Santos 1 x 1 River Plate-URU

Data: 26/02/2019, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-americana – 1ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público e renda: Portões fechados, punição da Conmebol devido ao incidente na Libertadores 2018.
Árbitro: Mauro Vigiliano (ARG)
Auxiliares: Diego Bonfa e Julio Fernandez (ambos da ARG).
Cartões amarelos: Felippe Cardoso e Yuri (S); Oliveira, Caizada e Silva (RP).
Gols: Mauro Da Luz (09-2) e Soteldo (41-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Copete; Alison (Yuri), Diego Pituca (Felippe Cardoso), Carlos Sánchez e Jean Mota; Soteldo e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

RIVER PLATE (URU)
Olivera; Herrera, Silva, Ale, Olivera; Calzada, Ospitaleche e Juan Plada; Juan Oliveira (Rodríguez), Mauro da Luz (Neris) e Urruti (Gorga)
Técnico: Jorge Giordano


Santos empata com o River Plate-URU e está eliminado da Sul-Americana

O Santos empatou em 1 a 1 com o River Plate-URU na noite desta terça-feira, no Pacaembu, e foi eliminado já na primeira fase da Copa Sul-Americana. Na ida, 0 a 0 em Montevidéu e os visitantes avançaram por conta do gol fora de casa.

O gol do modesto time uruguaio foi marcado por Da Luz, aos nove minutos do segundo tempo. O Peixe, apático, só reagiu aos 41 minutos da etapa final, com Soteldo.

O Alvinegro, sem a presença do torcedor no Pacaembu por causa de punição da Conmebol, não foi intenso e os jogadores erraram mais que o habitual.

Com uma competição a menos no calendário, o Santos voltará a campo para enfrentar o Oeste, sábado, pela nona rodada do Campeonato Paulista.

O jogo

A falta de torcida e o silêncio no Pacaembu não fizeram bem para o Santos. Intenso sob o comando de Jorge Sampaoli, o time foi lento, previsível e pouco criou.

No segundo minuto, Jean Mota teve boa chance. Dali em diante, o Peixe rodou a bola, sem achar espaços (e também sem sofrer na defesa).

O Alvinegro só voltou a assustar aos 23, quando Gustavo Henrique subiu bem em escanteio e cabeceou perto do gol. E aos 28, Da Luz avançou sozinho, mas Aguilar, em carrinho perigoso e preciso, afastou o perigo.

Para a segunda etapa, o cenário continuou e, para piorar, o River adiantou um pouco as linhas – e deu certo. Aos nove minutos, Pituca perdeu a bola na frente e cedeu o contra-ataque. Mauro da Luz recebeu bom passe entre Gustavo Henrique e Copete e viu Vanderlei sair desesperado. O atacante aproveitou o erro do goleiro e só empurrou para o fundo das redes.

Com a necessidade de virar o jogo – e com Felippe Cardoso, mais alto, colocado por Sampaoli -, o Santos mudou sua característica e passou a cruzar mais. O River, porém, ganhou a maioria das bolas pelo alto. Com passar do tempo, a ansiedade e falta de concentração dificultavam ainda mais a construção de lances.

O Peixe só voltou a oferecer perigo aos 23, quando Felippe Cardoso bateu mascado de fora da área e Gastón espalmou. Daí em diante, cruzamentos, chutes de longe e bola nunca perto do gol.

E quanto a derrota parecia próxima, Jean Mota apareceu. O meia cruzou na direção do gol e Soteldo deu um leve desvio para empatar aos 41 minutos do segundo e dar esperança aos donos da casa.

Copete ainda teve boa chance de cabeça aos 45′, mas a reação parou por aí. Empate e eliminação em casa logo na primeira fase da Sul-Americana.

Sampaoli diz que eliminação não pode mudar estilo de jogo do Santos

O técnico Jorge Sampaoli disse que a eliminação do Santos para o River Plate-URU na Sul-Americana não pode mudar o estilo de jogo do time.

Depois de desperdiçar várias chances e empataram por 0 a 0 em Montevidéu, o Peixe esbarrou na retranca dos uruguaios, só reagiu no fim e ficou no 1 a 1, eliminado pelo gol fora de casa.

“Eliminação incomoda, mas isso continua. Pensávamos em passar, mas defendemos uma ideia clara de jogo e fomos eliminados por uma equipe que tentou nos anular. Temos que ratificar a ideia, sabemos que um estilo não vai acabar por uma eliminação. Temos que pensar no futuro e seguir crescendo como grupo, brindando o futebol que demos ao torcedor até agora”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli afirma que o Alvinegro precisa melhorar coletivamente para sobrepor dias de atuações individuais ruins.

“Futebol é eliminar rivais com passe ou drible. Estamos insistindo nas duas coisas e temos que melhorar. Alguns não estarão no alto rendimento e às vezes sim. Quando isso ocorre, precisamos de alternativas para melhorar coletivamente”, afirmou.

A análise da partida era tratar de romper a barreira que o oponente usou com muitos jogadores perto da área. Não encontramos os caminhos, com o passar do tempo potencializar plano de jogo e nos neutralizaram um pouco. Se não se abre (o placar rápido)…. Eliminação tem mais a ver com o Uruguai do que aqui. Rivais ganham com um único chute e isso ocorreu com a gente. Se não fazíamos isso rápido, pressionar e fazer o gol, faltou dinâmica de outros jogos para quebrar esse tipo de defesa”, concluiu.

Sánchez vê “fracasso” do Santos e fala em “tirar gosto amargo”

Carlos Sánchez foi o único jogador do Santos a parar na zona mista para conceder entrevista após a eliminação na primeira fase da Sul-Americana para o River Plate-URU nesta terça-feira, no Pacaembu.

O meia do Peixe viu a saída da competição como “fracasso” e pediu para o elenco “tirar o gosto amargo”.

“Triste por como se deu o jogo, nunca pudemos encontrar o caminho. Nos esforçamos, mas não é só isso, temos que encontrar as melhores opções e não conseguimos dessa vez. Fizeram o trabalho e o gol numa chance só. É um fracasso, eu tinha muita ilusão de chegar longe, mas há que seguir. É um golpe duro e temos que nos recuperar. Agora estamos meio golpeados, mas sábado temos outro jogo com a nossa torcida. Peço desculpa porque foi um fracasso”, disse Sánchez.

“Tentamos virar, não conseguimos e por isso fomos eliminados. Temos de melhorar e somos conscientes de que podemos dar mais. Temos que tirar esse gosto amargo. Não temos que ter desculpas. Torcida dá um plus diferente, mas, bom, hoje vamos tristes pelo ocorrido, queríamos passar e futebol tem dessas”, completou.