Santos 1 x 0 Atlético-PR

Data: 30/09/2018, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.802 pagantes
Renda: R$ 141.257,00
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Auxiliares: Jean Marcio dos Santos e Vinicius Melo de Lima (RN).
Cartões amarelos: Paulo André, Lucho González, Nikão, Léo Pereira e Márcio Azevedo (A).
Gol: Carlos Sánchez (51-2, de pênalti).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu (Luiz Felipe), Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Rodrygo, Bruno Henrique (Kaio Jorge) e Eduardo Sasha (Derlis González)
Técnico: Cuca

ATLÉTICO-PR
Santos; Diego, Léo Pereira, Thiago Heleno e Renan Lodi; Lucho González (Bruno Guimarães) e Wellington; Raphael Veiga, Marcinho (Rony), Nikão (Marcio Azevedo) e Marcelo Cirino
Técnico: Tiago Nunes



Na marra, Santos vence o Atlético-PR na Vila e fica mais perto do G-6

Na marra, o Santos venceu o Atlético-PR por 1 a 0 na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Carlos Sánchez, de pênalti, aos 51 minutos do segundo tempo. A penalidade em Dodô foi duvidosa e gerou muita reclamação.

O Peixe desperdiçou várias chances e só marcou no fim, quando tudo caminhava para o empate. Os três pontos fazem o alvinegro ficar mais perto da Libertadores da América em 2019, agora na oitava colocação, com 36. O Furacão caiu para o 12º lugar e está mais longe da competição continental.

O jogo

O Santos se lançou ao ataque desde o primeiro minuto e pressionou o Atlético-PR durante 20 minutos. Os visitantes equilibraram a partida por pouco tempo e depois voltaram a sofrer, sem conseguir contra-atacar. E o Peixe voltou a sofrer com um problema recorrente: o das finalizações.

Aos 15 minutos, Carlos Sánchez recebeu de Victor Ferraz e bateu forte, para boa defesa de Santos. Aos 36, também pela direita, Rodrygo avançou e chutou forte para outra defesa segura do goleiro atleticano.

Sem espaço para contra-atacar, o Atlético-PR assustou em duas finalizações de longe de Nikão: primeiro aos dois minutos e depois aos 43.

O cenário não foi alterado para o segundo-tempo, mas o Santos teve ainda mais dificuldade para criar jogadas diante de um Atlético-PR mais cauteloso.

Aos oito minutos, os santistas sofreram um susto. Nikão cobrou falta e Vanderlei falhou ao dar rebote para a pequena área. Lucho González fez o gol, mas a arbitragem assinalou o impedimento de forma correta.

Aos 12 minutos, o Santos voltou a pressionar, primeiro com Bruno Henrique, que por pouco não aproveitou cruzamento de Victor Ferraz, e na sequência por duas vezes com Carlos Sánchez, para duas boas defesas de Santos aos 13 e aos 15.

O jogo ficou mais aberto depois das chances do Santos. O Atlético-PR finalizou com Marcinho, por cima do gol, e, na volta, aos 17, Rodrygo chutou de esquerda para Santos defender de novo.

A emoção só voltou ao jogo no minuto 37, quando Nikão cruzou e Marcelo Cirino cabeceou perto da trave de Vanderlei. E quando tudo caminhava para o empate, Dodô sofreu pênalti e Carlos Sánchez, aos 51 minutos, bateu com categoria para converter.

Bastidores – Santos TV:

Após vitória, Cuca cita “espiritualidade” em Santos e pede clássico na Vila

Após a vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Atlético-PR neste domingo, na Vila Belmiro, o técnico Cuca voltou a fazer um pedido ao presidente José Carlos Peres: clássico contra o Corinthians, dia 13, na Baixada Santista.

O treinador cita seus motivos, ratifica o desejo dele e do elenco e deixa a decisão “para quem manda”.

“Conversamos com o presidente há alguns dias. Sabemos da força em São Paulo, torcida muito maior, ninguém quer dividir o Santos em dois, apenas tecnicamente falando, nó nos sentimos mais fortalecidos em casa. Que adversário desça a serra, venha na espiritualidade da Vila. É opinião da comissão e de todos os jogadores, mas quem manda é o presidente”, disse Cuca.

“Estamos no nosso habitat, concentramos a 5 minutos, no clima, sabemos do campo, torcida, família. Adversário viaja, pega comboio, entra nessa espiritualidade e é importantíssima. Pequenos fatores fazem diferença. É diferente de viajar, pegar hotel em SP, espera dia inteiro, vai ao Pacaembu onde nunca treina e às vezes joga. Por isso não jogamos tão bem lá quanto aqui. Temos que jogar às vezes lá, é minha opinião, mas clássico tem que ser na Vila, a não ser por necessidade ou outra e somos funcionários e vamos acatar. No Paulista, com Corinthians foi lá. Vamos torcer para que seja aqui. Se não for aqui, vai ser no Pacaembu”, completou.

Em uma das respostas, Cuca cometeu um “ato falho” ao citar o clássico na Vila. Um repórter o questionou e ele brincou.

“Temos condição de um certo alívio em vencer e agora encaminhar os próximos jogos. Vitória na sexta e depois o Corinthians na Vila… Pescou, né?”, concluiu.

Kaio Jorge vibra por estreia no Santos: “Não há palavras”

Aos 16 anos, Kaio Jorge estreou como jogador profissional do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-PR neste domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A joia entrou aos 36 minutos do segundo tempo, no lugar de Bruno Henrique, e teve atuação discreta. Ele foi promovido neste mês ao elenco profissional.

“Hoje foi minha estreia pelo Santos, clube que me formou e hoje me deu a oportunidade de iniciar uma História como jogador Profissional. Não há palavras que descrevam esse sentimento, apenas a gratidão e o compromisso de que a cada dia vou me dedicar e honrar esse manto”, publicou Kaio nas suas redes sociais.

Cuca explicou a entrada do garoto. Sem Gabigol, suspenso, e Felippe Cardoso lesionado, o técnico sentiu a necessidade de um centroavante.

“Quando saiu o Sasha, sem condição dos 90 minutos, foi onde deu e estava caindo de produção com desgaste e campo pesado. Precisávamos de centroavante, tentamos com Bruno Henrique, não foi suficiente, precisávamos de um, o jogo pedia, estávamos cruzando muito. Precisávamos de definição. Era ele ou Yuri Alberto, optamos por ele para vê-lo pela primeira vez. Tudo é experiência, ele tem futuro promissor. Não é jogo de aparecer muito, Atlético jogou fechado e explorando contra-ataque, jogo perigoso, e não tem como pressionar e não dar contra-ataque. Tiveram duas ou três, mas soubemos comandar o jogo no campo adversário. O caminho era cruzar, por dentro estava congestionado, achamos superioridade numérica pelo lado direito e por ali cruzávamos, por isso colocamos centroavante para colocar a bola para dentro porque estava passando muito”, explicou Cuca.

Kaio Jorge tem contrato de formação até janeiro de 2020 e o primeiro acordo profissional está apalavrado. Falta o empresário voltar da Europa para assinar com o Santos.