Santos 2 x 0 Red Bull Brasil

Data: 23/03/2019, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo de ida
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 20.615 presentes (18.475 pagantes e 2.140 não pagantes).
Renda: R$ 527.047,50
Árbitro: Douglas Marques Flores
Auxiliares: Anderson Coelho e Marco Antonio Andrade.
Cartões amarelos: Carlos Sánchez, Diego Pituca e Victor Ferraz (S); Ligger, Rafael Carioca, Osman e Jobson (RB).
Gols: Carlos Sánchez (10-1) e Diego Pituca (33-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Jean Mota; Carlos Sánchez, Rodrygo (Kaio Jorge) e Eduardo Sasha (Copete).
Técnico: Jorge Sampaoli

RED BULL BRASIL
Julio Cesar; Aderlan, Leo Ortiz, Ligger e Rafael Carioca; Jobson (Pio), Uillian Correia e Osman; Claudinho (Bruno Tubarão), Ytalo e Léo Castro (Rodrigo Angelotti).
Técnico: Antonio Carlos Zago



Santos volta a jogar bem, vence o Red Bull por 2 a 0 e fica perto da semifinal do Paulista

O Santos retomou o bom nível, venceu o Red Bull por 2 a 0 na noite deste sábado, no Pacaembu, e agora tem boa vantagem por uma vaga na semifinal do Campeonato Paulista. Os gols foram marcados por Carlos Sánchez e Diego Pituca, um em cada tempo.

As equipes fizeram uma etapa inicial frenética, com diversas chances e 1 a 0 barato no placar – o Peixe teve mais chances e poderia ter ido para o intervalo com vantagem maior. Diego Pituca ainda teve gol bem anulado por impedimento depois do auxílio do VAR.

No segundo tempo, o Red Bull rondou a área santista, mas sem criar. O Alvinegro diminuiu o ritmo, atacou menos e ainda ampliou o resultado na metade final.

A partida de volta será na próxima terça-feira, às 20h (de Brasília), no Estádio Moisés Lucarelli. O Santos joga por um empate para avançar.

O jogo

Diferentemente dos últimos jogos, o Santos demonstrou a intensidade da primeira rodada logo nos minutos iniciais e empurrou o Red Bull em sua defesa.

Na primeira chance, Sánchez demorou para tocar para Sasha, sozinho na pequena área. Na segunda, Rodrygo puxou contra-ataque e rolou para Pituca, impedido, marcar, aos cinco. A arbitragem anulou por meio do VAR.

A pressão, porém, não diminuiu e o primeiro gol saiu logo em seguida, aos 10 minutos. Sánchez bateu falta venenosa, a bola passou por todo mundo e venceu Julio Cesar. 1 a 0 Peixe.

O Alvinegro seguiu em cima e quase ampliou no minuto 12, em chute perigoso de Jean Mota. E na sequência, veio o susto. Osman cruzou, Victor Ferraz vacilou e Ytalo, completamente sozinho, perdeu chance inacreditável. Vanderlei já estava caído.

Depois do “gelo” por esse lance, o Red Bull passou a ficar mais perto do gol. Aos 28, Ytalo finalizou (dessa vez bem) e Vanderlei espalmou. No minuto 31, Victor Ferraz cruzou e Rodrygo cabeceou por cima.

Aos 32, Sánchez cobrou outra falta, Julio Cesar afastou e Rodrygo bateu forte. No minuto 35, as duas equipes ficaram perto de balançar as redes.

Primeiro foi Rodrygo quem entortou a defesa e bateu bem. Julio Cesar espamou e Sánchez perdeu o rebote. No contra-ataque Ytalo, sempre ele, chutou de fora da área e Vanderlei quase frangou. Para sorte do goleiro, a bola bateu na trave.

E ainda deu tempo de Pituca também perder uma chance clara. Sasha cruzou e Pituca, livre no segundo pau, bateu na rede pelo lado de fora.

O ritmo caiu completamente para a etapa final. Melhor no segundo tempo, O Red Bull rondou a área do Santos, só que sem levar real perigo por vários minutos. A primeira chance importante veio novamente com Ytalo, em cabeceio por cima do gols aos 31.

Na sequência, veio o castigo. Sánchez foi à linha de fundo e cruzou, a defesa afastou mal e a bola caiu no pé de Rodrygo. O camisa 11 rolou para Diego Pituca finalizar bonito e ampliar o placar.

O Red Bull tentou correr atrás do gol e ficou perto em cobrança de falta de Pio, aos 42 minutos, para boa defesa de Vanderlei. Pituca ainda ficou perto de fazer o terceiro no minuto 46. E parou por aí. Vantagem merecida do Santos em busca da semifinal do Paulistão.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli vê “Santos à altura” e destaca Pituca, Sánchez e Eduardo Sasha

O técnico Jorge Sampaoli ficou muito feliz com a vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Red Bull Brasil na noite deste sábado, no Pacaembu, pela ida das quartas de final do Campeonato Paulista. Com o resultado, o Peixe pode até perder por um gol de diferença na próxima terça-feira, no Moisés Lucarelli, para avançar à semifinal.

“Foi uma das nossas melhores partidas. O rival fez com que fosse uma boa partida. Um rival que vinha sem perder há nove partidas, que nunca nos perdeu de vista na tabela. Não perdeu contra nenhuma grande equipe. O Santos esteve à altura. Agora é esperar a segunda partida, que com certeza será mais difícil”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador deu destaque para três atletas: Diego Pituca, Carlos Sánchez e Eduardo Sasha.

“Nós conhecemos um Pituca um pouco desorganizado, pouco voluntarioso, mas conosco está rendendo muito, é um jogador muito completo. Ele disputa o jogo inteiro com a mesma intensidade. Ele é o único jogador que jogou a partida anterior inteira e jogou essa. Vejo um jogador com um potencial enorme”, avaliou.

“É muito importante (Sánchez). É um jogador que nos ajuda muito na pressão inicial, na elaboração do jogo pela direita e se entende muito bem com Victor Ferraz e Rodrygo. O Sasha fez uma partida, posicionalmente, incrível. Nos deixa feliz que o Sasha tenha feito isso, nos faz pensar que erramos em não dar mais partidas para ele”, completou.

O Santos se reapresenta neste domingo, no CT Rei Pelé. Depois da boa atuação e o mea culpa de Sampaoli, Sasha deve seguir como titular.

Victor Ferraz diz que todos se pilharam antes de decisão: “O melhor Santos”

Em entrevista coletiva na última sexta-feira, o capitão Victor Ferraz chamou a responsabilidade e prometeu “a melhor versão do Santos” contra o Red Bull neste sábado, no Pacaembu, pela ida das quartas de final do Campeonato Paulista. O camisa 4 garantiu que o atraso de salário não seria preponderante. E deu certo.

O Peixe apagou as más atuações recentes e, com bom futebol e muita dedicação, conseguiu 2 a 0 e ficou perto da semifinal.

“Ainda não (pagaram o salário), mas eu não quero entrar nesse mérito. É o que menos importa nesse momento. O que mais importava era jogar bem, encaminhar a classificação. A gente entende que não tem nada resolvido. Temos que entrar na terça com a mesma postura que tivemos hoje. Quando eu me referi a ser o melhor Santos, eu sabia da necessidade de ser o melhor Santos para a gente poder vencer o RB Brasil. Se mesmo a gente jogando bem foi difícil, se não jogássemos nesse nível fatalmente teríamos perdido”, disse Ferraz.

“Como falei, a necessidade de jogar muito bem por ser uma eliminatória. Não teve um algo a mais. Deixamos a desejar em alguns jogos da fase de grupos. Sabíamos que se jogássemos como estávamos jogando não passaríamos pelo RB Brasil. Todo mundo se pilhou. Ouvi muita cobrança não só dos jogadores, mas também da comissão técnica, para que pudéssemos fazer um grande jogo e levar uma vantagem importante”, completou.