América-MG 2 x 1 Santos

Data: 18/11/2018, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 4.652 pagantes
Renda: R$ 31.955,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Kleber Lúcio Gil (SC) e Heronildo Freitas da Silva (PA).
Cartões amarelos: Norberto, Zé Ricardo, Rafael Moura e Christian (A); Bruno Henrique (S).
Gols: Rafael Moura (30-1) e Gabriel (45-1); Matheusinho (19-2).

AMÉRICA-MG
João Ricardo; Norberto, Messias, Matheus Ferraz e Carlinhos (Giovanni); Juninho, Zé Ricardo e Matheusinho (Christian); Ademir (Aylon), Luan e Rafael Moura.
Técnico: Givanildo Oliveira

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Alison, Gustavo Henrique e Dodô; Bruno Henrique (Arthur Gomes), Guilherme Nunes (Renato), Diego Pituca e Copete (Eduardo Sasha); Rodrygo e Gabriel.
Técnico: Cuca



Santos perde para o América-MG e fica longe da Libertadores

O Santos perdeu por 2 a 1 para o América-MG neste domingo, no Estádio Independência. O gol do Peixe foi marcado por Gabigol. Os donos da casa balançaram as redes com Rafael Moura e Matheusinho.

Com a quarta derrota consecutiva, o Alvinegro caiu para a 10ª colocação, com 46 pontos, sete atrás do Atlético-MG, primeiro no G6, a três rodadas do fim. Santos e Galo se enfrentarão na 37ª e última rodada do Campeonato Brasileiro.

O América subiu duas colocações e agora é o 17º, ainda na zona de rebaixamento, com 37 pontos. Chapecoense, a 18ª, e Ceará, o 16º, ainda jogarão na rodada.

O jogo

O Santos começou melhor o jogo e teve chances consecutivas com Gabigol e Copete para abrir o placar. Aos oito minutos, porém, o América-MG acertou o travessão do goleiro Vanderlei em chute forte de Ademir. E daí em diante, só deu os donos da casa.

Um minuto depois, Guilherme Nunes sentiu problema no quadril e deu lugar ao veterano Renato. A experiência do camisa 8 não surtiu efeito e o América seguiu em cima. Matheusinho chutou fraco aos 12 e Ademir tentou duas vezes aos 18 e aos 21.

Aos 30, a pressão surtiu efeito. Em falha coletiva do Santos, Dodô perdeu para o Luan caído no chão, Alison saiu errado, Gustavo Henrique furou após passe de Ademir e Diego Pituca foi facilmente driblado por Rafael Moura. O He-Man chutou bonito para vencer Vanderlei.

No minuto 37, Rafael Moura quase ampliou. Carlinhos cruzou, Gustavo Henrique falhou novamente e o centroavante chutou forte para ótima defesa do goleiro Vanderlei. E quando tudo indicava a vitória parcial do América-MG antes do intervalo, veio a surpresa.

Copete derrubou Ademir, mas a arbitragem não marcou falta. O colombiano inverteu o jogo e Bruno Henrique cruzou bonito para Gabigol, artilheiro do Campeonato Brasileiro, finalizar ainda mais bonito aos 45 minutos. Empate injusto antes do apito do juiz.

O gol “achado” no fim do primeiro tempo não serviu para o Santos acordar. A etapa final teve o América-MG novamente com mais iniciativa, mantendo a posse de bola e criando as principais oportunidades.

Sem espaço para entrar na área santista, o América apostou em finalizações de longe – e deu certo. Aos 19, Matheusinho recebeu na intermediária completamente sozinho. O jovem arriscou e contou com desvio em Gustavo Henrique para matar Vanderlei. 2 a 1 no placar.

Com a vantagem, o América-MG se fechou e deixou a bola com o Santos. Apático, o time não parecia desesperado para ainda sonhar com uma vaga na Libertadores da América em 2019. O Peixe não reagiu e não criou uma chance sequer de empatar novamente.

Enquanto isso, o América quase ampliou. Aos 38 minutos, Christian acertou a trave em cobrança de falta. Os donos da casa administraram nos instantes finais e conseguiram a importante vitória.

Cuca diz que Santos tem que dar graças a Deus por não cair

Após a derrota por 2 a 1 para o América-MG neste domingo, no Independência, Cuca valorizou a permanência do Santos na Série A do Campeonato Brasileiro.

O tropeço deixa o Peixe muito longe de uma vaga na Libertadores da América em 2019. Mesmo assim, o técnico acha o não rebaixamento precisa ser comemorado.

“Eu falo a verdade. Com tudo de ruim que está hoje, nós temos de dar graças a Deus que nós demos aquela arrancada fantástica e nos livramos da luta lá embaixo. Hoje, se estivéssemos nessa luta, seria difícil levantar o astral e partir para a recuperação. Agradeço a Deus pela arrancada que demos. Se estivéssemos nesse bolo, o risco seria grande”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

Perguntado sobre as quatro derrotas consecutivas – Palmeiras, Chapecoense, Flamengo e América-MG -, Cuca não soube explicar os motivos.

“São quatro derrotas, começou contra o Palmeiras, perdemos naquele 3 a 2, depois tínhamos a Chapecoense, muitas baixas e perdemos por 1 a 0. Perdemos para o Flamengo também, jogo relativamente bem e hoje, complicado, América-MG jogou muito bem dentro da proposta, correram, lutaram. Jogamos muito mal o segundo tempo, diferentemente dos outros jogos. Foram quatro jogos com rendimento abaixo, infelizmente, e temos que assumir essa responsabilidade da culpa da derrota. Sou o comandante e quem responde é o comandante. Não sei dar um motivo de termos caído, de repente por ter chegado lá atrás, ter dado arrancado e chegado à luta, de repente achou que já tinha feito obrigação e não é assim. Futebol tem que provar todo dia, é roda gigante. Hoje já estamos em baixo. Perder quatro seguidas em time grande não é normal. Se bem que eu entendo que foram muitas baixas, principalmente no setor defensivo, a gente fica mais fragilizado, mesmo que venha a improvisar, perde-se alguma coisa. Hoje mesmo eu tinha menino de 17 anos (Kaique Rocha) para pôr, mas não vi um treino no profissional. Até acho bom não ter jogado. Se joga como os demais, iria queimar o menino. Dos males pelo menos isso, guardar ele para uma condição melhor. Ele tirou a clavícula do lugar, era temeroso colocar. As baixas mexeram muito contra a Chapecoense e hoje, zagueiros machucados e os que foram servir a seleção”, analisou.

Após longo papo com elenco e presidente, Cuca diz: “Não fomos merecedores de estar no Santos”

A comissão técnica do Santos, elenco e o presidente José Carlos Peres se reuniram por mais de uma hora no vestiário do Estádio Independência após a derrota por 2 a 1 para o América-MG, neste domingo.

Cuca diz que a permanência em 2019 não foi discutida e revelou parte da conversa. O técnico afirmou que eles não foram merecedores de estar no Peixe por conta da atuação em Belo Horizonte.

“Eu estou muito sentido com o jogo de hoje. Não esperava que a gente jogasse um segundo tempo como jogamos. O América mereceu vencer. Jogou melhor que nós. Agora tem de se pensar na quarta-feira (Botafogo). Não tem mais que ficar pensando no montante (de pontos para a Libertadores em 2019″. Nossa decepção é muito grande. Temos de ter a grandeza. Não fomos merecedores de estar no Santos. Hoje foi um jogo que deixamos uma dívida muito grande com o torcedor”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Não foi uma reunião pensando em ficar ou sair. Foi uma reunião geral. Foi cobrado, foi posto. Ninguém está satisfeito, ninguém está feliz. A gente está em dívida com o torcedor. Eles têm mais de ouvir que falar. Temos de levar em consideração os desfalques. É muita mexida, mas não serve como desculpa. Foram quatro resultados ruins. Hoje o recado que a gente dá é aguentar a cobrança porque é assim. O trabalho não acabou. Temos de fazer o melhor até o fim”, completou.

A Gazeta Esportiva ouviu um dos membros da comissão técnica do Santos. O profissional garantiu a permanência de Cuca até pelo menos o fim do ano e elogiou o apoio do presidente José Carlos Peres no Estádio Independência.

Dodô desiste de Libertadores no Santos para “não enganar o torcedor”

O Santos tem chances matemáticas de se classificar para a Libertadores da América de 2019, mas Dodô prefere jogar a toalha para não enganar o torcedor depois da derrota por 2 a 1 para o América-MG, neste domingo, no Estádio Independência.

“É ser realista nesse momento (da briga pela Libertadores), terminar o ano com dignidade, não vamos conseguir essa vaga na Libertadores. Não estamos aqui para enganar o torcedor e nem nós mesmos. Podemos olhar no olho do torcedor e dizer que demos o máximo, saímos da décima oitava posição, num momento difícil para sonhar com a vaga”, disse o lateral-esquerdo, antes de citar a política do clube como um dos problemas na temporada.

“Demos nosso máximo para atingir o objetivo de não cair esse ano, um momento difícil de política, tudo que vivemos nos bastidores… Estamos felizes também por não estarmos em uma posição pior na tabela. Temos que olhar para o torcedor e dizer que estamos tristes pela vaga na Libertadores, mas futebol é assim. É erguer a cabeça e competir entre os melhores”, completou.