Coritiba 1 x 3 Santos

Data: 01/09/1996, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro – Turno único – 5ª rodada
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Público: 16.045 pagantes
Renda: R$ 159.640,00
Árbitro: Cláudio Vinicius Cerdeira (RJ).
Cartões amarelos: Jean e Ânderson Lima (S); Claudiomiro e Jorge Antônio (C).
Cartão vermelho: Marcos Assunção (S, 19-2).
Gols: Alberto (48-1, de pênalti); Jamelli (22-2, de pênalti), Gustavo Nery (30-2) e Zambiasi (43-2, contra).

CORITIBA
Anselmo; Jorge Antônio, Zambiase, Flávio (Josemar) e Fábio; Claudiomiro, Cuca, Alberto (Ademir) e Alex; Basílio e Pachequinho.
Técnico: Pepe

SANTOS
Edinho; Ânderson Lima, Sandro (Cuca), Jean e Gustavo Nery; Marcos Assunção, Carlinhos, Robert (Baiano) e Piá (Alessandro); Camanducaia e Jamelli.
Técnico: José Teixeira



Santos vira e ganha com dez jogadores

O Santos, mesmo atuando com um jogador a menos, virou o jogo e derrotou, ontem à tarde, o Coritiba por 3 a 1, em Curitiba.

A equipe do Paraná começou a partida pressionando bastante, mas a falta de qualidade dos atacantes impediu que o Coritiba fizesse pelo menos três gols.

O Santos, por sua vez, começou o jogo recuado, mas o meio-campo tinha dificuldades para trabalhar a bola e não conseguia fazer a ligação dos contra-ataques.

Ainda no começo do jogo, o zagueiro Sandro se machucou e foi substituído pelo meia Cuca, improvisado como zagueiro.

O Coritiba saiu na frente aos 48min. O atacante Basílio saiu em contra-ataque. Cuca, improvisado na zaga, derrubou o atacante do Coritiba, fazendo pênalti. O meio Alberto cobrou e marcou 1 a 0.

A principal oportunidade de gol do Santos no primeiro tempo aconteceu aos 37min. Jamelli entrou em diagonal pela direita da área, driblou três adversários e tocou para Robert, que chutou em cima do gol defendido por Anselmo.

No segundo tempo, o técnico José Teixeira mexeu no ataque santista e colocou Alessandro no lugar de Piá. A mudança deu maior objetividade ao ataque, que aproveitou a queda de rendimento físico de todo o time paranaense.

Aos 19min, porém, Marcos Assunção, que já tinha recebido o cartão amarelo três minutos antes, foi expulso após cometer falta por trás em Basílio.

Quando o Coritiba iniciava uma pressão na área santista, o lateral Fábio fez pênalti, derrubando o lateral-direito Anderson aos 23min. Jamelli cobrou e empatou o jogo.

O gol da virada santista também surgiu em bola parada, aos 32min. O lateral-esquerdo Gustavo Nery cobrou falta da direita com perfeição e colocou a bola no ângulo esquerdo do goleiro Anselmo.

Aos 42min, com o Santos dominando o jogo, novamente o lateral-direito Anderson, o melhor da partida, recebeu um lançamento de Jamelli sem marcação. Ele invadiu a área do Coritiba e cruzou. O zagueiro paranaense Zambiasi se atrapalhou ao cortar o cruzamento e chutou contra o próprio gol.

Técnico ressalta preparo físico

O treinador do Santos, José Teixeira, creditou ao bom preparo físico da equipe a vitória sobre o Coritiba.

“Aguentamos a pressão do adversário e impusemos o nosso ritmo de jogo no segundo tempo, com a queda de rendimento da equipe do Paraná.”

Outro fato importante ressaltado pelo técnico foram os dois dias que o Santos teve para se preparar. A equipe jogou com o Botafogo no Rio e viajou direto para Curitiba. “Tivemos tempo para descansar e orientar melhor o time.”

Segundo ele, a vitória de ontem foi mais difícil, devido às circunstâncias, do que a vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo na última quinta-feira, no Rio de Janeiro. “Cada partida é uma história diferente. Contra o Botafogo nós saímos na frente e mantivemos a situação até o fim. Aqui em Curitiba tivemos de virar o jogo.”

Ainda segundo Teixeira, o Coritiba vinha motivado pela vitória contra o Bahia por 4 a 1 no meio de semana. “Além do mais, estava estreando o Pepe como novo técnico. É uma equipe com ânimo renovado.”

Para o jogo contra o Juventude no meio de semana, em São Paulo, o Santos não poderá contar com o lateral Anderson, que levou o terceiro cartão amarelo, e Marcos Assunção, que foi expulso. Teixeira ainda não definiu os substitutos.

A diretoria do clube não quis falar sobre a situação do atacante colombiano Usuriaga.



Empolgado, Santos pega o Coritiba e pensa em final ( Em 01/09/1996 )

A vitória sobre o Botafogo no Maracanã empolgou os santistas, que, ainda no vestiário, previram a presença do time nas finais do Brasileiro, apesar de o Santos ter participado de só quatro partidas.

O goleiro Edinho demonstrou bastante entusiasmo com o rendimento da equipe na quinta-feira. “Apesar de jovem, o time é melhor que o do ano passado, porque tem mais equilíbrio e as responsabilidades estão mais distribuídas”, disse Edinho, referindo-se à saída do meia-atacante Giovanni.

O “equilíbrio” também foi citado como qualidade santista por Jamelli, que completou cem jogos pelo clube contra o Botafogo. “O Santos pode até ser campeão este ano. É um time totalmente diferente daquele que foi vice-campeão em 95. É mais aguerrido, tem mais conjunto e equilíbrio”, disse.

O mais empolgado era o presidente do Santos, Samir Abdul-Hak, que anunciou uma trajetória de sucesso para o time. “Se embalar, vai ser difícil segurar a gente”, disse Abdul-Hak.

Para o presidente, a competição “está nivelada por baixo”, com exceção de “uns quatro clubes de nível diferenciado”.

O treinador José Teixeira entrou no clima de previsões otimistas. Para ele, o Santos se classificará “com ou sem os cinco pontos”.

O Santos corre o risco de perder cinco pontos por ter escalado Usuriaga contra o Fluminense.

Teixeira anunciou que manterá em Curitiba o mesmo time que venceu o Botafogo. O técnico acredita que a partida contra o Coritiba deverá ser “muito dura”.