Santos 1 x 0 União São João

Data: 28/01/1996, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1º turno – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.538 pagantes
Renda: R$ 82.243,00
Árbitro: Dionisio Roberto Domingos
Gol: Giovanni (14-2).

SANTOS
Edinho; Marcos Adriano, Jean, Ronaldo Marconato e Marcos Paulo (Cerezo); Gallo, Vágner, Giovanni e Kennedy; Camanducaia (Robert) e Marcelo Passos (Arthur).
Técnico: Candinho

UNIÃO SÃO JOÃO
Adnan; Anderson, Lica, Fabinho e Pedrinho; MArcelo Lopes, Rogerinho, Cleomar (Luciano) e Fabricio; Robinho (Didi) e Silvinho.
Técnico: Play Freitas



Giovanni faz gol da vitória do Santos contra o União

Com um gol de Giovanni, aos 14min do segundo tempo, o Santos venceu o União São João de Araras, ontem, na Vila Belmiro, na sua estréia no Paulista-96.

Mesmo sem mostrar um futebol vistoso, o time provou que é candidato ao título paulista.

O jogo marcou ainda a estréia oficial dos jogadores Arthur e Kennedy, do Zimbábue.

O calor de 35 graus prejudicou o espetáculo, notadamente no segundo tempo, quando as equipes mostraram desgaste físico e procuraram tocar a bola, evitando as jogadas em velocidade.

O meia-atacante Giovanni, mesmo com marcação individual, teve bons momentos e, além do gol, cabeceou duas bolas na trave.

“Sentimos a falta de um melhor condicionamento físico, o que é normal em início de temporada. Mesmo assim, fomos melhor do que o União, e a vitória foi justa”, disse Giovanni.

Ele se submeterá hoje cedo a uma radiografia na mão direita para saber se fraturou o polegar.

Para o técnico Candinho, a estréia foi satisfatória. Até porque o time jogou desfalcado de Narciso, Jamelli, Carlinhos, Sandro e um especialista na lateral direita.

“Faltou entrosamento, principalmente no ataque. Mesmo assim, marcamos um gol e criamos três chances reais de ampliar o marcador. Num campeonato tão difícil quanto o Paulista o que vale são os pontos conquistados. A equipe soube administrar a vantagem”, disse Candinho.

O Santos iniciou a partida pressionando o União. Logo aos 2min, criou a primeira chance de gol, com Camanducaia chutando forte rente à trave esquerda.

O União congestionou o meio-campo, com marcação forte sobre Giovanni, tentando anular o toque de bola do adversário.

Só que os deslocamentos de Giovanni, levando a marcação, abriram espaço para Kennedy e Marcelo Passos, que souberam municiar o ataque.

Aos 13min, em uma jogada pelo setor esquerdo, Marcelo Passos driblou Anderson e cruzou para Giovanni, que subiu sem marcação e cabeceou na trave esquerda.
No rebote, o mesmo Giovanni tentou a bicicleta, mas a bola saiu pela linha de fundo.

Apesar da pressão, o Santos encontrou dificuldades para entrar na área adversária. O União impôs seu ritmo e equilibrou o jogo.

Aos 18min, numa cobrança de falta de Cleomar, Edinho fez difícil defesa no canto esquerdo.

Giovanni, sentindo que o adversário crescia no jogo, levantou os braços e pediu para a torcida vibrar e estimular a equipe.

Aos 31min, ele deixou o campo contundido. Voltou três minutos depois, com uma proteção na mão direita.

A principal jogada do União foi aos 39min. Silvinho recebeu livre, invadiu a área e, na frente de Edinho, chutou para fora.

Na etapa complementar, o Santos manteve a pressão. Aos 11min, Candinho promoveu as entradas de Cerezo e Robert nos lugares de Marcos Paulo e Camanducaia.

O time ganhou agressividade e, na sua primeira participação, Robert sofreu falta. Giovanni cobrou com rapidez para o próprio Robert, que devolveu para Giovanni chutar forte, de pé direito, sem chance para Adnan.

Na frente no marcador, o Santos procurou administrar a partida. O União exerceu pressão nos minutos finais, mas sem exigir nenhuma grande defesa de Edinho.



Candinho luta para conter clima de euforia no Santos

O Santos quer demonstrar hoje, às 17h, contra o União São João, na Vila Belmiro, que é um dos mais fortes candidatos ao título de campeão paulista de 96.

O técnico Candinho, no entanto, tenta conter o entusiasmo dos jogadores, que apostam no título. “Nos últimos anos, o Santos nunca iniciou um campeonato tão bem cotado para ser campeão como agora. De surpresa em 95, passamos a realidade este ano. Isso vai dificultar muito as coisas”, disse o capitão do time, Gallo.

A opinião de Gallo sintetiza o pensamento do time. Os jogadores dizem que 96 é o ano do Santos.

Alguns, como o ponta Camanducaia, usam frases da torcida para resumir o espírito do time.

“Na final do Campeonato Brasileiro, os torcedores gritavam que tinha chegado a hora de gritar ‘é campeão’. Se o time não estava preparado naquela ocasião, agora é diferente. Temos tudo para chegar às finais”, disse.

O técnico Candinho recusa-se enfaticamente a considerar o Santos favorito ao título. O treinador prega seriedade e usa o seu ex-time, a Portuguesa, como exemplo.

“No último Paulista, ganhamos os dois turnos e, mesmo assim, não fomos nem à final. Não quero essa conversa de favorito. Quero o time com os pés no chão”, afirmou, em alusão ao nome da política implantada no clube por Pelé.

Segundo o treinador, a prova de que o Santos enfrentará dificuldades no torneio será dada hoje.

Ele acredita que o time do União mostrará como os adversários se armarão para enfrentar o Santos e sua principal arma, o meia-atacante Giovanni.
“Todo mundo vai querer parar o nosso ataque. O Giovanni vai ser muito marcado. Ele terá que se movimentar para ter boas chances na partida”, disse Candinho.

O treinador alertou os jogadores para uma provável retranca do União. Ele pediu para o time marcar a saída de bola do adversário.
Orientou também o time a explorar as laterais, principalmente com Camanducaia pela direita.

Para o jogo de hoje, o técnico improvisará Marcos Adriano na lateral direita. Marcos Paulo será o lateral-esquerdo. Camanducaia substitui Jamelli, que, juntamente com Narciso, está sem contrato.

Jamelli deve assinar contrato

O meia-atacante Jamelli deve acertar hoje a renovação de contrato por mais uma temporada com o Santos. O salário já está acertado. Falta apenas definir a forma do pagamento das luvas.

A diretoria também espera definir nas próximas horas a permanência do zagueiro Narciso. “A negociação está bem adiantada”, disse o diretor de futebol, José Paulo Fernandes.

Já o lateral-direito Cláudio, contratado por empréstimo junto ao São Paulo, é aguardado hoje cedo na Vila Belmiro para assinar contrato e iniciar os treinamentos.

O técnico Candinho elogiou a rapidez com que a diretoria vem tratando a renovação de contratos.

Para a partida com os Juventus, quarta-feira, às 16h, em Santo André, o treinador espera contar com Sandro, que não jogou ontem porque sua documentação não foi enviada por seu ex-clube, o Sport.

Candinho lamenta apenas a ausência de Carlinhos, “um jogador importante na consistência do meio-campo”. O volante se contundiu no joelho esquerdo e será submetido a artroscopia na quinta. Deve voltar a treinar em 30 dias.

Giovanni quer ouro olímpico

O meia-atacante Giovanni, um dos melhores jogadores brasileiros de 95, disse estar determinado a levar o Santos às finais do Paulista “custe o que custar”.

Ele sonha em ser campeão paulista e olímpico. “É um sonho que vou fazer tudo para tornar realidade”.

Repórter – O otimismo que tomou conta da equipe não pode atrapalhar o time no campeonato?
Giovanni – Não. Não somos mais um time inexperiente. Não sei quanto aos outros, mas nós estamos determinados a levar o Santos à final, custe o que custar.

Repórter – Você teme ser caçado em campo?
Giovanni – Espero que não haja violência, mas sei que o time do Santos sofrerá uma forte marcação. O Santos hoje não é mais zebra. É uma equipe temida.

Repórter – O Santos é favorito ao título paulista?
Giovanni – O Santos é um dos favoritos para chegar às finais do campeonato. O título é outra história.

Repórter – Além de manter quase a mesma equipe vice-campeã brasileira, o Santos trouxe reforços. O time está mais forte?
Giovanni – Sem dúvida. Estamos com um time muito forte, entre os melhores do Brasil. Mas isso precisa se comprovar dentro de campo.

Repórter – Quais os seus outros objetivos para este ano?
Giovanni – Gostaria muito de defender a seleção brasileira na Olimpíada. Sei que a minha convocação é difícil, mas quero tentar.

Repórter – A idéia é ser campeão paulista e olímpico?
Giovanni – Por enquanto isso é um sonho, um sonho que vou fazer de tudo para transformar em realidade.



Créditos: Vídeo do SBT Esporte, postado por Wesley Miranda.