Treinador afirma que respeitará os direitos adquiridos por Fábio Costa, mas garante que não irá tolerar insubordinação



Após um ano e meio, o técnico Vanderlei Luxemburgo está de volta à Vila Belmiro para tentar levar o Santos à Taça Libertadores. Essa foi a missão que ele recebeu durante sua apresentação, nesta segunda-feira, no CT Rei Pelé, e lhe foi ditada pelo presidente do Conselho Deliberativo do clube, José da Costa Teixeira. O treinador, que foi demitido pelo Palmeiras no final de junho, aceita a incumbência e garante que vai recolocar o Peixe na elite do futebol brasileiro e sul-americano. A busca pela Libertadores faz com que Luxa já tenha deixado acertado com a diretoria a renovação no fim do ano. Afinal, ele assinou contrato até dezembro de 2009. Em suas outras três passagens pelo clube (1997, 2004, 2006/2007), os contratos eram por dois anos.

– Essa é a minha missão e vamos trabalhar para cumprir. Não vai ser fácil, mas, com sacrifício e dedicação de todo mundo, vamos conseguir colocar o Santos na frente. E se o Santos se classificar para a Libertadores, é claro que eu vou estar dentro – adianta o treinador, que chega com seu fiel escudeiro, o preparador físico Antônio Mello, o auxiliar de preparação Luis Cláudio Lula da Silva, filho do presidente Lula, e o auxiliar técnico Ney Pandolfo. Todos trabalhavam com Luxa no Palmeiras.

A conquista da Taça Libertadores é uma meta que Luxemburgo jamais conseguiu cumprir. Em todos os clubes por onde passou, havia a cobrança e a promessa de luta pelo título, que, até hoje, nunca veio. Só no Santos Luxa foi eliminado de duas Libertadores – em 2004, quando assumiu a equipe nas oitavas de final e foi eliminado nas quartas, e em 2007, quando perdeu na semifinal para o Grêmio. Neste ano, pelo Palmeiras, caiu nas quartas, diante do Nacional-URU.

A entrevista coletiva durou 50 minutos e Luxa falou sobre alguns assuntos, mas escapou de outros, como comentários sobre seus antecessores no Peixe. O treinador deixou aberta a possibilidade de se candidatar a senador por Tocantins (fez até propaganda sobre o estado), garantiu que não vai mexer com o goleiro Fábio Costa, considerado intocável no clube, e promete acabar com os problemas de relacionamento que ocorrem dentro do elenco. Por fim, ele fez questão de ressaltar que, apesar de ter sido demitido do Palmeiras, não chega ao Peixe por baixo. Confira os principais tópicos.

Demissão no Palmeiras e chegada no Santos

“Minha história no Palmeiras é muito bonita. Saí de lá porque houve um problema de interpretação em uma entrevista. Eu falei que clube brasileiro é barriga de aluguel, e alguns dirigentes ficaram chateados. Mas eu já falei isso mais de 500 vezes. Paciência. Agora, um profissional do meu nível nunca chega por baixo a clube nenhum. É preciso analisar a minha história.”

Problemas no vestiário: brigas entre jogadores

“É algo que vamos analisar e conversar internamente. O que passou, fica para trás. Vamos pensar nas coisas daqui para a frente.”

Privilégios a Fábio Costa

“Não vejo nada de errado em jogador que tem sua vaga exclusiva no estacionamento ou ter camarote no estádio. Na Europa, isso tudo é normal. Se ele tem esses privilégios é porque conquistou esse direito, com títulos pelo clube. Em vez de termos inveja, temos é de admirar jogadores com tanta identificação com o clube. Eu gostaria de ter mais jogadores vencedores como o Fábio Costa aqui comigo. Trabalhei várias vezes com ele e nunca tive problemas. Agora, os direitos dos jogadores terminam quando começam os meus. O Fábio Costa tem uma história no clube, é respeitado, mas porque é profissional. Tem de treinar e trabalhar sério, como ele sempre fez.”

Reforços

“Vamos sentar e conversar. Claro que eu conheço o elenco do Santos, mas vou observar melhor. Se precisar, é claro que vamos conversar para trazer. Mas isso é assunto muito interno.”

Situação atual

“O time está com alguma dificuldade. A tabela mostra isso. Mas não quero falar no que estava errado, no que poderia ter sido feito diferente. É uma questão de ética. Não quero comentar o trabalho de quem passou por aqui. O importante é saber que o time tem jogadores de qualidade, mas não iniciou bem a competição. Com mais três vitórias estaremos lá na frente. O mais importante agora é começar a ganhar os jogos.”

Garotada

“Desde a minha última passagem por aqui, eu dizia que o Santos tinha uma geração boa surgindo. Temos aí o Neymar e o Paulo Henrique, que já mostraram qualidade. Agora, vamos analisar e ver como vamos trabalhar com esses garotos. O presidente Marcelo (Teixeira) disse recentemente que poderia ir atrás de uma cereja para o bolo. De repente, essa cereja já está aqui.”

Senador por Tocantins?

“Tocantins é um lugar maravilhoso, ótimo para pescar, para passar as férias. É a chance de conhecer um Brasil diferente. Recomendo. Tenho um trabalho social lá, que é levar o futebol para crianças carentes. Por isso tenho ido para lá. Sobre ser senador, não existe (possibilidade). Agora, nunca sabemos o que vai acontecer amanhã. Não sou apolítico. Acompanho, me interesso. Mas, por enquanto, sou técnico de futebol. No futuro, não sei…”