Santos 1 x 0 Corinthians – 6 x 7 nos pênaltis

Data: 08/04/2019, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 38.542 presentes (37.731 pagantes e 811 não pagantes).
Renda: R$ 1.477.585,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Luiz Alberto Andrini Nogueira.
VAR: Thiago Duarte Peixoto
Cartões amarelos: Alison, Diego Pituca, Sánchez e Kaio Jorge (S); Clayson e Cássio (C).
Gol: Gustavo Henrique (41-2).
Pênaltis: Santos: Converteram: Rodrygo, Soteldo, Sánchez, Derlis, Pituca, Alison; Perderam: Kaio Jorge (travessão) e Victor Ferraz (trave). Corinthians: Converteram: Vagner Love, Ramiro, Júnior Urso, Fagner, Sornoza, Danilo Avelar, Henrique; Perdeu: Boselli (defesa).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Diego Pituca; Alison, Carlos Sánchez e Jean Mota (Kaio Jorge); Cueva (Rodrygo), Soteldo e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

CORINTHIANS
Cassio, Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso e Sornoza; Pedrinho (Vagner Love), Clayson (Ramiro) e Gustavo (Boselli).
Técnico: Fabio Carille



Corinthians tira Santos nos pênaltis e vai à terceira final seguida de Paulistão

Fiel ao estilo que o consagrou em tantas competições nos últimos anos, o Corinthians garantiu na noite dessa segunda-feira a vaga na final do Campeonato Paulista pelo terceiro ano seguido. Diante de um Pacaembu lotado de santistas, o Timão não se furtou a apostar na sua força defensiva para fazer valer a vantagem conquista em Itaquera, mas a estratégia deu certo só até os 41 minutos do segundo tempo, quando Gustavo Henrique ganhou bola alta, garantiu o triunfo do Peixe por 1 a 0 e levou tudo para os pênaltis.

Diante da marca da cal foram necessários 16 chutes. Boselli foi o único a parar em Vanderlei. Cássio dessa vez não foi herói, mas o Timão comemorou por causa das batidas na trave de Kaio Jorge e Victor Ferraz. Aliás, foi a terceira vitória corintiana nos pênaltis em 2019, dessa vez pelo placar de 7 a 6.

Disposto a encontrar um jeito de furar o sistema defensivo corintiano, Jorge Sampaoli resolveu inovar. Mandou Pituca para a lateral esquerdo e colocou Soteldo pela ponta, com Cueva no meio, mais próximo de Jean Mota.

O Corinthians, por sua vez, conseguiu segurar o ímpeto inicial dos mandantes com uma marcação alta que incomodou a saída de bola de Vanderlei. Aos poucos, porém, o time de Fábio Carille foi se restringindo a viver de bicões que procuravam por Gustagol.

A ideia de começar com Pedrinho não surtiu efeito no ataque. Sornoza foi quem mais comprometeu a marcação. Mesmo assim, a ausência de um centroavante foi sentida pelo Peixe, que erros passes em demasia na busca por um espaço.

Na única intervenção mais incisiva de um goleiro, Cássio evitou gol de Jean Mota já dentro da área em lance originado por falha de Pedrinho e chute torto de Cueva.

A chuva que não deu trégua até o intervalo não voltou para o segundo tempo. Pedrinho e Cueva também não. Vagner Love e Rodrygo, que teve a entrada solicitada por parte da torcida ainda no primeiro tempo, foram para o jogo.

Como era de se imaginar, a vantagem do Corinthians por ter vencido na Arena por 2 a 1 passou a ser respeitada mais do que nunca. Definitivamente as propostas ficaram escancaradas. O Santos se lançou e o Timão se encolheu, a espera de um contra-ataque mortal.

Com Ramiro no lugar de Clayson, esse cenário apenas se consolidou. O Corinthians errava todas as suas saídas de bola e indignava Fábio Carille na beira do campo. E nesse momento de dificuldade mais uma vez apareceu a figura de Cássio.

Famoso por seus atos em jogos decisivos, o camisa 12 corintiano voltou a ser crucial, principalmente em um chute forte, de dentro da área, de Rodrygo.

Cássio só não teve o que fazer aos 41 minutos, quando Victor Ferraz acertou um cruzamento na medida para Gustavo Henrique. Sem marcação, o zagueiro testou a bola para o chão e levou a torcida à loucura.

Antes do apito final só deu tempo para Boselli entrar na vaga de Gustagol, aparentemente com câimbras. Com o estádio todo de pé, veio o apito final e a aflição pela certeza que o finalista sairia apenas após a disputa de pênaltis.

Diante da marca da cal, de cara, Boselli parou em Vanderlei. Na sequência, Cássio tocou, mas não evitou o gol de Rodrygo. Vagner Love fez, mas Kaio Jorge mandou no travessão. Ramiro e Soteldo não desperdiçaram. Júnior Urso cobrou com categoria, assim como Sánchez. Os últimos da primeira sequência foram Fagner e Derlis. Ambos garantiram os seus gols e levaram. Sornoza, então, mandou no ângulo. Pituca também acertou. Avelar e Alison também. Henrique converteu e coube a Victor Ferraz ser o vilão na 16ª cobrança. O lateral acertou o pé da trave e acabou com as chances do Santos de chegar à final.

Agora, o time da Baixada Santista foca no duelo contra o Atlético-GO, quinta-feira, pela Copa do Brasil, quando mais uma vez o Peixe terá de correr contra o prejuízo por ter perdido fora de casa por 1 a 0. Já o Corinthians tem o São Paulo pela frente na luta pelo título do Estadual nos dois próximos domingos. Pela Copa do Brasil, o time também está classificado à quarta fase e apenas aguarda sorteio da CBF para descobrir seu adversário e as datas dos confrontos.

Sampaoli vê partida incrível e promete não trair jogo ofensivo do Santos

O técnico Jorge Sampaoli exaltou a forma de jogar do Santos na eliminação da semifinal do Campeonato Paulista nesta segunda-feira, no Pacaembu.

Depois da derrota por 2 a 1 em Itaquera, o Peixe criou várias chances, venceu por 1 a 0 e perdeu nos pênaltis.

“Prometo que nunca vou trair essa forma de jogar. Nunca vou jogar de outra forma que não seja a que jogamos hoje”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Tomara que esse resultado não nos faça cair, porque temos que nos preparar para o Brasileirão. Temos que ter valentia, capacidade, segurança e convicção para jogar dessa forma em qualquer lugar”, completou.

Sampaoli diz que a campanha no Paulistão serve de lição no Alvinegro.

“,Jogamos uma partida incrível, mas não nos classificamos. O Paulista nos serviu de aprendizado para que o jogador tenha em mente a ideia do treinador. Hoje foi uma festa no estádio”, concluiu.

Santistas reclamam da “retranca” do Corinthians: “Nem sempre o melhor vence”

Os jogadores do Santos reclamaram da “retranca” do Corinthians depois da eliminação da semifinal do Campeonato Paulista na noite desta segunda-feira, no Pacaembu.

Depois da derrota por 2 a 1 em Itaquera, o Peixe atacou durante todo o tempo, fez o gol da vitória com Gustavo Henrique no fim e perdeu nos pênaltis.

“O Corinthians não veio para jogar futebol, veio para defender. Ficou com os 11 ali atrás. Só o Santos jogou. Agora é levantar a cabeça, nem sempre o melhor vence”, afirmou Pituca.

Fora do Paulistão, o Santos voltará a campo para enfrentar o Atlético-GO na quinta-feira, na reinauguração da Vila Belmiro, pela volta da terceira fase da Copa do Brasil. Na ida, o Peixe perdeu por 1 a 0.

Victor Ferraz chora após eliminação no Santos: “Sonhei com a imagem de levantar a taça”

O capitão Victor Ferraz chorou em entrevista depois da eliminação do Santos na semifinal do Campeonato Paulista para o Corinthians, nesta segunda-feira, no Pacaembu.

Um dos melhores em campo, o lateral-direito deu a assistência para o gol de Gustavo Henrique, mas perdeu o último pênalti. Diante das câmeras, não aguentou o choro e contou de um “sacrifício” para chegar em boas condições na decisão.

“Para mim fica mais pesado. Eu sou um cara muito pressionado aqui né. Eu queria muito colocar o Santos em mais uma final e levantar mais um título pelo clube. Eu como capitão. Sonhei muitas vezes com essa imagem de levantar a taça. Tem até um episódio que posso contar para vocês. Tenho um filho pequeno, tem um ano e meio e muita energia. Eu preferi, junto com a minha esposa, em mandar ele para a Paraíba. Quando eu chego em casa tenho que brincar muito com ele, então eu ficava mais cansado ainda. Pra que eu pudesse estar completamente focado aqui”, disse Ferraz.

“Acabei sendo coroado com a assistência. Estava combinado de eu não bater porque eu fui o único jogador a ter jogado na quinta. Hoje o campo estava muito pesado, tivemos que correr atrás e eu tive que fazer duas funções. Então eles mesmo me optaram por me deixar para depois. Eu sou um cara que bate pênalti, nas decisões eu sempre bati. Mas eu só posso pedir desculpas ao torcedor. Tentei dar o meu melhor junto com meus companheiros. É levantar a cabeça. Hoje não tem como, fico muito triste. Mas quinta temos mais uma decisão. Com todo respeito ao Campeonato Paulista, que tem muita importância para mim, mas a Copa do Brasil é muito importante. Amanhã é trabalhar porque temos que dar a volta por cima na quinta-feira”, completou.

Sánchez diz que eliminação serve de alerta para o Santos desperdiçar menos chances

Carlos Sánchez diz que a principal lição do Santos depois da eliminação para o Corinthians é desperdiçar menos chances criadas nas próximas decisões.

O Peixe dominou o rival, mas venceu “só” por 1 a 0 e acabou derrotado nos pênaltis depois do 1 x 2 em Itaquera.

“Temos que concretizar as chances criadas. Isso é o que levamos de hoje. São todas finais, temos que agradecer pelo apoio a todo tempo. Usamos esse apoio para sempre procurar o gol rival”, disse Sánchez.

O uruguaio falou sobre o sentimento de jogar bem, mas sair de campo com a derrota.

“Triste porque jogamos bem, tivemos chances de gol. Criamos muito e se fizéssemos um gol antes, poderíamos ter jogado mais tranquilos. Gol demorou, mas tivemos atitude, nunca cruzamos os braços e fomos para cima”, afirmou, antes de falar sobre o tropeço na ida.

“Pecamos nisso, de não conseguir vantagem como visitante. Hoje foi tudo nosso, fizemos um grande jogo e não vencemos os pênaltis. Não podemos lamentar, mas sim temos que estar contentes pelo que fizemos”, concluiu.

Temos que concretizar as chances criadas. Isso é o que levamos de hoje. São todas finais, temos que agradecer pelo apoio a todo tempo. Usamos esse apoio para sempre procurar o gol rival.