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores da América. Com o camisa 11 a disposição, Jair pensa escalar quatro atacantes e Rodrygo mais recuado.

“Ele volta a treinar com bola nesta semana, fica muito em cima, requer adaptação ao campo e companheiros., Infelizmente, não joga na quinta. Perdemos Arthur, hoje Alison, e perdemos mais dois agora. Vamos extraindo, tirando o máximo para alcançar nossos objetivos, mesmo sem ser fácil. É lógico que não jogamos o melhor futebol do Brasil, mas temos as nossas responsalidades e faremos sempre o máximo para levar o Santos na frente, como temos feito”, explicou.

Por fim, o comandante do Santos analisou a pressão no comando após resultados ruins. Em 2018, mesmo com a eliminação na semifinal do Campeonato Paulista e as classificações para as oitavas de final da Libertadores e quartas da Copa do Brasil, são 11 derrotas em 28 jogos, além de 12 vitórias e cinco empates.

“Eu já temia meu futuro antes de chegar. A vida de técnico sempre está em xeque, faz parte da nossa profissão. O percentual é baixo, mas as classificações foram alcançadas. O Santos junto com outros times está fazendo frente em todos os campeonatos. O melhor percentual do Paulista não foi campeão (Palmeiras), então o aproveitamento não vai te levar aos seus objetivos. O Santos está alcançando seus objetivos”, concluiu.

Presidente do Santos banca Jair e quer reavaliá-lo após reforços

O Santos é o clube da Série A do Campeonato Brasileiro com mais derrotas em 2018. O Peixe não perdia 11 vezes em 28 jogos desde 1954. Mesmo assim, o técnico Jair Ventura segue prestigiado no alvinegro depois do último tropeço – 1 a 0 para o São Paulo, no Morumbi, em clássico no último domingo.

O presidente José Carlos Peres entende que Jair faz o possível com as opções disponíveis no elenco. A ideia é trazer contratações importantes durante o período da Copa do Mundo na Rússia, entre junho e julho, e reavaliá-lo após os reforços.

Depois da goleada por 5 a 1 para o Grêmio, em Porto Alegre, o Comitê de Gestão se reuniu e votou pela permanência de Jair Ventura. A opinião do colegiado é importante, mas a prerrogativa de admitir ou demitir é do presidente Peres. O dirigente busca apenas o aval dos oito demais membros.

O Santos contratou três reforços em 2018 – os titulares Dodô, Eduardo Sasha e Gabigol. Sem grandes recursos financeiros, o Peixe aposta na criatividade para gastar pouco e não errar. A prioridade é por atletas para o ataque, principalmente um novo camisa 10.

Em entrevista coletiva depois da derrota para o São Paulo, o técnico Jair Ventura afirmou que se sente pressionado desde antes de assumir o cargo em janeiro.

“Eu já temia meu futuro antes de chegar. A vida de técnico sempre está em xeque, faz parte da nossa profissão. O percentual é baixo, mas as classificações foram alcançadas. O Santos junto com outros times está fazendo frente em todos os campeonatos. O melhor percentual do Paulista não foi campeão (Palmeiras), então o aproveitamento não vai te levar aos seus objetivos. O Santos está alcançando seus objetivos”, explicou.

Maior derrotado da Série A, Santos não perdia tanto desde ano da estreia de Pepe

Com a derrota para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, o Santos se tornou a equipe da Série A do Campeonato Brasileiro com mais resultados negativos em 2018. O Peixe perdeu 11 vezes em 28 jogos na temporada – mesmo número de Vasco e Vitória, porém, os times têm 30 e 34 partidas, respectivamente. O alvinegro ainda tem 12 vitórias e cinco empates.

O alto número de derrotas em compromissos oficiais não é comum na vitoriosa história do Santos. O último ano com tantos revezes foi o de 1954 – 12 em 28 oportunidades. O período marcou a estreia de dois ídolos bicampeões mundiais pelo Peixe: o atacante José Macia, o Pepe, em maio, e o técnico Lula, em junho.

Mesmo com tantas derrotas, o alvinegro se classificou para as oitavas de final da Libertadores da América com uma rodada de antecedência, está nas quartas de final da Copa do Brasil e foi eliminado apenas na semifinal do Campeonato Paulista. No Brasileirão, após cinco jogos (um a menos), o clube da Vila Belmiro ocupa a 14ª colocação.

Veja abaixo o levantamento feito pela Gazeta Esportiva:

2018 – 11 derrotas em 28 jogos
2017 – 8 derrotas em 28 jogos
2016 – 4 derrotas em 28 jogos
2015 – 4 derrotas em 28 jogos
2014 – 3 derrotas em 28 jogos
2013 – 3 derrotas em 28 jogos
2012 – 6 derrotas em 28 jogos
2011 – 4 derrotas em 28 jogos
2010 – 4 derrotas em 28 jogos
2009 – 6 derrotas em 28 jogos
2008 – 9 derrotas em 28 jogos
2007 – 1 derrota em 28 jogos
2006 – 4 derrotas em 28 jogos
2005 – 4 derrotas em 28 jogos
2004 – 7 derrotas em 28 jogos
2003 – 4 derrotas em 28 jogos
2002 – 8 derrotas em 28 jogos
2001 – 9 derrotas em 28 jogos
2000 – 7 derrotas em 28 jogos
1999 – 7 derrotas em 28 jogos
1998 – 4 derrotas em 28 jogos
1997 – 5 derrotas em 28 jogos
1996 – 10 derrotas em 28 jogos
1995 – 5 derrotas em 28 jogos
1994 – 6 derrotas em 28 jogos
1993 – 7 derrotas em 28 jogos
1992 – 6 derrotas em 28 jogos
1991 – 8 derrotas em 28 jogos
1990 – 5 derrotas em 28 jogos
1989 – 6 derrotas em 28 jogos
1988 – 8 derrotas em 28 jogos
1987 – 4 derrotas em 28 jogos
1986 – 10 derrotas em 28 jogos
1985 – 8 derrotas em 28 jogos
1984 – 6 derrotas em 28 jogos
1983 – 4 derrotas em 28 jogos
1982 – 9 derrotas em 28 jogos
1981 – 7 derrotas em 28 jogos
1980 – 5 derrotas em 28 jogos
1979 – 9 derrotas em 28 jogos
1978 – 10 derrotas em 28 jogos
1977 – 8 derrotas em 28 jogos
1976 – 7 derrotas em 28 jogos
1975 – 10 derrotas em 28 jogos
1974 – 6 derrotas em 28 jogos
1973 – 5 derrotas em 28 jogos
1972 – 9 derrotas em 28 jogos
1971 – 5 derrotas em 28 jogos
1970 – 8 derrotas em 28 jogos
1969 – 7 derrotas em 28 jogos
1968 – 4 derrotas em 28 jogos
1967 – 5 derrotas em 28 jogos
1966 – 7 derrotas em 28 jogos
1965 – 6 derrotas em 28 jogos
1964 – 5 derrotas em 28 jogos
1963 – 4 derrotas em 28 jogos
1962 – 4 derrotas em 28 jogos
1961 – 5 derrotas em 28 jogos
1960 – 8 derrotas em 28 jogos
1959 – 3 derrotas em 28 jogos
1958 – 6 derrotas em 28 jogos
1957 – 8 derrotas em 28 jogos
1956 – 3 derrotas em 28 jogos
1955 – 9 derrotas em 28 jogos
1954 – 12 derrotas em 28 jogos