Pouco mais de três meses depois de ter sido contratado, o técnico Cabralzinho foi demitido ontem do Santos. No início da noite, o gerente de futebol do clube, Ilton José da Costa, iria anunciar o nome do substituto, mas o anúncio foi adiado para até amanhã.

“Existe um universo de treinadores empregados e outro universo de desempregados. Estamos dentro do universo dos desempregados”, disse Costa. Entre os prováveis técnicos sondados pelo Santos estão Celso Roth, Leão e Wanderley Luxemburgo.

Uma semana depois de o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, vir a público para dizer que Cabralzinho estava confirmado para a temporada 2002, o treinador foi vítima de uma divisão interna no clube. Parte dos dirigentes queria a sua saída. “Vamos mudar para ver o que vai dar”, disse Costa.

O contrato de Cabralzinho terminaria no próximo dia 31. Embora não tivesse sido convocado para assinar um novo compromisso, ele estava incumbido de fazer o planejamento da pré-temporada do Santos. Anteontem, chegou a visitar hotéis e campos de treinamento no interior paulista, mas já estava desgastado.

Após a desclassificação do time no Brasileiro, a diretoria do Santos procurou outros técnicos, entre os quais Oswaldo de Oliveira, Wanderley Luxemburgo, Carlos Alberto Parreira e o próprio Celso Roth. Paulo César Carpegiani e Mário Sérgio foram sondados.

Mesmo quando afirmou que Cabralzinho ficaria, Marcelo Teixeira fez ressalvas ao trabalho dele. Disse que ele havia cometido erros que provocaram a eliminação da equipe do Brasileiro.

Além disso, algumas das pretensões de Cabralzinho -que assumiu após a saída de Geninho e a rápida passagem do auxiliar Serginho pelo cargo- para a próxima temporada eram contrárias aos planos da diretoria santista. O técnico pretendia montar uma comissão técnica com nomes indicados por ele, como o preparador físico Carlito Macedo, com quem trabalhou no próprio Santos em 1995, na campanha do vice-campeonato brasileiro daquele ano. A direção santista, porém, não concordava com as indicações nem com a saída de jogadores cujas dispensas eram pedidas pelo treinador.

A assessoria de imprensa do técnico Celso Roth informou ontem que o treinador foi procurado duas vezes pelo Santos -uma pelo presidente do Conselho Deliberativo, José da Costa Teixeira, e outra por Marcelo Teixeira. Nas duas ocasiões, o acordo não teria ocorrido porque o Santos não se dispunha a pagar o salário que o técnico pretendia receber.

Com a saída de Cabralzinho e a chegada de um novo treinador, o Santos vai tentar agilizar a contratação de reforços. O Flamengo tem interesse no meia Robert, que poderia ser envolvido numa troca com o meia-atacante Edílson, que deixará o clube carioca. O acordo poderia ser em forma de empréstimo, com o Flamengo pagando parte do salário de Edílson. O gerente de futebol do Santos descartou Robert como parte da troca.

O clube também tenta negociar com André Cruz (Sporting, de Portugal), Argel (Porto) e Adhemar, ex-São Caetano, que atua no futebol alemão. Outros atletas pretendidos são o atacante Oséas e o lateral Rodrigo, do Cruzeiro. O Santos quer trocá-los pelo atacante Fumagalli e pelo lateral Rubens Cardoso -o primeiro atualmente emprestado ao Guarani, e o segundo, ao Grêmio. O clube mineiro, porém, não aceita incluir Oséas no negócio e oferece o meia Paulo Isidoro, que não interessa ao Santos.