Santos 1 x 0 Vitória

Data: 10/11/1996, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – turno único – 19ª rodada
Local: Estádio Ícaro de Castro Mello, o Ibirapuera, em São Paulo, SP.
Público: 3.095 pagantes
Renda: R$ 32.385,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS).
Cartões amarelos: Ânderson, Narciso e Alessandro (S); Nelsinho, Émerson, Bebeto, Eliomar e Wilson (V).
Cartão vermelho: Fernando (V, 35-2).
Gol: Ânderson Lima (20-2).

SANTOS
Edinho; Ânderson Lima (Daniel), Sandro (Cuca), Narciso e Robert; Marcos Assunção, Élder, Carlinhos (Camanducaia) e Vágner; Alessandro e Jamelli.
Técnico: Orlando Pereira

VITÓRIA
Nildo; Nelsinho, Flávio, Émerson (Júnior) e Rubem (Eliomar); Fernando, Bebeto, Donizetti e Gil Baiano; Adoílson (Batistinha) e Wilson.
Técnico: Edinho



Santos explora setor esquerdo para superar o Vitória por 1 a 0

O Santos diminuiu a ira de sua torcida ao derrotar o Vitória por 1 a 0, no estádio do Ibirapuera.

Antes de o Santos abrir a contagem, os torcedores protestavam, pedindo reforços e chamando os jogadores de mercenários. Após o gol de Ânderson, aos 20min do segundo tempo, passaram a aplaudir o time.

Robert, atuando como ala esquerda, foi o destaque do jogo. Ele criou, tabelando com o atacante Alessandro, as principais jogadas santistas.

Foi de uma tabela entre os dois que surgiu o único gol do jogo. A bola sobrou para o lateral Ânderson chutar com força, sem chances de defesa para o goleiro Nílson.

A melhor chance do Vitória foi na etapa inicial, quando Wilson, livre diante de Edinho, chutou, mas o goleiro fez ótima defesa.

Após o jogo, o técnico Edinho reconheceu que sua defesa falhou na marcação, surpreendida com as investidas de Robert. “Nossos zagueiros se confundiram muito no primeiro tempo”, afirmou.

Com o resultado, Santos afastou a ameaça de rebaixamento, chegando aos 24 pontos. O Vitória, que continuou com 28, tem chances reduzidas de classificação.



Santos faz ensaio e pensa na Supercopa (Em 06/11/1996)

O Santos começa hoje contra o Vitória, no Ibirapuera, em São Paulo, um período de preparação para o jogo da próxima quinta-feira diante do Vélez Sarsfield. A partida, em Buenos Aires, na Argentina, decidirá uma vaga na final da Supercopa dos Campeões da Libertadores.

Motivado pela vitória de 2 a 1 contra o Vasco na última quinta-feira, no Rio, o time voltou a acreditar na possibilidade de ir à final da competição que reúne os campeões da Taça Libertadores, contra o Cruzeiro. Para não depender dos pênaltis, o Santos precisa vencer o Vélez por diferença de dois gols.

“Temos esperanças na Supercopa. Uma vitória simples leva a decisão para os pênaltis. O Vélez não é nada demais”, afirmou o volante Carlinhos.

“Agora, a bola começou a entrar. Vamos ver se a gente pega esse gostinho de ganhar”, afirmou o atacante Alessandro, em referência ao jejum de 49 dias sem vitórias, superado diante do Vasco.

Sem chances de alcançar a classificação no Campeonato Brasileiro, o técnico Orlando Pereira pretende usar as partidas contra Vitória e Grêmio (na terça-feira, em Porto Alegre) para dar “padrão de jogo” à equipe.

“O objetivo é mexer o mínimo possível no time”, disse Pereira. A única modificação na equipe que venceu o Vasco deverá ser a volta do zagueiro Narciso, já que Daniel não está inscrito na Supercopa.

Para Orlando Pereira, a improvisação que foi obrigado a fazer contra o Vasco -escalar três volantes (meias defensivos) e os meias Vágner e Robert como alas (laterais ofensivos)- deu resultado e eles deverão ser mantidos.

“Não tinha quem colocar, improvisei e deu certo. Foi o destino”, afirmou o treinador.