Santos 1 x 0 Ferroviária

Data: 19/01/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.616 pagantes
Renda: R$ 252.135,00
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho e Bruno Salgado Rizo
Cartões amarelos: Diego Pituca, Alison e Felippe Cardoso (S); Elton, Rodrigão (F).
Gol: Jean Mota (34-2).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Orinho; Alison, Diego Pituca (Copete), Carlos Sánchez e Jean Mota (Yuri); Yuri Alberto (Arthur Gomes) e Felippe Cardoso
Técnico: Jorge Sampaoli

FERROVIÁRIA
Tadeu; Diogo Mateus, Elton, Rayan (Rodrigão) e Julinho (Arthur Henrique); PH, Tony, Maurinho, Fellipe Mateus e Felipe Ferreira (Uilliam); Lúcio Flávio.
Técnico: Vinicius Munhoz



Santos derrota a Ferroviária e começa com vitória a era Sampaoli

O Santos fez bom primeiro tempo, caiu de rendimento na etapa final e parecia abrir seu ano sem conseguir vazar a defesa adversária. Um bom pivô de Felippe Cardoso e um chute firme de Jean Mota, duas das apostas de Jorge Sampaoli para a temporada, porém, mudaram o rumo da partida e decretaram a vitória por 1 a 0 sobre a Ferroviária, na tarde deste sábado, na Vila Belmiro.

O resultado, que teve ainda o primeiro gol da atual edição do Campeonato Paulista, ameniza os problemas internos no Santos, que viu o treinador reclamar da falta de investimentos na equipe durante a semana. Sem Bruno Henrique, que se negou a jogar, o argentino achou um jeito diferente de atuar, com dois centroavantes, e conseguiu sair vitorioso.

O jogo

O Santos começou o seu ano apostando na base de 2018 e na força da Vila Belmiro para encurralar a Ferroviária, mas demorou a ter o domínio do jogo. Com uma posse de bola muitas vezes sem grande perigo para o adversário, o time de Sampaoli mais uma vez só começou a ameaçar o adversário quando Jean Mota teve faltas e escanteios para bater na área, sempre com perigo.

O próprio meia chamou a responsabilidade e ficou perto de abrir o placar quando recebeu bola na entrada da área, deixou quicar e chutou forte, parando em boa defesa de Tadeu. Na cobrança do escanteio, a redonda correu por toda a pequena área sem ser afastada, caiu nos pés de Felippe Cardoso e tinha boas chances de entrar, mas parou em uma barreira montada pela defesa.

Mota seguiu chamando a responsabilidade no meio-campo e quase deixou o Peixe à frente do placar antes do intervalo. Em cobrança de falta da intermediária, bateu no ângulo de Tadeu, que desviou e viu a bola bater no travessão antes de sair. A pressão, ainda que sem tanto futebol, conseguira construir a melhor chance para os donos da casa àquela altura.

Os anfitriões voltaram do intervalo com Arthur Gomes na vaga de Yuri Alberto, aparentemente para dar mais velocidade à equipe. Em começo de temporada e com um forte sol na Vila Belmiro, porém, praticamente nada aconteceu até a parada para hidratação dos atletas, na metade da segunda etapa. Um bom chute de Pituca, defendido com facilidade por Tadeu, foi o principal destaque.

Preocupado em aumentar o ritmo da equipe, visivelmente prejudicado pelo calor, Sampaoli mandou a campo o colombiano Copete, bem mais ofensivo que o volante Pituca. E foi dele que saiu o cruzamento para Felippe Cardoso ajeitar e Jean Mota, de primeira, mandar no canto de Tadeu. Aos 34 minutos do segundo tempo, a torcida podia, enfim, comemorar.

Os minutos finais foram de uma Ferroviária buscando o gol, mas claramente sem as armas técnicas para conseguir vencer a defesa santista. Sampaoli reforçou sua marcação ao colocar Yuri na vaga de Mota, diminuindo as chances de sofrimento e confirmando o triunfo.

Bastidores – Santos TV:

Mota celebra gol decisivo e quer construir “nova história” em 2019

O meia Jean Mota começou bem a temporada 2019. Depois de ser uma das boas notícias do amistoso contra o Corinthians, na semana passada, o armador mostrou por que Jorge Sampaoli apostou nele para este começo de ano. Com bons passes e chutes precisos, um dos quais acabou dentro do gol da Ferroviária, o canhoto foi o melhor jogador em campo na vitória do Santos sobre a Ferroviária, na tarde deste sábado, na Vila Belmiro.

“Começamos com o pé direito, vitória dentro da nossa casa, com a nossa torcida, era o que a gente almejava”, comentou o jogador, bastante aplaudido pela galera ao ser substituído já na parte final da partida, cena que ocorreu poucas vezes anteriormente.

“Tivemos muitas chances no primeiro tempo, mas não conseguimos fazer. Ainda bem que conseguimos no segundo. Representa muito para mim esse carinho da torcida, quero fazer uma nova história em 2019. Gratificante, fruto do trabalho”, avaliou, sem reclamar das vaias de 2018.

“Vamos ser cobrados, futebol é assim, estamos em um time grande, precisamos responder dentro de campo”, concluiu o jogador, que desponta como um dos pilares de Sampaoli neste começo de trabalho.

O resultado, que teve ainda o primeiro gol da atual edição do Campeonato Paulista, ameniza os problemas internos no Santos, que viu o treinador reclamar da falta de investimentos na equipe durante a semana. Sem Bruno Henrique, que se negou a jogar, o argentino achou um jeito diferente de atuar, com dois centroavantes, e conseguiu sair vitorioso.

Torcida do Santos “compra briga” e aplaude jogo de Vanderlei com os pés

A torcida do Santos tomou partido de uma disputa recente no clube alvinegro. Na tarde deste sábado, durante a vitória por 1 a 0 contra a Ferroviária, pela estreia do Campeonato Paulista, os santistas fizeram questão de aplaudir todo e qualquer toque do goleiro Vanderlei com os pés na bola. Uma clara resposta aos pedidos do técnico Jorge Sampaoli por um goleiro que saiba jogar mais bem quando receber a bola na construção das jogadas. O treinador, porém, também recebeu aplausos.

“A explicação tem a ver com sistema e estilo de jogo. Se podemos somar a capacidade de Vanderlei com seu jogo com os pés, para que a construção de início de jogo com o goleiro, que é fundamental, bem-vindo seja. Se não der certo, temos que ter alternativa com quem nos dá essa chance”, explicou o treinador um dia antes, motivando os santistas a festejar seu arqueiro.

“Ele é muito mais ídolo do que eu”, reconheceu Sampaoli após o duelo. O treinador quer um goleiro com boa qualidade nos pés como alternativa para Vanderlei. A ideia, porém, é potencializar o jogo do camisa 1. Para os oito mil presentes à Vila, porém, o atleta já é bom o bastante no setor. Além dos festejos iniciais, Vanderlei ouviu seu nome ser gritado quando a equipe voltou do vestiário, agradecendo o apoio.

Com Vanderlei mantido e Vladimir à espera de um empréstimo, o Santos espera a contratação de Everson nos próximos dias. A diferença entre o oferecido e o pedido é R$ 1 milhão.

O resultado, que teve ainda o primeiro gol da atual edição do Campeonato Paulista, ameniza os problemas internos no Santos, que viu o treinador reclamar da falta de investimentos na equipe durante a semana. Sem Bruno Henrique, que se negou a jogar, o argentino achou um jeito diferente de atuar, com dois centroavantes, e conseguiu sair vitorioso.

Sampaoli reclama do calor e confia no Santos como protagonista

O técnico Jorge Sampaoli gostou do que viu do seu time na tarde deste sábado, contra a Ferroviária, na Vila Belmiro, pela estreia da equipe no Campeonato Paulista. Apontando o calor como um fator de dificuldade, já que os termômetros bateram os 35ºC durante a partida, ele explicou que a intensidade dos seus comandados esteve no limite do aceitável.

“É muito difícil suportar um nível alto com esse calor. Pesa muito, se faz muito difícil ter um ritmo alto e intenso”, avaliou o treinador, que seguiu com o discurso de, independentemente dos reforços, tentar ser protagonista nas partidas que joga.

“Nós tentamos ter a bola, se defender com a bola, ter mais tempo com ela para não ter que nos defender tanto. Não podemos ser ultradefensivos tendo a bola. Por ter tanto domínio, e não ser tão claro, o primeiro tempo poderia ter terminado 2 a 0. Mas tivemos um rival que se defendeu bem”, observou, confiante em seu trabalho.

“O jogo foi favorável, como foi contra o Corinthians. No posicionamento, na quantidade de passes no campo rival. mas faltou contundência, tivemos aproveitamento baixo nas chances de gol. O rival estava muito bem ordenado em campo. Esse é o primeiro jogo oficial, claro que tinha que ser protagonista. Contente pelo esforço dos jogadores que mereceram ganhar. Ainda falta muito para um rendimento ótimo”, concluiu.

Sampaoli diz que contava com Bruno Henrique e critica empresários

O técnico Jorge Sampaoli não escondeu sua insatisfação com a situação do atacante Bruno Henrique, que não apareceu na concentração do Santos para a partida contra a Ferroviária, neste sábado, na Vila Belmiro. Instruído pelos seus empresários a não jogar, nas palavras do próprio treinador, o jogador seria titular da equipe alvinegra neste início de ano.

“A única coisa que posso falar do Bruno Henrique é que ele não se apresentou na concentração. Tentei falar com a diretoria. Iria jogar como titular. Sempre manifestei desde o dia que cheguei que contaria com ele. Isso é com ele e com a diretoria”, comentou o comandante.

Sampaoli já havia deixado claro que contava com o atleta, titular durante toda a temporada de 2017 e que passou por um problema no olho esquerdo no começo do ano passado, dificultando seu aproveitamento. Para o argentino, a atitude de Bruno Henrique foi só mais um exemplo da ingerência dos empresários no futebol.

“Nesse tipo de situação que o jogador vai ganhar mais dinheiro em outro lugar, não posso falar especificamente do caso de Bruno. Quem manda são os empresários, dizem para não se apresentar e ele não vem”, concluiu o técnico.