O Santos começou ontem a procurar um novo técnico, em substituição a Cabralzinho. Candinho é o nome mais cotado.

Candinho foi procurado ontem pela diretoria. A oferta do Santos é em torno de R$ 25 mil mensais de salário e luvas de R$ 80 mil.

Além de Candinho, a diretoria trabalha com os nomes de Hélio dos Anjos, que dirigiu o Goiás no Brasileiro, e Nelsinho Batista. Nelsinho também foi procurado pela diretoria, mas afirmou que possui proposta para voltar ao Japão e dirigir o Verdy Kawasaki.

Ontem, o presidente Samir Abdul Hak negou que tivesse uma reunião agendada com o treinador na última terça-feira. “Nem eu nem o Clodoaldo (vice-presidente) marcamos qualquer reunião.”

Cabralzinho esteve na terça-feira na Vila Belmiro. Ele chegou ao clube às 18h30 e esperou algum dirigente santista até as 19h30. Quando deixava a Vila, foi abordado por Clodoaldo, que o teria convidado a retornar e conversar sobre o contrato.

Cabralzinho, irritado, se negou a conversar. A atitude foi classificada como “insubordinação”.

Na noite de anteontem, a diretoria se reuniu e decidiu pela saída do treinador. O anúncio oficial só não foi feito imediatamente para que os diretores ganhassem tempo para contratar um novo treinador.

Ontem, Cabralzinho disse ter sido surpreendido ao receber uma proposta menor do que a que, segundo ele, já acertara com o clube. “Agora, quem não quer sou eu.”

Candinho acerta com o Santos para dirigir time no Paulista-96

Candinho é o novo técnico do Santos, em substituição a Cabralzinho, que levou o time à decisão do Campeonato Brasileiro de 95.

O ex-técnico da Portuguesa assinou contrato com o clube santista às 22h30 de ontem, pelo prazo de seis meses.

Candinho, que já foi técnico do Santos no Campeonato Paulista de 87, se apresenta no clube nesta segunda-feira, juntamente com os jogadores. As bases salariais do contrato não foram divulgadas nem pelo treinador, nem pela diretoria do clube.

A Agência Folha apurou, no entanto, que a oferta do Santos era de R$ 25 mil mensais e luvas (prêmio) no valor de R$ 80 mil.

Além de Candinho, a diretoria trabalhava com os nomes de Hélio dos Anjos, que dirigiu o Goiás no Brasileiro, e Nelsinho Batista.

Nelsinho também foi procurado pela diretoria, mas afirmou que tinha proposta para voltar ao Japão e dirigir o Verdy Kawasaki.

Cabralzinho esteve na terça-feira na Vila Belmiro. Ele chegou ao clube às 18h30 e esperou algum dirigente santista até as 19h30. Quando deixava a Vila, foi abordado por Clodoaldo, que o teria convidado a retornar e conversar sobre o contrato.

Cabralzinho, irritado, se negou a conversar. A atitude foi classificada como “insubordinação”.

Na noite de anteontem, a diretoria decidiu pela saída do treinador. O anúncio só não foi feito imediatamente para que os diretores contratassem um novo treinador.



Candinho quer atletas experientes no Santos ( Em 06/01/1996 )

O novo técnico do Santos, Candinho, 50, quer jogadores experientes para reforçar o time no Campeonato Paulista. “Se for para contratar, quero jogadores que venham para ser titulares”, afirmou. Ele citou como exemplos Gilmar (zagueiro do São Paulo) e Paulinho (centroavante que jogou pelo Cruzeiro no Brasileiro).

“Com exceção do Gallo, o Santos não tem jogadores experientes”, disse Candinho. Segundo ele, “faltou experiência” na final do Brasileiro.

Candinho negou que já tenha pedido reforços para a diretoria. “Acho que iremos precisar, principalmente porque não teremos o Jamelli e o Narciso no início”. Jamelli e Narciso devem disputar o Pré-olímpico pela seleção.

“Além disso, o Santos carece de um centroavante especialista em bolas altas. Hoje, quem faz isso é o Giovanni.”

Além de possíveis contratações, Candinho afirmou que a sua principal preocupação é com a renovação dos contratos dos jogadores Jamelli, Narciso, Gallo, Camanducaia e Giovanni.

“Pedi para que a diretoria se empenhasse o máximo possível para manter a base do time vice-campeão. Pelo que senti, não haverá problemas”, afirmou.

Candinho, que inicia o seu trabalho nesta segunda-feira, disse que irá “trabalhar a cabeça dos jogadores para que o sucesso do Brasileiro não atrapalhe no Campeonato Paulista”.

Mesmo não querendo prometer resultados, Candinho foi categórico: “Uma das quatro vagas da final do Paulista tem de ser do Santos. O Santos, comigo, tem que ter o compromisso com a vitória.”