Corinthians 0 x 0 Santos

Data: 10/03/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 10ª rodada
Local: Arena Corinthians, em São Paulo, SP.
Público: 41.737 presentes (41.404 pagantes)
Renda: R$ 2.197.534,00.
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Marco Antonio de Andrade Motta Júnior e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Fagner (C); Alison, Mateus Ribeiro, Derlis (S).

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Júnior Urso e Sornoza; Pedrinho (Love), Clayson (André Luis) e Boselli (Mateus Vital).
Técnico: Fábio Carille

SANTOS
Vanderlei; Aguilar, Alison (Cueva) e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Jean Lucas (Rodrygo), Diego Pituca e Felipe Jonatan; Carlos Sánchez (Matheus Ribeiro), Derlis González e Jean Mota.
Técnico: Jorge Sampaoli



Corinthians domina, mas Santos arranca empate em Itaquera

O Corinthians foi melhor, fez talvez sua melhor partida em 2019, mas não conseguiu passar de um empate por 0 a 0 com o Santos diante de 41.737 pessoas na Arena de Itaquera. O Peixe encontrou muitas dificuldades para fugir da marcação e segurar o ímpeto corintiano. Ainda assim, segurou o empate e sondou um triunfo nos minutos finais.

O resultado não garante a classificação antecipada do Corinthians às quartas de final do Campeonato Paulista depois de 10 das 12 rodadas previstas nessa primeira fase. O time da capital é líder do Grupo C com 15 pontos. Já os santistas, já classificados, somam 23 pontos e seguem tranquilos na ponta do Grupo A.

Antes do clássico, muito se falou sobre o duelo de estilos entre Fábio Carille, tratado como pragmático, e Jorge Sampaoli, fã do jogo ofensivo e de posse de bola. Mas, quem surpreendeu foi o comandante corintiano, que teve toda a semana livre para trabalhar antes do encontro desse domingo.

O jogo

O Timão avançou suas linhas, pressionou, criou jogadas de gol, fez Vanderlei trabalhar e também conseguiu matar as tentativas ofensivas do Peixe logo no início das jogadas. Os corintianos se viram apreensivos apenas nos sustos causados pelo zagueiro Henrique.

Apesar do amplo domínio, explícito principalmente pelas jogadas combinadas entre Fagner e Pedrinho pela direita, os mandantes não conseguiram abrir o placar antes do intervalo.

O treinador argentino do Santos, então, resolveu agir. Não só isso. Resolveu ousar. Durante o primeiro tempo, Sampaoli mexeu no posicionamento dos santistas diversas vezes em busca de soluções. Sem efeito, o técnico voltou para a etapa final com Cueva e Rodrygo.

Nos primeiros minutos, o jogo até apresentou um novo equilíbrio, com os times se contra-atacando. Mas, não demorou para o Corinthians retomar seu domínio. A entrada de Vagner Love também contribuiu para isso.

Os dois goleiros contribuíram para as jogadas de gol criadas pelas equipes. Tanto Cássio quanto Vanderlei foram mal quando exigidos com os pés e só não se tornaram vilões pela ineficiência dos atacantes.

Assim, com tantos problemas nos momentos decisivos, Corinthians e Santos não saíram de um empate sem gols, apesar do bom jogo na Arena.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli admite erro e destaca melhora do Santos em clássico “interessante”

O técnico Jorge Sampaoli viu um 0 a 0 “interessante” no clássico entre Corinthians e Santos neste domingo, em Itaquera. O argentino ficou incomodado com o primeiro tempo, admitiu erro e destacou a melhora na etapa final.

“Foi um jogo interessante e muito disputado. Jogadores se ofereceram, os jovens dos dois times fizeram jogo intenso, no segundo tempo fomos buscar o jogo, modificamos taticamente e tivemos controle. Para os treinadores, foi interessante. Esteticamente, não sei. Como técnico, é uma aprendizagem e temos que continuar crescendo”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Ideia era jogar no 3-4-1-2, com gente no espaço, por isso Carlos e Derlis entre centrais e laterais. Pensamos na pressão exagerada no Corinthians e isso poderia gerar um oito versus seis, mas não deu certo. A inclusão de Alison de zagueiro era porque no amistoso os cruzamentos do Corinthians foram muito perigosos e com meias que chegavam. Colocamos um zagueiro para livrar os laterais da bola cruzada. São planos e que não terminaram com solução. Ocorreram outras coisas que prejudicaram nosso jogo e isso tem a ver comigo”, completou.

Sampaoli explicou o problema nos primeiros 45 minutos e a dificuldade de enfrentar equipes de “hierarquia”.

“Corinthians fez pressão alta, nós não encontramos a saída com tanta gente no nosso campo. Tivemos que modificar a estratégia porque sofremos e não pudemos jogar no primeiro tempo. No segundo, encontramos as chances de poder entrelaçar o jogo do início para ter chances que não tivemos no primeiro. Foi mérito do Corinthians”, analisou.

“Equipes maiores têm mais hierarquia, condição distinta. Esse cenário, como o do Palmeiras, geram maior rendimento para os jovens. Tentamos com plantel jovenzinho protagonizar contra rivais de destaque. Temos que tentar melhorar para defendermos mais com a bola. Sem a bola, defendemos bem na área no último passe. Também tem a ver com a hierarquia dos rivais que repetirão o que ocorreu hoje”, concluiu.

Sampaoli cogita Pituca de 1º volante e mira testes por ausência de gringos

O técnico Jorge Sampaoli cogita utilizar Diego Pituca como primeiro volante do Santos. No 0 a 0 com o Corinthians neste domingo, em Itaquera, o meio-campista foi recuado depois das saídas de Alison e Jean Lucas no intervalo. E atuou bem.

“Pituca fez uma grande partida, outro dia de lateral, hoje de volante de contenção, no primeiro de volante misto. Interpreta muito bem o jogo e se encontra mais controle de posição, pode ser primeiro volante pois tem bom passe e isso ajuda muito”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador também falou sobre encontrar alternativas por causa da ausência dos selecionados. Convocados para Uruguai, Peru e Paraguai, respectivamente, Carlos Sánchez, Cueva e Derlis González são desfalques certos no primeiro jogo das quartas de final do Campeonato Paulista. Felipe Aguilar e Soteldo ainda podem ser chamados para as seleções da Colômbia e Venezuela.

“Estamos vendo algumas alternativas. Se não modificam o calendário, jogaremos sem os selecionados. Buscaremos formas diferentes, jogamos um partida na Copa do Brasil e agora menos de 72 horas (contra o Corinthians). Evidentemente o time sentiu, pensei no time com outros jogadores. Rodrygo e Cueva nos deram um novo ar, ameaçaram, poderiam ter convertido. Nossa equipe quase não sofreu no segundo tempo. Partido muito agradável para analisar para o futuro. Jogar contra equipe de hierarquia contra o Corinthians muda alguns detalhes e temos que impor nosso estilo depois do que nos passou hoje”, analisou o argentino.