Coutinho será técnico ‘sério’

O técnico interino do Santos, Coutinho, 52 anos, assumiu anteontem o time que enfrenta hoje o Fluminense, no Rio de Janeiro. Ele considera partida contra o líder do Grupo B muito difícil.

Coutinho, que foi jogador do Santos na época de Pelé, diz que é um treinador “muito sério”. Ele comanda atualmente a equipe de juniores do clube.

Para o treinador, assumir um time em pleno Campeonato Brasileiro, mesmo que interinamente, é uma grande “responsabilidade”.

Repórter – Quais suas características como técnico?
Coutinho – Sou muito sério, trabalhador e, sem falsa modéstia, honesto.

Repórter – Como você encara ter assumido interinamente o time?
Coutinho – Normalmente. É uma função de muita responsabilidade que, para alguns, pode parecer espinhosa, mas eu não acho isso. Não é a primeira vez que trabalho com os jogadores profissionais e espero cumprir minha função da melhor maneira possível.

Repórter – Você acredita que pode continuar como titular no comando técnico da equipe?
Coutinho – Isso vai depender da diretoria. Eles me deixaram muito à vontade para fazer meu trabalho. Estamos todos motivados e gostaria de deixar um resultado positivo nesta minha passagem.

Coutinho pede tranquilidade ao Santos

O técnico interino do Santos, Coutinho, pediu “tranquilidade” ao time para o jogo de hoje, às 21h, contra o Fluminense, no Rio. Coutinho substitui Joãozinho, que pediu demissão.

No treino de ontem, ele elogiou todos os jogadores e pediu atenção ao toque de bola do adversário. “O Fluminense é um time de pegada, mas estaremos trabalhando com calma e atentos aos contra-ataques”, afirmou.

Coutinho escalou o lateral-esquerdo Marcos Paulo no lugar de Piá e começa jogando com Marcelo Passos no ataque. Os zagueiros Narciso e Cerezo voltam à zaga.

O zagueiro Ronaldo não viajou com a equipe. Ele se recupera de uma lesão na perna.

Segundo Coutinho, o campo do Fluminense é menor do que o da Vila Belmiro e dá condições de “jogo rápido”.

“Precisamos ver as condições físicas do time. Aproveitaremos as jogadas rápidas com Macedo, Jamelli, Giovanni e Passos”, disse.

Coutinho disse que conversou com os jogadores, mas não teve tempo hábil para analisar a capacidade de cada um. “Assumi a equipe segunda-feira e não mexerei muito no time. A diretoria me deu liberdade para escalar qualquer jogador. Não pretendo tirar a criatividade do time. Os técnicos apenas corrigem os defeitos”, afirmou.

Sobre a possibilidade de permanecer no cargo, Coutinho disse que é funcionário do clube e está apenas “cumprindo o seu papel da melhor maneira possível”.

O presidente do Santos, Samir Abdul Hak, disse ontem que a diretoria ainda não tinha definido o nome do novo treinador. “Ainda não conversamos sobre esse ou aquele nome. Queremos decidir isso sem precipitação. Pode ser até que o Coutinho continue como técnico”, disse.

Candinho, Otacílio Gonçalves (ex-Paraná) e Cilinho são os mais cotados para substituir Joãozinho.

O jogador Marcos Paulo disse ontem que o time ainda está “chateado” com a saída de Joãozinho. “Sabemos que em futebol quem sempre paga é o técnico, mas também temos consciência de que temos responsabilidades”, disse.

Segundo o jogador, Coutinho pediu que o time jogar com seriedade, principalmente na defesa. “Ele pediu para jogarmos com humildade. Se os 11 entrarem com vontade de vencer, fica difícil para qualquer time”, afirmou.