Jogos inesquecíveis


Vitória 0 x 1 Santos

Data: 07/12/2014, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Estádio do Barradão, em Salvador, BA.
Público: 8.326 pagantes
Renda: R$ 57.520,00
Árbitro: Anderson Daronco (RS-ASP-FIFA).
Assistentes: Fabio Pereira (TO-FIFA) e Rafael da Silva Alves (RS-ASP-FIFA).
Cartões amarelos: Alison, Cicinho e Aranha (S).
Gol: Thiago Ribeiro (48-2).

VITÓRIA
Gatito Fernandéz; Ayrton, Kadu, Ednei e Richarlyson; José Welison, Neto Coruja, Cáceres (Willie) e Marcinho (Juan); Vinícius (Beltrán) e Edno.
Técnico: Ney Franco

SANTOS
Aranha, Daniel Guedes (Serginho), Neto (Edu Dracena), David Braz e Caju; Alison, Renato (Alan Santos) e Lucas Lima; Thiago Ribeiro, Gabriel (Cicinho) e Leandro Damião.
Técnico: Enderson Moreira


Santos bate Vitória no Barradão e garante Palmeiras na Série A

Como o Palmeiras ficou apenas no 1 a 1 com Atlético-PR, em São Paulo, o Vitória precisava apenas ganhar em sua casa para se livrar do rebaixamento, mas perdeu por 1 a 0

A rivalidade histórica entre Santos e Palmeiras foi deixada de lado neste domingo e o Peixe, que já não tinha o que almejar no Campeonato Brasileiro , venceu por 1 a 0, no estádio do Barradão, em Salvador, em duelo válido pela 38ª e última rodada da competição, e segurou, assim, o Verdão na Série A. Como o Palmeiras ficou apenas no 1 a 1 com o Atlético-PR, em São Paulo, o Vitória precisava apenas vencer em sua casa para se livrar do rebaixamento, mas o time errou demais, criou poucas chances e não teve forças para se manter na elite do futebol nacional.

Na tabela de classificação, o Vitória acabou com 38 pontos, em 17º lugar, enquanto o time de Vila Belmiro fechou o ano em 9º, com 53 pontos marcados.

O jogo

Apesar de apenas cumprir tabela, o Santos começou melhor a partida deste domingo, no Barradão. Logo aos 3 minutos, Gabriel cruzou para

Aos 9, Airton soltou uma bomba de fora da área e viu Aranha espalmar para escanteio. Na sequência, Marcinho arriscou chute cruzado, mas a bola foi direto pela linha de fundo. Mas a torcida do Vitória fez festa mesmo foi gol o anúncio do gol do Atlético-PR em cima do Palmeiras. Porém, dois minutos depois o alto-falante também anunciou o gol do Bahia em cima do Coritiba e voltou a calar o Barradão.

Com o rubro-negro baiano dando muito espaço, o Peixe chegava com facilidade. Aos 16, Damião fez o pivô e Gabriel acertou a trave, cara a cara.

Na segunda etapa, a única mudança foi o empate o Coxa com o Bahia, em Curitiba. Mesmo precisando apenas de um gol para escapar do rebaixamento e se manter na Série A, já que o empate no Allianz Parque lhe favorecia, o Vitória não encontra forças, muitos jogadores acusaram cansaço, se arrastaram em campo e pouco criaram chances perigosas. O goleiro Aranha praticamente não foi exigido.

Por outro lado, o Santos jogava apenas por profissionalismo, encaixou na segunda etapa, um ataque com Leandro Damião, que saiu frente a frente com o goleiro, mas novamente não aproveitou a chance.

O único gol do jogo saiu já nos acréscimos, quando o alvinegro praiano teve muito espaço e soube aproveitar. Caju fez a assistência e Thiago Ribeiro bateu para marcar. Com isso, O Vitória volta a disputar a Série B do Brasileirão no próximo ano, enquanto o Santos entra de férias de olhos nas eleições presidenciais do próximo sábado.

Abaixo o momento emocionante para os palmeirenses do gol de Thiago Ribeiro, onde o alviverde escapou do terceiro rebaixamento em 12 anos (2002, 2012 e 2014).





Palmeiras 1 x 1 Atlético-PR

Data: 07/12/2014, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Allianz Parque, em São Paulo, SP.
Público: 33.151 pagantes
Renda: R$ 2.976.260,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)
Assistentes: Marcelo Bertanha Barison e Jose Antônio Chaves Franco Filho (ambos do RS).
Assistentes adicionais: Francisco de Paula dos Santos Silva Neto e Diego Almeida Real (ambos do RS).
Cartões amarelos: Cristaldo (P) e Dráusio (A).
Gols: Ricardo Silva (09-1) e Henrique (20-1, de pênalti).

PALMEIRAS
Fernando Prass; João Pedro, Nathan (Victorino), Lúcio e Victor Luis; Gabriel Dias, Renato, Wesley (Cristaldo) e Valdivia; Mazinho (Mouche) e Henrique Dourado.
Técnico: Dorival Júnior

ATLÉTICO-PR
Weverton; Mário Sérgio, Dráusio, Ricardo Silva e Olaza; Otávio; Paulinho Dias, Nathan (Matteus), Marcos Guilherme; Coutinho e Dellatorre (Pedro Paulo).
Técnico: Claudinei Oliveira


Foi sorte! Palmeiras empata e segue na Série A graças aos resultados dos rivais

Mesmo jogando em casa, time de Dorival Júnior não conseguiu vencer e ficou apenas no 1 a 1 com o Atlético-PR

Foi com emoção. O Palmeiras só dependia dele para assegurar permnência na Série A do Campeonato Brasileiro. Mas quem disse que essa tarefa seria fácil de ser cumprida? Mesmo empurrado por mais de 33 mil torcedores, o time alviverde foi mais na raça do que na técnica para seguir na elite e garantir o empate por 1 a 1 com o Atlético-PR , neste domingo, no Allianz Parque.

Por oito minutos e 1 a 0 contra no placar, o Palmeiras se viu na zona de rebaixamento e acumulando a terceira queda em sua história. O artilheiro Henrique, de pênalti, aliviou a tensão com um gol de pênalti.

Não foi por competência, mas o Palmeiras se salvou de mais uma queda por conta da vitória por 1 a 0 do Santos sobre o Vitória , no Barradão, e a virada do Coritiba por 3 a 2 contra o Bahia . A mentalidade precisa mudar, ou 2015 será novamente um ano de sofrimento. Com os resultados da rodada, os dois representantes da Bahia na elite estão rebaixados para a segunda divisão.

O jogo

Para o jogo que custava a permanência do Palmeiras na elite do futebol brasileiro, o técnico Dorival Junior não repetiu a escalação do time, mais uma vez, e surpreendeu ao colocar o jovem zagueiro Gabriel Dias improvisado no meio de campo e Victor Luis de volta à posição de origem, na lateral esquerda. As mudanças tinham um único propósito: vencer.

Com o Atlético-PR recheado de reservas, a missão parecia ser fácil. Mas na prática….O Atlético-PR diminuia com eficiência os espaços do Palmeiras e demonstrava perigo, sobretudo quando a bola passava pelos pés de Dellatorre. Era o prenúncio do balde de água fria.

Aos nove minutos, Dellatorre fintou Lúcio e arriscou o chute. Fernando Prass espalmou e, no rebote, Gabriel Dias tirou em cima da linha o gol que seria de Douglas Coutinho. Na sequência, nem as preces que se concentravam nas arquibancadas foram suficientes para evitar o gol dos visitantes. Após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo, Ricardo Silva subiu mais do que Lúcio e colocou a bola para o fundo das redes.

Com a desvantagem no placar, a vida do Palmeiras passou a complicar ainda mais. Dois minutos depois, o Bahia abriu o placar contra o Coritiba, no Couto Pereira, e colocou o Palmeiras na zona de rebaixamento. A partir daí, o cronônometro dos telões do Allianz Parque foram retirados e a torcida cantava cada vez mais alto na intenção de afastar a apreensão que os poucos tomava conta. E o nervosismo não estava restrito somente à torcida. O time de Dorival Júnior demonstrava dificuldade para chegar à meta de Weverton. Aos 18 minutos, Gabriel Dias chutou, e Dráusio com o braço afastou. O árbitro Leandro Vuaden foi avisado pelo assistente adicional e assinalou o pênalti. Na cobrança, Henrique bateu com categoria e igualou o placar. Gol do artilheiro e o primeiro do Palmeiras no novo estádio.

Naquela altura, o Bahia vencia por 2 a 0 e pressionava ainda mais o Palmeiras, mesmo não o ultrapassando com o empate em São Paulo. Valdivia, que mesmo não estando 100% recuperado de um edema na coxa esquerda, virou uma a esperança e era a cada coro mais aclamado pelos torcedores. A liderança dentro de campo era nítida. Embora se esforçasse para mostrar o melhor caminho para os companheiros, eles pareciam barrados pela limitação técnica. Renato bem que tentou, mas o placar continuou inalterado no fim da primeira etapa.

Na volta do intervalo, o Palmeiras continuou com a mesma formação. Mas bastaram sete minutos para Dorival mudar de ideia e colocar o atacante argentino Cristaldo no lugar de Wesley. O volante, que tem contrato até fevereiro de 2015, foi muito insultado na saída do gramado. Nathan, que estava bem no jogo, se machucou e precisou ser substituído por Victorino.

Com a nova composição, o Palmeiras não esboçava reação. A melhor oportunidade foi aos 23 minutos, quando Valdivia deu um belo passe para Cristaldo, que chutou e viu Weverton desviar de peito. E aí foi uma chance atrás da outra desperdiçada. O ataque não funcionou, e jogo terminou em 1 a 1. No fim, a torcida xingou o presidente Paulo Nobre e criticou muito os jogadores do elenco.

No Palestra, torcida vibra com gol santista e xinga Nobre e Palmeiras

Equipe apenas empatou com o Atlético-PR em casa e se salvou do rebaixamento porque o Vitória foi derrotado pelo Santos

O último ato da torcida do Palmeiras no ano de seu centenário foi comemorando o gol de um rival paulista. Quando Thiago Ribeiro marcou o gol da vitória do Santos, nos acréscimos diante do Bahia, em Salvador, os palmeirenses vibraram e se abraçaram. A vaga na primeira divisão do Brasileiro estava garantida, apesar do time e de Paulo Nobre.

Ao fim do empate por 1 a 1 com o Atlético-PR, que deixava o Palmeiras dependendo que o Vitória não vencesse, a torcida deixou de apoiar como fez ao longo dos 90 minutos. Primeiramente, vaiaram e, depois, gritavam que “time sem vergonha”. O alvo pessoal era Nobre.

“O Paulo Nobre, seu imbecil, pega esse time e vai para a p… que o pariu”, gritavam, ainda reclamando que o presidente acabou com o centenário do clube. De seu camarote, Nobre ouvia tudo acompanhando o duelo entre Santos e Vitória.

Com a derrota dos baianos e a confirmação do Palmeiras na elite, o torcedor parou de xingar por alguns minutos para cantar que Valdivia, um dos poucos que ficou em campo e que atuou sem condições físicas por conta de dores na coxa esquerda, “é um terror”. Só o chileno pareceu ser poupado.

Durante a partida, a torcida pegou no pé apenas de Lúcio, dono de atuação desastrosa, e Wesley, xingado desde antes do apito inicial por conta de sua dificuldade para renovar com o clube. Felipe Menezes, Juninho e Diogo, que não saíram do banco, também foram vaiados ao serem anunciados pelo sistema de som.

Acompanhe os momentos finais, o alívio dos torcedores e o desabafo dos jogadores palmeirenses.