Treinador recebeu notícia da diretoria assim que chegou à Baixada Santista com a delegação do Peixe. Derrota por 6 a 2 para o Vitória foi a gota d’água



Vagner Mancini não está mais no comando do Santos. Desde que assumiu o clube, em 19 de fevereiro, o treinador conquistou 14 vitórias e nove empates em 29 jogos – foram seis derrotas.

Mancini foi demitido no início da noite desta segunda-feira, logo que chegou à Baixada Santista com a delegação do Peixe. No último domingo, a equipe perdeu por 6 a 2 para o Vitória, em Salvador. O resultado originou uma série de protestos.

Na tarde desta segunda-feira, cerca de 30 torcedores foram recepcionar os santistas no Aeroporto de Guarulhos. Munidos de pipoca, eles reclamavam da postura dos jogadores em campo e queriam cobrá-los no saguão, em frente ao desembarque de voos domésticos. Mas, seguindo orientação dos responsáveis pela segurança em Cumbica, o ônibus que seguiria para Santos com a delegação entrou na pista do aeroporto para evitar o contato dos jogadores com os torcedores.

Na chegada da delegação ao CT Rei Pelé, os torcedores santistas jogaram ovos no ônibus. Mancini seguiu para uma reunião com o presidente Marcelo Teixeira, da qual saiu desempregado.

O trabalho de Mancini, chegou a ser bastante elogiado no clube, com a chegada à final do Campeonato Paulista, conquistando um resultado melhor do que Palmeiras e São Paulo e acertando o time, mesmo com pouco tempo de trabalho.

A eliminação precoce na Copa do Brasil, com derrota na Vila para o CSA, foi mal digerida no clube e marcou o início da pressão para a saída do treinador, que desde então foi ganhando corpo.

Desavenças entre jogadores, brigas internas e resultados ruins passaram a fazer parte da rotina do treinador no clube da Baixada. Com Vanderlei Luxemburgo e Muricy Ramalho desempregados, a demissão de Mancini passou a ser questão de tempo, mesmo com o presidente santista bancando a permanência do treinador, que por sua vez também falava em seguir no clube.

Muricy e Luxemburgo na pauta

Para o lugar de Mancini, Muricy Ramalho e Vanderlei Luxemburgo são os dois nomes mais fortes. O ex-são-paulino, que recusou uma proposta de R$ 400 mil do Palmeiras na semana passada, é o preferido do presidente Marcelo Teixeira. O Santos, inclusive, já tentou Muricy em outra ocasião. Foi em junho do ano passado. A diretoria santista fez um convite para o então técnico tricolor, que acabou não aceitando. Com o não do campeão brasileiro, Cuca, hoje no Flamengo foi contratado.

Já Luxemburgo, demitido do Palmeiras recentemente e que tem três passagens pela Vila Belmiro (1997/1998, 2004 e 2006/2007), pode não ser o número 1 de Marcelo Teixeira, mas goza de bastante prestígio entre muitos conselheiros influentes do Santos.