Santos 3 x 0 Bahia

Data: 14/11/2013, quinta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 15.273 presentes (13.597 pagantes e 1.676 não pagantes)
Renda: R$ 133.102,00
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ).
Auxiliares: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn (ambos do PR).
Cartão amarelo: Helder (B).
Gols: Montillo (36-1); Cícero (20-2) e Cícero (25-2).

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Emerson Palmieri; Alison (Alan Santos), Arouca (Renato Abreu), Cícero e Montillo (Marcos Assunção); Thiago Ribeiro e Geuvânio.
Técnico: Claudinei Oliveira

BAHIA
Marcelo Lomba; Fabrício (Madson), Titi, Demerson e Raul; Hélder, Rafael Miranda, Fahel (Souza) e Marquinhos (Talisca); Wallyson e Obina.
Técnico: Cristóvão Borges



Com dois gols de Cícero, Santos se recupera e complica Bahia

Depois de série de dois empates e uma derrota, o time da Vila Belmiro fez 3 a 0 nos baianos e chegou aos 48 pontos, na parte intermediária da tabela

O Santos acabou com a série de três rodadas sem vitórias no Campeonato Brasileiro. Na noite desta quinta-feira, no estádio do Pacaembu, o time do técnico Claudinei Oliveira fez 3 a 0 sem sustos contra o Bahia , que se complicou na parte de baixo da classificação.

O destaque santista foi o meio-campista Cícero, que marcou o segundo e o terceiro gols da partida. Já quem abriu o placar foi o argentino Montillo. Apesar de não ter balançado as redes, Thiago Ribeiro também brilhou, participando dos gols de Cícero.

Depois de uma série de dois empates e uma derrota, o Santos volta a vencer e chegou aos 48 pontos, na parte intermediária da tabela. Já o Bahia acumula agora sete partidas seguidas sem ganhar no Brasileirão, permanecendo com 39 pontos, muito perto do perigo.

Assim como aconteceu nas partidas de quarta, o jogo no Pacaembu teve protesto dos jogadores no início. Os dois times entraram em campo carregando faixa com a seguinte mensagem: “Por um futebol melhor para todos”. Depois, quando o árbitro autorizou o início, os dois times trocaram passes, sem qualquer disputa, por pouco menos de um minuto. Só depois da manifestação o confronto realmente começou.

O jogo:

Apesar da necessidade dos dois times de voltar a vencer, ambos iniciaram a partida desorganizados em campo. O Bahia se concentrou apenas em buscar jogadas pela esquerda, com o lateral Raul e o atacante Wallyson. Já o Santos mostrou dependência por Montillo, com Geuvânio tentando arriscar também alguns lances.

O Peixe chegou a ter duas oportunidades em cobranças de faltas, mas desperdiçou ambas. Assim, a partida demorou a ter emoção. O primeiro lance de perigo saiu apenas aos 25 minutos, depois que Edu Dracena não conseguiu cortar lançamento. A bola sobrou para Wallyson, que rolou na direita para Obina arrematar cruzado, rasteiro. Aranha se esticou para salvar o time paulista.

A jogada acordou o Santos, que respondeu cinco minutos depois. Geuvânio dominou pela direita, cortou para o meio e bateu de pé esquerdo. Marcelo Lomba espalmou, e a bola ainda acertou o travessão antes de sair pela linha de fundo. Aos 36, o Peixe abriu o placar. Emerson pegou a bola pela esquerda, em rebote de Fabrício, e fez a assistência na meia-lua para Montillo, que driblou o marcador e bateu cruzado para fazer o gol.

Antes do fim do primeiro tempo, o Bahia desperdiçou boa chance de empatar. Marquinhos recebeu cruzamento da esquerda nas costas da zaga, com liberdade, mas não conseguiu dominar, quase na linha da pequena área, e Aranha ficou com a bola.

No segundo tempo, o Santos voltou melhor. Em cobrança de falta de Montillo da intermediária, Gustavo Henrique cabeceou, a bola desviou em Cícero e passou perto da trave. Depois do revés, Cristóvão Borges tirou o volante Fahel para colocar o atacante Souza, que, em sua primeira oportunidade, desperdiçou chance de frente para o gol.

Já o Santos não falhou na oportunidade seguinte. Aos 25, Thiago Ribeiro roubou a bola no meio-campo e lançou para Montillo, que ajeitou de cabeça para Cícero arrematar para as redes. A partir daí, o Santos só teve de administrar o resultado, sem ser incomodado pelo cada vez mais preocupado Bahia.

Bastidores – Santos TV:

Cícero divide méritos com colegas e mantém sonho por G-4

O meio-campista Cícero se destacou com dois gols na vitória por 3 a 0 do Santos sobre o Bahia, mas não assumiu a condição de herói do Santos na noite desta quinta-feira, no estádio do Pacaembu. O artilheiro do confronto preferiu manifestar seu reconhecimento aos colegas pela ajuda nos gols.

“Voltamos para o segundo tempo com a proposta de contra-ataque, porque sabíamos que eles sairiam para o jogo. Mas nosso time fez umas jogadas que eram ‘sacanagem’, com Montillo, Thiago Ribeiro e Geuvânio. É mérito de todo mundo”, afirmou.

O Santos abriu o placar com o meia argentino, que recebeu de Emerson, passou pela marcação e mandou para as redes. No segundo tempo, Thiago Ribeiro avançou pela direita e cruzou atrás da zaga para Cícero completar para o gol.

Pouco depois, o mesmo atacante roubou a bola no meio-campo e lançou para Montillo, que ajeitou de cabeça para Cícero marcar mais uma vez. Depois da vitória, o autor dos dois tentos manifestou seu sonho de chegar à zona de classificação para a Copa Libertadores.

“Nós queríamos o título e não conseguimos, mas estamos vivos pelo G-4 e vamos continuar lutando”, completou o atleta, lembrando que o Santoschegou aos 48 pontos, na parte intermediária da tabela da tabela do Campeonato Brasileiro. O quarto colocado é o Goiás, que tem 56.

‘Falso nove’, Montillo elogia Cícero e se apega a mínima chance de entrar na Libertadores

Ao lado de Cícero, o meia Montillo foi o destaque da vitória do Santos sobre o Bahia, por 3 a 0, na noite desta quinta-feira, no Pacaembu. O argentino explicou o posicionamento como ‘falso nove’,as dificuldades que encontra nesta posição, as chances pelo G-4 e também elogiou a fase do companheiro de equipe.

“Graças a Deus o time foi bem. O primeiro tempo foi equilibrado, mas depois do gol, a equipe ficou mais tranquila e conseguimos jogar muito bem. O Claudinei gosta de jogar com dois caras bem aberto e eu tento fazer esse falso nove. Tento entrar mais na área, confundir a marcação dos zagueiros. Quando dá certo, sempre sai jogadas muito boas. Às vezes, com a marcação mais forte, fica difícil. Mas a gente tem uma equipe com muita qualidade no meio campo. E temos o Cícero, que está acima da média, fazendo muitos gols”, afirmou o camisa 10.
O argentino comentou a boa atuação que teve no triunfo santista, elogiou o elenco e evitou fazer projeções caso não tivesse se lesionado com frequência na temporada.

“Jogando com jogadores qualidade ao lado, fica muito mais fácil para mim. É claro que ninguém quer se machucar. Não tem como saber se eu não estivesse machado. O nosso presente é esse, com 48 pontos. Ainda temos uma mínima chance de entrar no G-4. Espero que no nordeste (contra o Vitória), a gente consiga mais três pontos para continuar sonhando”, disse Montillo.

“Temos que ganhar todas as partidas. Começando por hoje. Já demos um passo. Tomara que a gente consiga. Enquanto tivermos chances, temos que acreditar. Obviamente, temos que fazer a nossa parte”, finalizou o meia à respeito sobre as chances de classificação para a Libertadores.