Santos 1 x 1 Botafogo

Data: 21/11/2018, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.620 pagantes
Renda: R$ 64.715,50
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Henrique Neu Ribeiro e Eder Alexandre (SC)
Cartões amarelos: Gabriel e Luiz Felipe (S); Marcinho (B).
Gols: Rodrygo (35-1) e Brenner (14-2).

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Arthur Gomes (Copete), Alison, Diego Pituca e Rodrygo (Anderson Ceará); Gabriel e Felippe Cardoso (Eduardo Sasha).
Técnico: Cuca

BOTAFOGO
Gatito Fernandez; Marcinho, Marcelo Benevenuto, Igor Rabello e Moisés; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Léo Valencia (Renatinho) e Luiz Fernando; Erik (Rodrigo Pimpão) e Brenner (Kieza).
Técnico: Zé Ricardo



Sem chance de Libertadores, Santos e Botafogo empatam na Vila

Santos e Botafogo empataram em 1 a 1 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Rodrygo e Brenner.

Durante a partida, Peixe e Fogo souberam do fim das chances matemáticas de classificação para a Libertadores da América em 2019. O Atlético-MG venceu o Internacional no Beira-Rio e não pode mais ser alcançado no G6.

Paulistas e cariocas agora precisam vencer um dos dois jogos finais do Brasileirão para sacramentar a presença na Sul-Americana da próxima temporada.

O jogo

Os primeiros minutos de Santos e Botafogo foram tão sem emoção quanto as arquibancadas vazias da Vila Belmiro.

O Fogão ficou com a posse de bola na primeira parte e assustou parcialmente o Peixe aos seis minutos, em chute travado de Moisés na área. Aos 15, Gabriel chutou e a bola tocou na zaga antes de ir para escanteio.

O torcedor só levantou aos 34′, quando Felippe Cardoso recebeu de Gabigol, fez fila e acertou o travessão. Segundos depois, saiu o gol santista.

Rodrygo quebrou jejum de três meses ao receber de Victor Ferraz na pequena área, ter o primeiro chute defendido por Gatito e aproveitar com oportunismo o rebote. Antes do intervalo, o Santos, já melhor postado, administrou o resultado parcial com tranquilidade.

O Botafogo voltou melhor para o segundo tempo e quase empatou em seis minutos, em cabeceio de Erik na trave direita de Vanderlei. Aos 9, o Santos respondeu com finalização de fora da área de Alison.

Aos 14, a pressão dos visitantes surtiu efeito e o Peixe novamente sucumbiu pelo alto. Valencia cobrou falta na área, Diego Pituca vacilou na marcação e a bola sobrou para Brenner empatar. E três minutos depois, quase veio a virada. Moisés recebeu cruzamento no segundo pau e cabeceou forte para excelente defesa de Vladimir.

Quando o placar marcava 22, a arbitragem protagonizou uma lambança. Gabigol acertou o rosto de Valencia ao proteger a bola e Heber Roberto Lopes o expulsou. Na sequência, consultou o bandeirinha, anulou a marcação e aplicou cartão amarelo.

Com o empate no placar, Santos e Botafogo não tiveram forças e criaram pouquíssimas chances na Vila. Na melhor do Bota, Pimpão demorou para chutar quase na pequena área e foi travado por Copete aos 41. No minuto 44, Victor Ferraz finalizou para boa defesa de Gatito.

Na base do abafa, o Santos quase empatou no fim. Aos 46, Gabigol foi deslocado na área, mas Heber não deu pênalti. No minuto 47, a bola bateu na mão de Marcelo na área e a penalidade também não foi marcada. E no último lance, ainda deu tempo de Gustavo Henrique cabecear, a bola bater em Gatito e tocar na trave.

No fim das contas, ponto melancólico para ambos os times e ausência na Libertadores da América em 2019.

Susto no Santos e histórico familiar fazem Cuca decidir por cirurgia

O técnico Cuca, do Santos, passará uma cirurgia cardíaca no final deste ano. A notícia surpreendeu a todos na noite desta quarta-feira e deixou funcionários e torcedores preocupados.

Pessoas próximas ao treinador, porém, afirmam que não há motivo para alarde. A decisão de Cuca passa mais por precaução do que por urgência médica.

Cuca sofreu o susto em 23 de setembro, na derrota do Peixe por 2 a 1 para o Cruzeiro, no Mineirão. O profissional sentiu dor e dormência no vestiário depois da partida. No dia seguinte, ele foi convencido pelo ex-médico Jorge Merouço a passar por exames.

No hospital, Cuca soube que quase enfartou. Outros testes foram feitos posteriormente e os resultados apontaram uma obstrução na artéria coronária. Para liberar o fluxo sanguíneo, um stent – uma espécie de tubo feito de metal –, será colocado na intervenção cirúrgica.

A cautela aumenta por conta do histórico familiar. O pai de Cuca morreu devido a problemas cardíacos e Cuquinha, irmão e auxiliar, teve que ser submetido a uma cirurgia no coração durante a passagem pelo Shandong Luneng-CHI, em 2015.

O planejamento de Cuca ainda não está totalmente definido, mas, a princípio, será de descanso por alguns meses após a cirurgia. O técnico não se preservou desde que soube do problema e trabalhou normalmente na rotina do CT Rei Pelé, inclusive com participação nos rachões do elenco profissional.

Cuca tentou guardar a situação em segredo até o fim do Campeonato Brasileiro, porém, o presidente José Carlos Peres atrapalhou ao citar um suposto problema de saúde em entrevista ao Bandsports. Ao ser questionado sobre o assunto, o técnico preferiu não mentir e admitiu para a imprensa

Cuca já pensava em deixar o Santos antes mesmo de saber sobre a necessidade da cirurgia. O treinador teve desavenças com o presidente e dificilmente permaneceria. O contrato vai até dezembro de 2019, mas não prevê multa rescisória.