Juventude 1 x 1 Santos

Data: 15/10/1995, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 2ª rodada
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS.
Público: 4.588 pagantes
Renda: R$ 34.825,00
Árbitro: Renildo Nunes
Cartões amarelos: Picolli, Flávio, Paulo Roberto e Jean Carlo (J); Narciso e Robert (S).
Cartões vermelhos: Flávio (J) e Marcos Paulo (S).
Gols: Camanducaia (44-1) e Andrei (31-2, de pênalti).

JUVENTUDE
Márcio; Paulo Roberto, Picolli, Andrei e Flávio, Galeano, Dorival Júnior, Adriano (Cuca) e Jean Carlo; Adailton (Jorginho) e Maurício.
Técnico: Emerson Leão

SANTOS
Edinho; Marcelo Silva, Jean, Narciso e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos, Vágner e Robert; Giovanni e Camanducaia (Macedo).
Técnico: Cabralzinho



Santos não resiste à pressão e cede o empate ao Juventude no final

O Santos empatou com o Juventude em 1 a 1, ontem à tarde, em Caxias do Sul (RS), pela segunda rodada do segundo turno do Campeonato Brasileiro.

O time santista cedeu o empate aos 31min do segundo tempo em cobrança de pênalti de Andrei. Camanducaia marcou para o Santos.

O Juventude, que buscava a primeira vitória em casa na competição, teve dificuldades no começo do jogo por causa da forte marcação do Santos. O time santista, por sua vez, limitou-se a jogar nos contra-ataques.

O time gaúcho criou as melhores chances. Aos 19min, o zagueiro Andrei cobrou falta quase do meio-campo. O goleiro Edinho rebateu a bola para o meio da área e a zaga tirou para escanteio. Na sequência, Adaílton, sem marcação, cabeceou para fora.

Aos 29min, o técnico Emerson Leão, do Juventude, substituiu Adriano por Cuca, para dar mais velocidade à equipe. Aos 43min, Cuca teve a chance de marcar, mas chutou fraco, permitindo defesa de Edinho.

Um minuto depois, o Santos chegou ao gol, na primeira chance que teve no jogo. Camanducaia foi lançado, driblou o zagueiro Flávio e, na saída de Márcio, marcou.

No segundo tempo, o Santos decidiu tocar a bola e gastar o tempo. Até os 30min, o time conseguiu evitar a pressão do Juventude e quase ampliou o placar, com uma cabeçada de Carlinhos.

O gol de empate ocorreu aos 31min. O ponta Mauricinho cruzou e Cuca concluiu para o gol, com Edinho já batido. O lateral Marcos Paulo evitou o gol com a mão. O juiz assinalou pênalti e expulsou o jogador. O zagueiro Andrei cobrou e converteu.

Mesmo desorganizado, o Santos partiu para o ataque em busca do segundo gol. Aos 44min, Giovanni recebeu lançamento de Macedo e, livre de marcação, chutou em cima do goleiro Márcio.

A torcida do Juventude aplaudiu o time no final do jogo por conseguir sair de um resultado desfavorável.

Carlinhos vê falta de ‘seriedade’

O técnico do Santos, Cabralzinho, disse que faltou seriedade à equipe no empate com o Juventude. “Tínhamos o jogo na mão, mas voltamos a errar e a desperdiçar várias chances de gol”, afirmou o técnico.

Foi o segundo jogo em que o time cedeu o empate quando vencia. Na quinta-feira, em casa, o time ganhava por 4 a 2 do Bragantino, mas permitiu a reação nos minutos finais.

“Faltou concluir bem. Tivemos várias oportunidades, mas não marcamos o segundo gol”, disse o volante Carlinhos. “Hoje não foi a zaga que falhou, mas o ataque”, disse. O jogador acha que os quatro pontos desperdiçados contra Juventude e Bragantino “podem fazer falta” à equipe.

Emerson Leão, técnico do Juventude, considerou o empate bom. “O time se esforçou e conseguiu reagir no final”, afirmou o treinador.

O volante Flávio, improvisado na zaga, reclamou de sua expulsão, aos 10min do segundo tempo. “Dei carrinho na bola, Giovanni resolveu ficar caído e o juiz decidiu me dar o vermelho”, disse o jogador.

O zagueiro Andrei foi aplaudido no final do jogo pela torcida. Ele marcou o gol de empate e, com cobranças de falta de longa distância, levou perigo ao gol defendido por Edinho.

“Apenas fiz a minha parte”, disse. Andrei marcou quatro dos cinco gols que o Juventude fez sob o comando de Leão. O outro foi anotado por Antônio Carlos, do Palmeiras, contra.