Santos 2 x 0 Internacional

Data: 30/08/1998, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 8ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.206
Renda: R$ 137.980,00
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça
Gols: Viola (32-1) e Lúcio (42-1).

SANTOS
Zetti; Baiano, Jean, Claudiomiro e Athirson; Narciso, Élder, Jorginho (Marcos Basílio) e Lúcio; Viola e Messias (Adiel).
Técnico: Emerson Leão

INTERNACIONAL
André; Denílson, Marcão, Regis e Espínola; Anderson, Reginaldo (Enciso), João Antonio (Narcísio) e Marcelo; Paulo Diniz e Fernando (Marcelo Scott).
Técnico: Cassiá



Santos administra vitória e 2º lugar

O Santos abriu vantagem de dois gols no primeiro tempo, administrou o placar na segunda etapa e continua próximo do Corinthians na liderança do Brasileiro-98, com a vitória sobre o Internacional, na Vila Belmiro, ontem, por 2 a 0.

O time de Emerson Leão, segundo colocado isolado e invicto, soma agora 20 pontos em oito jogos no torneio. O Corinthians de Wanderley Luxemburgo, com um jogo a mais, tem 23 pontos.

Foi a segunda derrota do time gaúcho na competição, que tem 15 pontos e está em quarto lugar.

A partida marcou o retorno do time santista ao Brasileiro após mini excursão européia, onde durante a semana empatou com o Barcelona, da Espanha, em 2 a 2 (perdeu nos pênaltis), e derrotou a Roma, da Itália, por 3 a 2.

O time viajou após a vitória sobre o São Paulo no domingo passado, por 3 a 1, e retornou na última sexta-feira, concentrando-se direto para a partida de ontem.

“O time vem de viagem, cansado, mas deu para administrar e aguentar bem os 90 minutos”, afirmou o goleiro Zetti.

O jogo

No início do jogo, o time de Emerson Leão parecia disposto a decidir nos minutos iniciais. Possuía maior domínio de bola e exercia forte pressão no adversário. Mas os desfalques do lateral-direito Ânderson e do zagueiro Argel começaram a pesar contra após essa pressão inicial.

Sem opção de ataque pela ponta direita, já que Baiano não apoiava, o time vivia das subidas do lateral-esquerdo Athirson. Somado à improvisação do volante Claudiomiro pela esquerda na zaga, o setor ficou bastante vulnerável e permitiu que o Inter ameaçasse.

Após jogadas pela ponta, em três oportunidades o time gaúcho esteve perto de abrir o placar até os 20min do primeiro tempo.

O Santos passou a não ter mais domínio da posse de bola e vivia das jogadas de bola parada. Em uma delas, aos 18min, após rebote e chute de Athirson, a bola sobrou para Jorginho na pequena área. Livre, o meia bateu em cima do goleiro André.

A torcida já se mostrava impaciente com a baixa produtividade santista até que, após chute de longe de Claudiomiro, o atacante Viola conseguiu desviar do goleiro André e abriu o placar aos 32min. Foi o sétimo gol dele no Brasileiro.

Dez minutos depois, o time santista ampliou o placar. O atacante Messias, que substituiu Aristizábal, contundido, recuperou bola na entrada da área e acionou Lúcio, que corria pela esquerda. Dentro da área, Lúcio passou por Denílson e desviou cruzado no canto esquerdo de André.

Na segunda etapa, o Santos diminuiu o ritmo e optou pelos contra-ataques, puxados pelo meia Lúcio, que jogava mais adiantado, e Viola, isolado na frente.

Logo aos 3min, teve chance para ampliar em cobrança de falta de Messias, que acertou o travessão.

Daí até o final da partida, o time só chegou com perigo mais uma vez, em chute de Baiano de fora da área, aos 20min.

Já o Inter teve três oportunidades. Em uma delas, o goleiro Zetti defendeu chute do zagueiro Marcão com a cabeça. Na última chance, aos 34min, após a bola cruzar a área, Narcísio bateu por cima com o gol livre.

Zetti considera time maduro

O goleiro Zetti considera que o Santos amadureceu bastante desde o empate com o Atlético-MG, em 4 a 4, no último dia 19.

Na oportunidade, em partida disputada na Vila Belmiro, o time santista chegou a estar perdendo por 4 a 1, mas conseguiu o empate no final do jogo. “O único jogo em que erramos na competição foi esse, mas felizmente deu tempo para reagir. A gente sempre vai tirar aquela partida como exemplo”, afirmou.

Segundo o goleiro, que ontem chegou a defender um chute com a cabeça, a lição valeu para a partida de ontem, quando o time, cansado após retornar de viagem, soube garantir a vitória jogando nos contra-ataques após ter vantagem no placar. “O time mostrou que está bem preparado.”

O próximo jogo santista será contra o Guarani, quarta. Para a partida, o técnico Emerson Leão não poderá contar com o lateral-esquerdo Athirson, suspenso.

O atacante Aristizábal, que, contundido, não jogou ontem, pode retornar. Voltam também o lateral Ânderson e o zagueiro Argel.

Em relação ao atacante colombiano, Atlético-MG e Palmeiras lutam no TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) para ganhar os pontos das partidas contra o Santos por considerarem que o atleta não possuía documentação em ordem. Entretanto, segundo um representante da CBF, o visto de trabalho do jogador -ponto da polêmica- é legal, pois é válido para qualquer time.

Saúde Santos

Por Juca Kfouri

Os maiores heróis da rodada foram os santistas. Que saúde, que coração!

Derrotaram o São Paulo no domingo, no Morumbi, empataram com o Barcelona na terça-feira, em Camp Nou, venceram o Roma na quinta, no Estádio Olímpico e, mesmo assim, trituraram o Inter ontem, na Vila Belmiro.

Como se fuso horário, mudança de alimentação, troca de cama, vôo de 12 horas, excesso de jogos, nada disso existisse diante do Inter, quarto colocado.

De Zetti a Messias (que bela descoberta no Madureira!), passando pelo veterano Jorginho, os jogadores do Santos pareciam estar há dias sem ver a cor da bola, tal o apetite com que se lançaram ao jogo.

Lúcio, então, anda desequilibrando tanto que é melhor nem falar para que os rubro-negros não passem a achar que tem caveira enterrada na Gávea -o que tem lá é apenas um sorriso cínico de quem se arrumou à custa do Mengo e levou o clube à vexaminosa bancarrota.

O Santos até sentiu os efeitos da maratona no segundo tempo, mas soube segurar a justa vitória.

Quarta-feira, o desafio é no Brinco de Ouro, contra o Guarani, para no domingo que vem receber, outra vez na Vila, o terceiro colocado Sport.

Haja saúde!



Santos pega Inter em nome da eficiência ( Em 30/08/1998 )

O Santos entra em campo para enfrentar o Internacional hoje, às 16h, na Vila Belmiro, ostentando a condição de mais eficiente time paulista do ano, embora esse desempenho não tenha dado ao clube um título de campeão.

Vice-líder do Brasileiro, com 17 pontos, o time busca confirmar a melhor performance entre os quatro “grandes” do Estado com uma conquista que persegue há 14 anos-o último título de importância foi o do Paulista-84.

Em cinco campeonatos disputados em 98 (Rio-São Paulo, Paulista, Copa do Brasil, Brasileiro e Conmebol-os dois últimos em andamento), a média de gols da equipe é de 2,23 por partida, e o índice de derrotas, de 13%.

O campeão da estatística, porém, não teve boa performance nos momentos decisivos, ao contrário dos rivais, que têm números inferiores, mas resultados, em termos de conquistas, superiores.

O São Paulo, com mais derrotas (30%) dentre os quatro, é o mais pragmático. Apesar da performance inferior, conquistou o Paulista e é vice do Rio-São Paulo.

O Palmeiras (19,5% de derrotas e 1,73 gol por partida em cinco competições) é o atual campeão da Copa do Brasil.

O Corinthians, que começou mal a temporada, com cinco derrotas em seis jogos pelo Rio-São Paulo, chegou ao vice-campeonato paulista e é o atual líder do Campeonato Brasileiro.

O time santista, por sua vez, terminou invicto o torneio Rio-São Paulo e a Copa do Brasil, mas sem ao menos conseguir chegar às finais-foi eliminado das duas competições em disputas por pênaltis na fase semifinal.

No Brasileiro, o time ainda não perdeu (cinco vitórias e dois empates). Na Copa Conmebol, na qual sofreu uma derrota-para o Colombiano Once Caldas, por 2 a 1-, vai disputar a semifinal contra o Sampaio Corrêa (MA).

Apesar de não ter assistido a equipe conquistar títulos em 98, a torcida não pode reclamar de vê-lo perder com frequência. Nesse aspecto, a regularidade da equipe atual é comparável à das melhores fases da história do clube.

Com os dois resultados obtidos na mini excursão à Europa (2 a 2 com o Barcelona e 3 a 2 sobre a Roma), o percentual de derrotas do Santos-98 se equiparou ao do Santos-68, ano em que o clube conquistou mais títulos (sete).

Em 98, o Santos já fez metade (42) das 84 partidas disputadas pela equipe de 68 e tem exatamente a metade das derrotas do time daquele ano-6 contra 12, um percentual, em ambos os casos, de 14,28%.

Lotação

A Vila Belmiro terá sua capacidade ampliada a partir de hoje. A diretoria anunciou ter obtido do Corpo de Bombeiros uma autorização para que o estádio receba até 20.120 torcedores por partida.

Desde o clássico contra o Palmeiras, em 15 de agosto, a lotação da Vila Belmiro estava limitada a apenas 12 mil pagantes, por determinação do Corpo de Bombeiros.

A ampliação da capacidade em 8.000 lugares foi decorrente de um consenso entre os engenheiros do Santos e os comandos estadual e regional do Corpo de Bombeiros, de acordo com o diretor de Patrimônio do clube, André de Fazio.

Segundo ele, os bombeiros decidiram adotar como referência para estabelecer a capacidade da Vila Belmiro os mesmos parâmetros técnicos usados pelo Contru, órgão da Prefeitura de São Paulo.

Ao determinar o limite em 12 mil espectadores, o comando dos bombeiros estava adotando como referência a norma NB-9077, mais restritiva e menos detalhada do que os parâmetros do Contru.

Os novos critérios consideram como fatores para quantificar o público o tempo médio de desocupação em caso de risco e distâncias mínimas até as saídas.

Time joga desfalcado

O técnico Leão vai improvisar para suprir desfalques do Santos na partida de hoje, às 16h, contra o Internacional na Vila Belmiro. A equipe não terá os titulares Ânderson e Argel, suspensos, e Aristizábal, que no treino de ontem pela manhã sentiu um estiramento na coxa direita.

O volante Claudiomiro vai para a zaga, na vaga de Argel, com Marcos Basílio ou Élder no meio-campo.

Para o lugar de Ânderson, na lateral-direita, está escalado o volante Baiano.

Adiel substitui Aristizábal, que negou que vá ficar de fora da partida devido ao recurso que Palmeiras e Atlético-MG impetraram anteontem junto à CBF reivindicando os pontos dos jogos em que enfrentaram o Santos, por suposta escalação irregular do atleta.

Os dois clubes argumentam que Aristizábal não teve sua situação de trabalho no país regularizada após se transferir do São Paulo para o Santos. O clube que o atleta tem condições legais de trabalho.

Leão considera ‘refúgio europeu’ como benéfico

A mini excursão para a Europa serviu como um refúgio para os jogadores depois de o Santos alcançar a liderança do Brasileiro, antes de o Corinthians reassumir a ponta, após bater o América-MG no meio da semana.

Essa é a opinião do técnico do time, Emerson Leão. “A equipe seria muito badalada pela imprensa, e isso é prejudicial.”

O treinador afirmou que os jogadores não sentirão cansaço no jogo de hoje, diante do Inter, na Vila Belmiro.

Repórter – Você considera que a viagem à Europa foi positiva?
Emerson Leão – Foi muito positiva. Se nós ficássemos aqui, o time sofreria a pressão da imprensa. Como havíamos vencido o São Paulo e conquistamos a liderança do Brasileiro, o time seria muito badalado, e isso é prejudicial. Além disso, foi ótimo mostrar para o mundo que o Santos ainda tem bons jogadores. Mais uma vez, reforçamos a condição de grandeza do Santos.

Repórter – Você não teme que a equipe sinta cansaço depois de viajar 12 horas e de jogar três jogos em cinco dias?
Leão – Acho que o time não está cansado. Todos jogaram. Ninguém foi sobrecarregado.

Repórter – E o fuso horário, de cinco horas, não atrapalha?
Leão – Não terá influência. Os atletas terão tempo de descansar até a partida contra o Inter. Por isso, o treino de sábado foi adiantado das 8h para as 10h. A viagem desgasta, mas eles terão descanso o suficiente.

Repórter – Antes de viajar, você disse que não estava preocupado com os resultados. Mesmo assim, o time venceu a Roma por 3 a 2 e empatou com o Barcelona em 2 a 2. Ficou satisfeito?
Leão – Não estava preocupado com os resultados, mas foram muito bons. Disse aos atletas que iriam passear na Europa.

Repórter – Atuar no exterior foi bom para que os jogadores mostrassem seu futebol a possíveis interessados?
Leão – Não fomos para a Europa para vender jogador. É claro que havia empresários assistindo os jogos. Até no hotel, o que me irrita muito, eles circulavam. Mas, no Santos, temos a seguinte opinião: nenhum jogador é inegociável. Quem pagar o que a diretoria quer leva.

Repórter – O fato de o time ter ido bem na Europa fez com que o moral dos jogadores subisse?
Leão – Na nossa equipe não há salto alto. Estamos em uma ótima fase, mas temos que manter os pés no chão. O jogo contra o Internacional, mesmo na Vila, é extremamente difícil.

Christian é esperança gaúcha

O Internacional aposta na eficiência do artilheiro Christian, autor de três gols na última quarta-feira, contra o Goiás, para obter um bom resultado contra o Santos, na Vila Belmiro.

Caso vença o time paulista, o Internacional pode chegar à vice-liderança do Brasileiro, se for beneficiado com um resultado negativo do Sport diante do Paraná.

Vice-artilheiro do Brasileiro-97, com 23 gols, Christian tem cinco gols na atual competição. O atacante marcou no jogo de estréia, contra o Grêmio. Depois, atravessou má fase, ficando algumas rodadas sem marcar. Agora, reencontrou o caminho do gol.

O técnico Cassiá não deve ter problemas para escalar o Internacional, que tem 15 pontos ganhos (quatro vitórias e três empates) e só perdeu uma partida até agora.

O único problema do treinador é que em algumas posições há mais de um jogador mostrando condições de ser titular.

O mais novo candidato a titular é o atacante Fernando (ex-Juventude e Palmeiras) que, depois de longo período fora por causa de uma contusão, voltou contra o Goiás. Fernando entrou em campo aos 17min do segundo tempo e marcou dois gols. Ele briga pela posição com Narcisio, que deve sair jogando hoje.

Uma das principais jogadas do Inter é o apoio ao ataque do lateral-direito Denilson, que vem apresentando uma evolução técnica a cada partida. Ele tem chegado à linha de fundo e cruzado para as finalizações de Christian.

Pelo lado esquerdo, ao contrário, não existe o apoio do lateral. O paraguaio Espínola tem atuado como terceiro zagueiro, ao lado de Márcio. Régis fica na sobra. Espínola não se arrisca no ataque.

Outro ponto alto do Internacional nos jogos mais recentes é o crescente entrosamento do meia ofensivo Betinho com o resto do time. Ele alcançou sua melhor forma física e contra o Goiás jogou a partida inteira, o que ainda não tinha feito desde que chegou ao Internacional.

O time gaúcho joga com a tranquilidade oferecida pelo goleiro André. Além de raramente falhar, ele tem evitado gols com defesas difíceis. Titular do time pelo terceiro ano consecutivo, André foi elogiado por Luxemburgo, técnico do Corinthians e da seleção. Com base nisso, André tem esperanças de uma possível convocação para a seleção brasileira.